quarta-feira, 27 de junho de 2007

[ Os 7 Pecados Capitais ]

"Hê, André... você é crente e não sabe o que são os 7 pecados capitais?"

+ + + + + +

A Globo trouxe à tona um assunto que há algum tempo tinha curiosidade. De onde surgiu essa história de pecados capitais?

Resposta: Igreja Católica.

Os Sete Pecados Capitais não é um ensinamento bíblico, foi criado pelos Católicos com o fim de educar e proteger seus fiéis. Trata-se de um conjunto de vícios, que segundo o dogma da igreja, levaria alguém ao inferno se continuasse a praticar. Atualmente, a lista dos sete pecados aceitos pelo Vaticano são:


VAIDADE
INVEJA
IRA
PREGUIÇA
AVAREZA
GULA
LUXÚRIA


Mas nem sempre foi assim. Inicialmente no lugar de preguiça, o pecado era a "soberba"; no século VI o Papa Gregório substituiu por "Melancolia" e finalmente no século XVII chegou ao que conhecemos hoje.

Portanto, Os Sete Pecados Capitais nada são do que mera tradição de homens que Jesus tanto condenou quando esteve na terra (Mateus 15:1-3, 9). Ao contrário dos bereanos que se preocupavam em confirmar se aquilo que os apóstolos diziam era bíblico (Atos 17:10, 11), a cristandade aceita qualquer filosofia imposta a ela por meio de seus líderes farisaicos.

Em vez de listar sete pecados capitais, a Bíblia lista 15 obras da carne (fornicação, impureza, conduta desenfreada, idolatria, prática de espiritismo, inimizades, rixas, ciúmes, acessos de ira, contendas, divisões, seitas, invejas, bebedeiras e festanças) e curiosamente a maioria aprovada e praticada pela própria igreja.

Mas o mais importante é a ênfase que a Bíblia dá aos Nove Frutos do Espírito, este sim, o que todos nós devemos nos preocupar em refletir em nossas vidas.


AMOR
ALEGRIA
PAZ
LONGANIMIDADE
BENIGNIDADE
BONDADE

BRANDURA
AUTODOMÍNIO


Contra estes... não há Lei! (Gálatas 6:19-23)

segunda-feira, 25 de junho de 2007

[ Não sou uma xícara ]

Uma vez alguém me disse: "Um ex-desassociado quando retorna à Jeová é como uma xícara quebrada e depois coloda. Ela até serve para beber, mas sempre ficará com a rachadura para mostrar que um dia ela foi quebrada." Respondi que o imbecil que inventou essas palavras foi o maior idiota que já existiu.

Quem inventou isso desconsiderou completamente a qualidade mais nobre de Jeová que podemos refletir, que é do perdão. Desconsiderou por completo a misericórdia de Deus e rasgou a Bíblia por completo (Sal. 103:13; Jer. 31:34). Condenou para sempre o Rei Davi por ter cometido adultério e homicídio doloso, não levando em consideração seu arrependimento. (Salmo 51) Julgou como errôneo o perdão de Jeová para o rei Manassés que sacrificou seu próprio filho a um deus falso e só se arrependeu depois que foi preso (2 Crô. 33:11-13). E provavelmente não entende bulhufas do ilimitado poder de Jeová em esquecer dos pecados da pessoa e reinscrevê-la no livro da vida.

As pessoas não são julgadas por aquilo que fizeram, mas por aquilo que persistem em continuar fazendo. Quantas pessoas que foram desassociadas, conhecemos hoje, que deram sua volta por cima e são anciãos, superintendentes, servos ministeriais, pioneiros regulares, auxiliares, ou seja, levantou, deu a volta por cima, e mostrou que é possível sim aprender com os erros. Aprender a nunca cometer mais erros.

Definitivamente eu não sou uma xícara quebrada. Eu sou um cálice de cristal aos olhos do meu Deus Jeová.

sábado, 23 de junho de 2007

[ Da série: Anciãos Inesquecíveis ]

Eu detesto pagode! E inclua-se ainda nesta categoria, Axé Music e Musica Sertaneja, Country e afins. No entanto, sei reconhecer a boa música e por isso sempre possuo algumas excessões à regra. Por exemplo, detesto sertanejo mas amo as músicas de Christian & Ralf, detesto axé music mas gosto das músicas do Araketu, detesto pagode mas gosto das músicas do Raça Negra e..., Bezerra da Silva!

Quem me "apresentou" Bezerra da Silva foi Alinésio, um ancião de minha primeira congregação lá em Salvador. Alinésio tinha mania de fazer fazer pequenas citações das músicas de Bezerra quando queria falar de alguma coisa. Quando o assunto era sogra, ele sempre cantava "Sequestravam minha sogra", quando o cara era um mané manipulado pela esposa ele cantava "Sua cabeça não passa na porta" ou quando aparecia aquele que entregava todo mundo pros anciãos, ele chamava de "Defunto cagüete".

Alinésio não era uma unanimidade, claro, afinal os mais tradicionais e certinhos não gostavam do jeito espalhafatoso dele, porém, Alinésio era um dos anciãos mais amorosos que conheci, seus discursos eram objetivos e acolhedores, pois ele preferia "conversar" com a assistência. Até hoje utilizo essa forma de fazer discurso. Sei que nunca vou ser chamado para fazer discursos em Assembléias, porque não sigo o padrão da retórica formal, mas o mais importante pra mim, é que a assistencia entenda a mensagem bíblica e não durma durante o discurso.

Alinésio era daquele tipo de pessoa que não podia faltar em algum evento. Se fosse uma festinha, um passeio, serviço de campo, território isolado? A gente perguntava logo: "Alinésio vai?" Se a resposta fosse um não, com certeza iria se ouvir um eco "Ahhh... não vai ter graça!". Todo domingo era sagrado, o dominó era na casa dele.E uma vez, na saída do serviço de campo, quando a congregação inteira saiu, parecia que os meninos cercavam o lugar onde ele sentava. "É impressão minha ou todo mundo quer sair com Alinésio?". Não, não era impressão.

Mas isso não significava que ele era tolerante demais, muito pelo contrário, devido a facilidade que ele tinha com os jovens, dava margem para ele ser direto, aconselhar sem meias palavras, mas de uma forma que todos entendensse que "ele não era otário", como fazia questão de afirmar.

Ele era assim, e a gente gostava do jeito dele. Depois, com mais calma, ele sentava com a gente e falava de modo mais sério. Às vezes ele era duro, mas a gente sabia que ele tinha uma preocupação sincera conosco, pois não se tratava apenas de acusar e julgar, ou de cumprir sua obrigação com ancião, mas de ajudar de verdade porque ele se importava conosco. Ele ligava pra cada um, provia diversão sadia, tanto que enquanto o pau quebrava lá foranas noites de domingo, as mães sabiam que seus filhos estavam seguros jogando dominó ou assistindo jogo na casa de Alinésio.

Os jovens o respeitavam, e hoje, 18 anos depois, muitos de nós, casados, servos ministeriais e anciãos, ainda temos uma consideração e uma espécie de dívida de gratidão com ele. Se um dia eu for ancião, quero ser referência como ele. Eu por exemplo, passei a gostar de Bezerra da Silva. E toda vez que ouço, eu me lembro de Alinésio.

sexta-feira, 22 de junho de 2007

[CIPA]

A CIPA é a sigla para Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e é um órgão próprio de cada empresa, unindo uma comissão de empregador e empregados, que tem a finalidade de prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho.

No Brasil a CIPA passou a ter suporte legal em 1977 por meio de uma Lei que instituiu a Portaria 3214/78 abrangendo as Normas Reguladoras de 01 a 33. A NR nº 05 trata especificamente da CIPA, instruindo seu dimensionamento, processo eleitoral, treinamento e atribuições.

Seu objetivo é "observar e relatar as condições de risco nos ambientes de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar o riscos existentes e/ou neutralizar os mesmos..." Sua missão é, portanto, a preservação da saúde e integridade física dos trabalhadores. Cabe ainda à CIPA promover o SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes.

Aonde é que eu entro nisso?


Esta semana foi a eleição para a CIPA, gestão 2007/2008. Eu concorri a uma das seis vagas com mais 32 candidatos. Entre eles, dois de peso: um que é representante sindicial, ou seja, possui todo o esquema para politicagem, e um outro que tinha o apoio da sua supervisão e da empresa.

Fui eleito como o 2º mais votado – nem eu esperava tanto - e agora, faço parte da cadeira de seis pessoas que durante um ano terá a pesada responsabilidade de zelar pela saúde de 1300 operadores de help desk.

quinta-feira, 21 de junho de 2007

[Guerra de Antivírus]

Com o que você protege seu computador? Com a popularização da internet veio a banda larga e com isso a proliferação de vírus na internet se tornou maior e mais ativa. Assim, se torna necessário que usemos um bom antivírus. Mas com tantos dsponíveis no mercado, qual o melhor? Analisemos dois dos mais populares antivírus que está no mercado pronto para você usar.






O AVG é mais popular, tanto no BaixAki como no Superdownloads é o programa mais baixado, no entanto os mais satisfeitos são os usuários do Avast: nota 7 x 9 e 8 x 9 respectivamente. As críticas também são maiores pro Avast. No Orkut, a comunidade do AVAST é maior, aliás muito maior, e por isso mesmo, é onde possui mais tópicos com mais críticas e reclamações. Na dúvida, resolvi utilizar os dois.

AVG

É mais simples de instalar e mais fácil de usar. Tem uma interface simples e uma taxa de detenção muito boa. Tem atualizações diárias que sempre renova a lista de vírus disponíveis, e quando ele desconhece, isola o vírus, manda para a quarentena, até que seja identificado e eliminado. O problema - na verdade não é um problema, mas é irritante - são as atualizações diárias. Se você usa internet discada é horrível, pois ele está integrado a inicialização do Windows e leva muito tempo até finalizar o processo de atualização. Mas na Banda Larga é rapidinho. Além disso, o AVG tem um pequeno problema: ele não costuma detectar todos os vírus que entram em seu computador, e por isso, é recomendável fazer uma vasculha no seu HD o que às vezes leva mais de 40 minutos. (Eu tenho um HD só de 20G e a última levou 37 minutos). Ele encontra alguns vírus, que você não entende como não foi detectado antes, ou seja, se você não faz a vasculha, o vírus fica alí caladinho sem ninguém mexer com ele.

AVAST

Tem uma interface mais interessante, principalmente para os moleques que gostam visual moderno. Ele é mais interativo, mas justamente por isso, às vezes até irrita. O ícone que fica na barra do relógio sempre está se mexendo e dando informações superficiais. Quando usa o programa para vasculhar o micro, ele é mais rápido, e logo na primeira instalação, ele utiliza a raiz no modo DOS. O problema do AVAST é ambíguo: se você seleciona a opção Proteção Alta, ele critica qualquer bobagem que entra no seu micro, inclusive os cookies dos sites que você visita, e os alertas são sonoros e chatos. Se você coloca a Proteção Normal, aí ele parece que não protege nada.

CONCLUSÃO:

Na dúvida, preferi continuar com os dois. Num dos meus dias que tinha tempo, utilizei o AVAST para fazer uma varredura e ele encontrou um vírus. Depois usei o AVG e ele descobriu outro vírus que o AVAST não tinha detectado. No outro dia fiz o mesmo processo inverso e o resultado foi o mesmo. Assim, minha conclusão é que se você quer proteger seu micro, tire o dinheiro do bolso e utilize as versões completas e pagas.

DICA:

Antivírus sozinho não resolve seu problema. Ele tem que trabalhar na forma de trindade: antivírus + spyware + firewall. O problema é que com tantos vírus rolando na rede, é capaz de você não conseguir acessar a internet sem que um dos softwares desta trindade atrapalhe seu desenvolvimento.

sábado, 16 de junho de 2007

[ Barbeiro Cearense ]

Eu corto meu cabelo no "Ceará". Há 7 anos. Ele é o único que sabe cortar do jeito que eu gosto. Mas de vez em quando ele esquece que é barbeiro e decide ser conselheiro amoroso.

- Você têm namorada ou esposa?
- Não, por que?
- Logo vi... se eu fosse ela não ia deixar você cortar seu cabelo assim
- Assim, como?
- Baixo... você já viu que sua cabeça atrás é toda deformada, cheia de pitombo...
- Oxe, Ceará... é atrás, não estou vendo mesmo.
- Então é por isso..
- Por isso o que?
- Que você não tem namorada!
- Ceará, vai se lascar, corta logo esse cabelo que quem está pagando sou eu!!

É cada um que me aparece.

quinta-feira, 14 de junho de 2007

[ Seguuuuura peão! ]




"Cause you wore a cowboy hat
In the middle of the highway
A cowboy hat
Fears flying everywhere
A cowboy hat
And your middle finger pointed at me"

Cowboy Hat, That Dog.

terça-feira, 12 de junho de 2007

[ Certos & Certinhos ]

Eles existem em todas as congregações, em todas as regiões, são de todas as cores e estão sempre prontos à agir. Há mais de 2.000 anos, eles eram conhecidos como "Superfinos Apóstolos", hoje, são conhecidos como Os certinhos. (2 Cor. 11:5).

Fazer a vontade de Jeová e seguir nosso líder Jesus Cristo não é uma tarefa fácil, trata-se de uma luta árdua e diária que envolve entre outras coisas, estar cônscio de nossa necessidade espiritual e o lembrete de que somos imperfeitos, e por isso, que estamos numa incensante busca da melhora. Fazer isso é a coisa certa. Estes são os Certos .(Mat. 5:3; Rom.3:23)

No entanto, parece que existem alguns que sempre acham um jeito de aumentar mais as dificuldades. Estes, são os certinhos demais. Mas como identificar um irmão Certo de um Certinho? Simples:

Os Certos ajudam, os Certinhos criticam.

Os Certos procura alguém que está cometendo um erro para conversar, os Certinhos entregam logo aos anciãos.(Mat. 18:15-17)

Os Certos lamentam quando alguém é repreendido, os Certinhos jubilam "Viu? Bem feito. Quem mandou errar?"

Os Certos se alargam, os Certinhos se agregam com outros Certinhos. (2 Cor. 6:11-13)

Quando fazer algo é uma questão de consciência, os Certos respeitam, os Certinhos acham errado tudo aquilo que eles não gostam ou não entendem.

Os Certos tratam a todos de forma igualitária, os Certinhos adoram praticar simonia (Atos 8:13-19)

Os Certos admitem sinceramente que são imperfeitos, os Certinhos admitem de boca pra fora.

Os Certos olham de baixo para cima, os Certinhos olham pra você de cima para baixo.

Os Certos servem a Jeová, os Certinhos amam os privilégios de servir a Jeová.

Você se sente achegado a conhecer um Certo. Você sente repulsa de conviver com os Certinhos.

segunda-feira, 11 de junho de 2007

[ Amor à distância ]

"O que restou do nosso amor ficou no tempo,
esquecido por você...
Vivendo do que fomos, ainda estou,
tanta coisa já mudou, só eu não te esqueci.

A distância, Roberto Carlos.


+ + + + + + + + +


Você acredita em amor à distância? Será que é só eu que não consigo levar fé num troço desse? O caso mais extremo que conheci até hoje foi de minha amiga Francis, que conheceu um irmão da Alemanha, em Salvador, e hoje está casada com ele há mais de 10 anos. Ele veio uma vez e se conheceram; seis meses depois ele voltou e ficaram noivos, 1 ano mais tarde eles se casaram e ela foi ser mais uma brasileira na terra do "Chucrute". O amor se criou e sobreviveu por quase dois anos somente à base de cartas e telefonemas (é porque há 11 anos, internet ainda não era tão popular assim).

Eu acho que já devo ter encontrado um monte de "grande amor da minha vida" mas que morreu devido à distância. Eu sou muito pegajoso: gosto de estar perto, de abraçar, de poder fazer carinhos, de tirar o cabelo do rosto, de olhar nos olhos, perceber o sorriso, de segurar na mão, de acompanhar; e a distância não nos privilegia com essas coisas. É complicado.

No entanto, conheci muitos casais, inclusive do mundo, que manteve um ótimo relacionamento apesar dos extremos geográficos. Uma de minhas operadoras namora com um rapaz de Joinville-SC e no final do ano eles vão casar e ela vai mudar pra lá. E olhem que eles são do mundo! Na organização temos responsabilidades e princípios bíblicos que ajudariam a manter a chama acesa apesar da longa separação dos pólos.

Bem, o lance da distância também nos protege de algumas coisas. Ficar junto demais pode ser perigoso para calmaria dos hormônios e a saúde espiritual. Também não há aquela história de ficar acompanhando de perto os passos um do outro. Exemplo: se alguém distante diz que vai pro cinema com as amigas, você diz "tudo bem, amor"; mas se vocês morassem na mesma cidade, com certeza você se perguntaria: "Ué, porque elas e não eu?".

Eu sei que não tenho muita moral pra falar de relacionamentos, mas achei realmente interessante a história dessa minha colega de trabalho. Eu me lembro que no início eu até desestimulei-a em manter essa relação com esse rapaz ("menina, o cara é bonito, sozinho lá no Sul, você acha que vai dar certo?"). E não é que deu?

domingo, 10 de junho de 2007

[ Só casamento salva? ]

"Minha mãe me falou,
que eu preciso casar.
Pois eu já fiquei mocinha.."

Beat Acelerado, Metrô.


Por que será que toda vez que ligo para minha mãe, quando ela diz "filho, toma juízo!", eu sei que ela está me mandando casar? Casar dá juízo a alguém? Eu acho que aqueles que casam é que são os sem juizo. Bem, mas há controvérsias. Afinal, este ano eu não tenho só um amigo casando; eu tenho cinco amigos casando!!! Então deve ser bom, ora bolas! (ué, será que cristão pode falar oras, bolas? Se não puder, logo logo alguém vai me mandar um e-mail. Eu acho isso tão legal, tão interativo).

Bem vamos lá: Moisés já foi, Diego também, faltam Anderson, André Jr. e Roberto. Por sinal, Moisés casou aos 40 anos. Mas teremos três festas! Yeah! Mais três lembretes... todo mundo olha pra sua cara e diz: "E aí André, quando é que vai ser o seu?". Você prende o desejo de mandar aquela pessoa pastar, abre um sorriso e solta a desculpa mais desfarrapada que existe: "Ué, tá faltando a noiva". Desfarrapada e ridícula, pois abre espaço para que te ofereçam um leque de opções. Sabe aquela pessoa encalhada? Por que será que sempre acham que ela é perfeita pra você? Desculpe pessoal, mas o mundo é cruel.

Por sinal, casamento não é uma ótima oportunidade para conhecer belíssimas irmãs. Um superintendente de circuito (graaande Vítor) me falou uma vez: Casamento e Congresso não é o lugar para encontrar irmãs belíssimas, pois alí elas capricham ao máximo. Quer conhecer a real beleza dela? Assista o Estudo de Livro do qual ela faz parte." Incrível, isso mudou minha vida. Se uma irmã é linda no Estudo de Livro de Congregação, pode investir, porque ela será maravilhosa nas demais situações. Como diria Borat, "isso foi uma crítica, ooor nooot!"

Bem, voltemos ao casamento. Será que o casamento mudou a vida de Moisés e Diego? Ah, eles ainda estão em lua de mel, não serve como parâmetro. Mas o que eu poderia ganhar? Qual a vantagem do casamento? Que graça tem ter uma pessoa do seu lado todos os dias, dormindo com você todos os dias (Yesss, sex all day), se preocupando com você, cuidando de você, amando você, apoiando você, fazendo comidinha pra você, lutando pelo seu sucesso, sendo uma grande companheira com você, servindo a Jeová junto com você... snif, snif, buáááá... eu quero casar!

Mas casamento é uma coisa séria, afinal, é por toda a vida. Assim, não pode ser assim com a primeira que aparece. É um processo lento ou vocês acham que um adolescente de 33 anos tem maturidade para decidir isso ainda? Quem sabe daqui há uns 6, 7 anos. Brincadeira, minhas testosteronas não aguentariam tanto tempo. Mas o problema é que falta alguém que lhe dê aquela certeza absoluta. Alguém que você possa dizer "é ela!". Eu tento, acreditem, mas existe àquela pós fase que vem depois da empolgação. Eu queria muito está perdidamente apaixonado, amando agora, dormindo sonhando com o futuro, mas às vezes parece que fico meio preso no passado, criando parâmetros. É uma droga! Mas, vamos levando a vida. Acredito piamente que quando ocorrer será de forma natural, simples, simplesmente aconteceu. Pode ser com alguém que eu conheça há anos ou com alguém que ainda não apareceu. Mas vai acontecer.

Mas por favor, até lá... não digam que eu não tenho juízo só porque eu não casei ainda.

sábado, 9 de junho de 2007

[ Brigadista ]

Esta semana acabou o mini curso de brigadista que a minha querida empresa pagou pra mim e mais 39 funcionários. Hoje foi o clímax, com aulas práticas de tudo que se têm direito no quesito primeiros socorros e combate a incêndio. Minha nota? Num sei, vamos fazer às contas:

USO DA MAGUEIRA E DO HIDRANTE

A tarefa em dupla, consistia em simular a necessidade de apagar um fogo utilizando a mangueira e o hidrante. Teríamos que correr até o hidrante, desenrolar a mangueira, encaixar o cabeçote, ligar a água e ajustar a válvula na forma que a água saísse em forma de neblina. Depois teríamos que revezar com a mangueira ligada, desligar e enrolar a mangueira. Bem, minha companheira foi justamente a minha Gerente, assim, eu já sabia que se acontecesse alguma coisa errada eu teria que levar toda culpa. Mas foi tudo tranquilo. No final, como sou palhaço tive que molhar todo mundo, pois acredita que tinha umas patricinhas que não queriam molhar a escovinha? Nota 9,5.

USO DOS EXTINTORES

Na nossa frente um espaço com madeira e papel pegando fogo, noutra óleo diesel ídem e na terceira um fio eletrico dando curto circuito. Três tipos de extintores: água, pó químico e CO2. Nossa tarefa era usar o extintor certo para cada tipo de fogo. Ele dizia qual era o fogo e nós pegávamos o extintor e usava no lugar certo. Tranquilo também! Na hora que ele falou "Óleo Diesel", peguei o CO2 e mandei brasa... ou melhor, mandei gelo. Mas o melhor mesmo foi ver que o extintor também serve para gelar a Coca Cola que estava quente demais. Depois que eu fiz isso, todo mundo quis fazer também. Inveja mata! Nota 9,5

CASA DE FUMAÇA

Uma casa cheia de corredores impregnada de fumaça. A tarefa é passar por ela, pois segundo a física, a fumaça sobe e no chão o ar se concentra. Não fiz... tenho asma. Logo depois, quando a fumaça já tinha se dissipado, só em entrar, já me sentia sufocado, imagina se eu iria entrar com a casa pegando fogo? Deus é mais! Nota 0.

RAPEL

Descer numa altura de 200 metros um rapel preso a uma corda? Tipo... tenho medo de altura e acredito piamente que se Jeová quisesse o homem nas alturas teria criado ele com asas. Sou macho, mas às vezes falha, então, na hora H corri do Rapel. Nota 0.

Média.... 4,75.

+ + + + + + + + + + + + + +

Mas falando sério. Esse curso de Brigadista é muito interessante. É incrível como achamos coisas simples complicadas e vice versa. Por exemplo: só depois desse curso descobrir para que serve a respiração boca a boca. Aposto que nenhum de vocês sabem para que é. Mas pelo menos me sinto preparado para apagar um fogo quando ele começar ou dar os primeiros socorros se houver necessidade.

Assim, estar comigo ficou cada vez mais seguro. Você vai confiar??

sexta-feira, 8 de junho de 2007

[Barraquistão]






Esta é minha casa, a casa do Vitória, Estádio Manoel Barradas, conhecido popularmente como Barradão. Apelidado pelos torcedores de Barraquistão! Nem Bin Ladem tem coragem de vir aqui... caiu aqui se lascou. Vitória agora é pau de dá em doido!

Não quero nem saber se o time amanhã é o Santo André. Eu nunca fui santo mesmo!!
Eu quero é nova goleada e ouvir o hino do time o dia todo.




quinta-feira, 7 de junho de 2007

[ Você já acreditou em contos de fadas? ]

Quando éramos criança nossa imaginação sempre buscou fugir da realidade criando um mundo alternativo, não necessariamente perfeito, mas diferente da vida usual que vivíamos. Criávamos histórias interessantes, fantásticas, virávamos heróis e importantes ao mesmo tempo. Quantas vezes quisemos estar no País das Maravilhas ou ser um Peter Pam? Quem não quis ser o protagonista do filme A História sem fim ou viver no Sítio do Pica Pau Amarelo? Alguns de nós crescemos e esquecemos deste mundo; outros, porém, continuaram fabulosos e assim nasceram as histórias conhecidas como "contos de fadas".






Labirinto do Fauno é um conto de fadas para adultos. É assim que podemos descrever o filme do mexicano Guilherme Del Toro, que por ser falado em espanhol, acabou sendo um charme a mais (Os americanos quiseram dublar o filme para exibição nos Estados Unidos, mas Del Toro foi irredutível). Não é difícil saber porque ele foi tão aclamado em todo o mundo e ao mesmo tempo o mais injustiçado do Oscar, por não ter levado o prêmio de melhor filme estrangeiro. Labirinto emociona e nos faz lembrar das nossas fábulas que temos medo de criar por sermos adultos.

O filme se passa no período da guerra civil da Espanha, em 1944. Uma garota chamada Ofélia e sua mãe se mudam para uma região onde rebeldes ainda lutam contra as forças militares de Franco, representada ali pelo cruel Capitão Vidal. Solitária, a menina logo descobre a amizade de Mercedes, jovem cozinheira da casa, que serve de contato secreto dos rebeldes. Além disso, em seus passeios pelo jardim da imensa mansão em que moram, Ofelia descobre uma fada que a leva para um labirinto que faz com que todo um mundo de fantasias se abra diante dela. Lá ela encontra um Fauno, que a informa que ela é uma princesa de um reino encantado esquecido entre os humanos, e que para retornar ao seu reino, terá que passar por 3 provas difíceis, que acabará trazendo consequencias diretas às pessoas ao seu redor.

Labirinto é um daqueles filmes em que universitários, psicólogos ou intelectuais adorarão passar horas discutindo. O filme faz um paralelo interessante entre o que é real e o que é fantasia, nos emociona e ao mesmo tempo nos faz questionar até onde vivemos nossas fábulas.

Não é um filme para crianças (há muitos diálogos agressivos e cenas de violência), mas um filme para adultos. Ao contrário de Peter Pan e O Pequeno Príncipe, que nos incentiva a usar de toda nossa imaginação como uma forma de escapar de nossos problemas da vida real, Labirinto do Fauno nos mostra exatamente o contrário, que imaginação nos ajuda apenas a anestesiar as nossas dores, e se for usada com este objetivo, pode ser escapista, mas no final, a realidade é sempre mais do que a realidade.

Por isso mesmo, ao contrário dos contos de fadas, este filme não termina com a famosa frase "...e viveram felizes para sempre", mas com um fabuloso, e eles passaram a refletir em suas vidas para sempre.

segunda-feira, 4 de junho de 2007

[ O que você tem que fazer é.... fazer! ]

No sábado passado estava conversando com uma irmã, cujo marido acabou de ser desassociado e aparentemente não está fazendo planos para retornar tão cedo. "Eu não sei o que faço e nem o que dizer a ele". Eu disse: "Não diga, apenas faça o que você tem que fazer". O que me ajudou a retornar à Organização de Jeová, quando eu fui desassociado há 10 anos atrás, não foi necessariamente o que minha disse, mas o que ela fazia!

Lembro que minha mãe nunca me disse uma palavra quando eu estava nessa situação. Lembro apenas que todas as vezes que chegava em casa ela estava lendo a Bíblia, preparando as reuniões ou fazendo uma oração. Eu sabia que eu era o pedido das orações dela. Via quando ela fazia questão de comentar em voz alta com minha irmãs, cada vez que ela lia algo interessante na Despertai! ou em A Sentinela. Nada era dirigido diretamente à mim, mas tudo era feito naturalmente para mim.

Lembro que toda vez que dizia que ía às reuniões, eu chegava cansado do trabalho e minha roupa estava passada em cima da cama e o jantar quente, pronto, em cima do fogão. Engraçado, mas isso só acontecia nas terças e nas quintas. Lembro também do rosto dela triste e decepcionado quando eu não ía. Minha mãe nunca discutiu comigo ou me ofendeu, mesmo quando apareci namorando a vizinha do prédio ao lado. Minha rebeldia durou apenas 2 meses; logo eu estava voltando a assistir as reuniões regularmente e 11 meses depois, eu era readimitido na congregação de Deus.

Hoje, graças a Jeová, aos trancos e barrancos, toda minha família serve lealmente a Jeová. Às vezes, brigar não vale à pena. Na maioria das vezes, num caso assim, o melhor a fazer é apenas fazer.

Fazer o correto, fazer de sua vida espiritual um exemplo a ser seguido.
[ Devaneios ]


Hoje eu sonhei com você.
Foi um sonho desses sonhos loucos que sonhamos.
Foi um sonho desses maravilhosos que sonhamos.
Pequeno, rápido, louco, inesquecível.

Eu sonhei com você do meu lado.
Se depedindo de mim com um beijo.
Não era uma despedida daquelas que ferem.
Mas uma despedida daquelas que voltam.

Eu não precisava fingir que não te amo.
Não precisava me preocupar com as pessoas.
Ali, simples no meu canto
Olhando para seus olhos límpidos
E saber que você é a mulher de minha vida!
Que minha vida era só você.

sábado, 2 de junho de 2007

[ Estaile ]




"Somebody put something,
Somebody put something in my drink"

RAMONES



Eu e Ismael no casamento de Diego e Daiane.
Até esse momento, estávamos normais