sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

"Se não quer, porque fica tratando bem?"


Você é daquelas mulheres que acha que todo irmão educado, gentil e atencioso tem segundas intenções? Se a resposta for não, parabéns, pois você faz parte de uma minoria das mulheres que possui no mínimo um bom senso para saber separar as coisas.

Existem mulheres que realmente foram manipuladas por novelas e filmes de comédias românticas que acham que todos os homens distribuem sinais que significam, ou não, que eles estão interessados. Tem hora que dá vontade de dizer bem alto: "Ei, não estou te cantando, estou apenas sendo educado" para cada sorrisinho malicioso ou cara de desdém ao qual me deparo quando faço uma delicadeza ou simplesmente faço um comentário gentil.

Apesar de às vezes ser crítico, chato e irônico, acreditem, eu também sou muito educado e bastante comunicativo. Gosto de conhecer pessoas, conquistar amizades, seja homem, mulher ou criança. Não tenho problemas quanto a isso, salvo quando encontro uma irmã que acha que todos os homens do mundo estão interessadas nela. Acontece principalmente com aquelas menininhas bonitinhas que se acham o único grão de ouro numa bacia de chumbo. Conheci várias dessas irmãs que achavam que todos estavam a fim dela, inclusive os casados, que só não se declaravam, porque eram casados.

Certa vez tive que dar uma tirada numa irmã que achou que eu estava cantando-a só porque tinha elogiado o vestido bonito que ela usava. Outra vez tive que dizer para um irmão que não tinha interesse algum em certa irmã só porque nós conversávamos muito sobre rock, cinema e eu emprestávamos algumas coisas entre nós. A resposta de certa irmã pioneira de guerra foi: "- Irmão, se você não quer nada com ela, porque fica tratando bem?" Putz! Agora teremos que tratar todas as irmãs de forma grosseira para não sermos mal interpretados? Agora dizer "Bom Dia" é demostrar que está a fim?

O mais engraçado é que curiosamente o desdém só ocorre quando o pobre do irmão é feio. Se for um carinha bonito, coisa e tale, tale e coisa, o sorriso é retribuido, a paixão é despertada, e quando o irmão simplesmente cai fora - já que ele está sendo apenas educado - logo ela começa espalhar que ele é cafageste, "beija-flor", que gosta de iludir as irmãs. Posso com uma coisa dessas? Aconteceu muito comigo na adolescência; hoje em dia, que estou casado, velho e barrigudo, as coisas viraram quase que um assédio sexual.

O que me fez escrever sobre isso hoje? Assisti o filme anti-romântico 500 DIAS COM ELA que acho que todo homem deveria assistir e acabei me lembrando de ELE SIMPLESMENTE NÃO ESTÁ TÃO A FIM DE VOCÊ, que vi no cinema, e acho que toda irmã deveria assistir. Simples assim! O primeiro mostra que existem, sim, homens românticos e mulheres cafagestes e que nem sempre aquela história de alma gêmea, coisas em comum, afinidade e carinho garante um bom relacionamento e amor eterno. O segundo filme já tem bem um pouco a ver com o que estou escrevendo hoje: nem sempre o homem está afim, homens não gosta de enviar sinais porque ele não gosta de joguinhos de amor.

Então é isso... por fim, mulheres, parem de se achar tanto, pois na maioria das vezes não estamos a fim de você, só estamos sendo educados.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Como lidar com irmãos difíceis?


Ser ancião, ou servo ministerial, às vezes requer uma das grandes qualidades de Jeová que é a paciência. Entretanto um dos requisitos do cargo é que eles são obrigados a cultivar isso. (2 Pedro 3:9; 1 Timóteo 3:1-7) Mas o que dizer quando você é publicador, e tem que lidar com pessoas difíceis? Seus problemas acabaram, chegou o Manual do Albergue sobre como lidar com pessoas difíceis. Antes de tudo é necessário reconhecer algumas personalidades de nossos irmãos. Isso se aplica também a você, por isso, aproveite e faça uma auto-análise também, pois conhecendo a você mesmo, será mais fácil lidar com diferentes personalidades.

Claro que como uma pessoa polêmica, alguns acharão absurdo o que vou dizer abaixo, talvez diga que estou expondo a organização, os irmãos, coisa e tal, mas acreditem, só estou querendo ajudar. Afinal vivemos num mundo aonde até mesmo muitos que amam, passarão a ter outro tipo de atitude. (Mateus 24:12) Mas vale frizar que a atitude abaixo não reflete a grande maioria de nossos irmãos, que mesmo com suas perfeições se esforçam em servir a Jeová de forma integral e altruísta.


O NECESSITADO

É um carente por opção. É aquele que está sempre se fazendo de humilde. Ele não é necessariamente pobre ou possui alguma deficiência física, mas utiliza desse método para tentar conquistar a pena, e com isso, a atenção de outros irmãos. Ele sempre anda de maneira curvada, ri de maneira tímida, sempre está comentando que seu comentário foi horrível, que ele deveria ter preparado melhor, ou comenta que os irmãos costumam sair, mas "ele não sabe porque" nunca é convidado. Age como se fosse uma pessoa tímida, raramente chama a atenção da multidão para si, pois sua tática consiste em conquistar pessoas de forma individual, por isso numa festa prefere ficar sozinho do lado de fora, à espreita de uma "presa", que sentirá pena e fará companhia a ele. Com o passar do tempo o carente será capaz de causar estragos na outra pessoa pois cria uma dependência com sua insegurança artificial. Inicialmente o carente é um ótimo amigo, pois ele se apega facilmente a você e fará de tudo para agradá-lo. Porém, com o tempo, esse comportamento acaba se tornando desgastante, vira um peso, um fardo, e ele acaba se tornando uma pessoa irritante. Isso pode fazer com que a pessoa se afaste de você, mas lembre-se, ele pode se apegar facilmente a outra pessoa, o grande problema disso é que no intuito de agradar sua nova "presa", o inseguro poderá dizer tudo sobre você, inclusive aqueles velhos comentários do tipo "fulano parece ser um irmão sério, mas sabia que quando ele está em casa sozinho ele faz isso e aquilo?".

O OTIMISTA

Este é um paradoxo do carente. Além de ser extremamente comunicativo, ele é o tipo de pessoa que é tão feliz, que muitas pessoas se atraem a ele. Geralmente ele fecha os olhos para os problemas porque sempre acha que eles são passageiros ou que no fundo sempre vai existir um lado bom nas pessoas. O lado bom de conviver com eles é que na maioria das vezes, a alegria deles é contagiante. Ele é daquele tipo de irmão que todos sentem falta numa festinha, ou que transforma um serviço de campo numa rotina mais agradável. Por outro lado é o terror dos indicadores, pois geralmente gosta de ficar em pé no Salão conversando ou fazendo comentários engraçados a quem passa. De uma forma geral, são pessoas que possuem uma fé muito grande nas promessas de Jeová e costumam ser bem eficientes no serviço de campo. Mas às vezes pode esconder algum tipo de frustração ou necessidade de aceitação no íntimo e agir como o pseudo-carente.

O INGÊNUO

Este sempre fecha os olhos porque está envolto na capa da ingenuidade. Sua pureza e bondade interior o impede de ver as coisas como realmente são, e por isso, às vezes fogem da realidade. Ele é incapaz de maledicência, de crueldade, de atitudes destrutivas e tão conhecidas de nós como fofoca e falsidade. Para ele a Organização é repleta de irmãos 100% amorosos, que todos os anciãos, servos ministeriais e pioneiros são perfeitos e jamais cometerão qualquer erro. Se ele vê um irmão saindo de um motel é capaz de imaginar que ele deve trabalhar lá como recepcionista porque não conseguiu encontrar um emprego melhor. O ingênuo geralmente não é perigoso para nós, mas para si mesmo, pois geralmente, são vítimas dos destrutivos ou dos arrogantes.

O APAIXONADO

Este é um problema sério para quem tem problemas de "diabetes", ou seja, pessoas melosas demais. Extremamente românticas, fecham os olhos para tudo porque está obcecadA por aquilo que o amor (É-ros) pode lhe oferecer. A paixonite geralmente ataca as irmãs, talvez pela escassez de homens na Organização. A necessidade de ter alguém ao lado é tanta que ela nem leva em conta a personalidade, a espiritualidade e o caráter que desse alguém. O resultado é que a apaixonada está sempre pagando o "mico" de ficar visitando congregação a congregação, congresso a congresso, brilhando seus olhos para cada irmão solteiro que conhece. No caso dos homens, ele está sempre entrando e saindo de relacionamentos, o que faz com que às vezes leve a alcunha injusta de "irmão galinha". Por mais que você dê conselhos, o(a) apaixonado(a) sempre vai acreditar no amor e que qualquer dia desses Jeová lhe trará seu príncipe encantado.


O DESLIGADO

Esse está sempre de olhos bem fechados. Com a cabeça nas nuvens, ele está presente no salão do reino só de corpo, pois a mente está vagueando; nos congressos ele olha para todos os lados mas não é capaz de se fixar em especificamente nada, nem no programa. Perdido em pensamentos, ele geralmente se atrasa a um compromisso, sempre chega tarde no Salão, num dia esquece o cântico, noutro esquece a revista do estudo em casa. O desligado nem sabe o que está acontecendo, para ele tudo está bem, quer dizer, deve estar né? Enfim, é o tipo de pessoa que tropeça na própria sombra.

O ARROGANTE

Este é um dos mais difíceis de identificar, porque geralmente estão associados aos tímidos - de verdade - ou a pessoas maduras e pseudo fortes espiritualmente. O arrogante está sempre fazendo pose, tem o nariz empinado, expressão séria demais para a ocasião ou com desdém, olha todos com se fosse um ser superior. Geralmente são pessoas que possui alguma habilidade sapiente ou material; são pessoas inteligentes que comentam muito bem ou fazem excelentes discursos, ou tem um bom emprego ou um carro do ano. Mas tem também o arrogante espiritual, aquele que se sente melhor do que todos os outros porque estão no serviço de tempo integral. Acreditam que "trabalham" mais para Jeová do que os reles publicadores que só fazem uma média de 9 horas por mês. É muito comum também em Servos Ministeriais designados muito jovens, que acreditam que vêem sua designação como uma promoção no emprego. Entretando, quando falam, costumam falar de forma pausada, mansa, para dar impressão de que as coisas que pensa e diz são razoáveis, produtos de muita reflexão.

Não se engane. É pura jogada pois o que ele quer é conquistar sua simpatia para poder contar com você. É capaz de ficar conversando com um irmão idoso do Salão só para que as pessoas vejam como ele é amoroso. Se possui algum privilégio no Salão do Reino, o faz com maestria, afinal, ele é superior a qualquer outro que fizesse o mesmo. O mais ruim no arrogante, é que infelizmente os anciãos costumam cair na sua lábia e cada vez mais lhe enche de mais responsabilidades e privilégios. Os irmãos ingênuos também costumam ser as vítimas costumazes do arrogante.

O AUTORITÁRIO

Este é uma das pessoas que faz de tudo para esconder suas reais intenções. Ao menos no começo, pois com a convivência, fica impossível manter sob controle a sua vontade de mandar. É possível identificar os autoritários especialmente em trabalhos como limpeza do Salão, construção, reformas ou quando estão liderando o serviço de campo. Observem: falam alto como se fosse uma pessoa animada, determinada, segura. Geralmente se vestem de forma conservadora, mesmo quando não há necessidade, como calça social e camisa de manga longa num dia quente de sol em uma reforma de salão. Mas ele não relaxa nunca. Seus gestos são contidos, poucos e pequenos. Não acolhem ninguém, mas sempre quer impor um caminho, uma opinião, uma idéia e constantemente se aborrecem ou criticam quando ela não é aceita. Seu comentário num debate é o último e geralmente está "criticando" as pessoas do território por serem burras e ignorantes.

O IMPULSIVO

Este é um dos tipos de pessoas mais transparentes que existem, pois geralmente demonstram aquilo que são, e se orgulham disso. Se ele tiver que chorar, chora; se tiver de rir, gargalha; se ficar bravo, explode; se tiver que te elogiar, te enche de bajulação, mas se tiver que te criticar, faz sem dó e piedade. É o tipo de pessoa que confunde Sinceridade com Falta de Respeito pois comumente costumam dizer coisas sem pensar antes se vai magoar; na verdade eles até pensam, mas acham que tem sempre que falar a verdade, doa a quem doer. O lado bom é que pelo menos você sabe com quem está lidando.

O DISSIMULADO

Este sim é muito mais perigoso e até irritante até mesmo que o arrogante ou autoritário. O dissimulado não "explode" pra fora, mas pra dentro, pois são pessoas que se preocupam com a aparência e a má impressão que pode causar nos outros. Por isso articula pelas costas para que ninguém perceba que foi ele quem armou a cilada. Ele possui a famosa "duas caras", todo sorrisos à nossa frente, é capaz de ser ardiloso por trás. Não costumam ir direto ao ponto ou desviam do assunto principal, sempre dando voltas de modo que você até esquece porque, ou o quê, está falando com ele. Geralmente é muito meloso e possui uma delicadeza fora do comum que se percebe que é forçada. Ele diz é capaz de dizer te acha um irmão sen-sa-cio-nal, mas na primeira oportunidade fala mal de você para os anciãos. Ele age como se estivesse representando eternamente no palco da vida.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Futebol ou Nada?




Você torce para qual time? Você terá respostas diversas e respondidas de formas diferentes caso seja feita para um irmão em um dos 27 estados brasileiros. Se esta pergunta for feita em Salvador ou no Rio de Janeiro, os irmãos provavelmente lhe dirão que não torce para time algum, que isso é idolatria, coisa e tal. Se esta mesma pergunta for feita em Brasília ou São Paulo os irmãos lhe responderão sem problema algum, qual o time do coração.

Não preciso dizer que qualquer objeto como chaveiro, boné ou camisa de um time nas duas primeiras cidades citadas é quase uma heresia; mas já nas duas últimas citadas, é tão comum que é considerada uma roupa de passeio, de ir num clube, coisa e tal.

O que diferencia o modo de pensar dessas pessoas? Duas verdades? Isso é o que se chama de cultura da regionalidade. Mas antes de entrar neste quesito, vamos entender plenamente o que a Organização já pregou sobre prática de esportes e sobre times de futebol em especial.

Caçando pelas nossas publicações, a maioria dos tópicos sobre futebol se relacionam a Copa do Mundo. O que há de comum entre elas é que as advertências não se aplicam ao gostar de futebol - e consequentemente ter uma preferência um time (o grifo é meu) - mas a preocupação com o ufanismo exarcerbado e ao sentimento de nacionalismo que disso possa surgir.

Por exemplo, Despertai de 08/05 de 1991 questionou: "Copa do Mundo de Futebol - Esporte ou Guerra?" aonde foram apontados as guerras e a violência dos hooligans e o fato de que o esporte não trouxe solidariedade entre as pessoas.

O escravo chama a atenção para Gálatas 5:26 que diz "Não fiquemos egotistas, atiçando competição entre uns e outros, invejando-nos uns aos outros." Bem, levando por este ângulo, não só o futebol, mas qualquer esporte deve ficar bem distante dos irmãos. Pois qualquer que seja a modalidade, acaba levando a pessoa à competição, até mesmo aqueles famosos "solteiros contra casados", etc.

Eu particularmente acredito que deva existir o equilíbrio. É impossivel você praticar um esporte específico como diversão e não ter admiração por um esportista que faz parte desse esporte. A pessoa que tem o Tênis como hobby acaba sendo um admirador do Nadal ou do Federer.

No nosso caso - brasileiros - que amamos futebol, é impossível não ter uma certa simpatia por um time ou clube. No meu caso, eu tive meu pai que era fanático pelo Vitória, e que nos transmitiu essa paixão de uma forma que ficou marcada em nossa mente, principalmente depois de sua morte.

Às vezes tenho que me esforçar em manter as coisas dentro dos limites. Mas jamais deixei de fazer alguma atividade espiritual para me dedicar ao futebol. Até em 1993, quando o Vitória disputava pela primeira vez a final do Campeonato Brasileiro, fui para o Salão do Reino cuja reunião começava as 16 horas, bem no horário do jogo.

Não estou dizendo que tenho razão, nem que estou certo. Apenas estou tentando me justificar, ou me fazer compreender. Tenho evitado comentar coisas sobre futebol, e sobre o Vitória, meu time de coração, ou do Gama, meu time por adoção. Talvez para aqueles que detestam futebol seja fácil e talvez absurdo entender minhas palavras, mas outros sabem justamente o que estou falando. Infelizmente o mundo possui várias formas de anelar nossos olhos, e uma de minha maiores fraquezas, é o futebol.

E que comecem os Estaduais. E Que Jeová me perdoe!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010




Estou cansado de ouvir as pessoas dizendo que "Em Brasília só tem ladrão" ou "Brasilia é a vergonha do Brasil".

Brasilia é uma cidade de mais de 2,5 milhões de habitantes.
A maioria deles, trabalhadores, que acordam cedo e dão duro para ganhar seu sustento de forma honesta e legal.

Eu sou um deles!

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Respirando debaixo d´água?

Da série: observando o mundo.

Dan Braw é conhecido pelos seus livros polêmicos, aonde mistura ficção, ciência e teorias da conspiração como se fossem verdades. Em seu mais novo livro, O Simbolo Perdido, ele apresenta alguns teorias que foram bastante criticados por cientistas e por maçons, que foram os "personagens" principais da história. Mas uma delas, por mais incrível que possa parecer, é verdadeira. A do líquido respirável.

Num dos clímax do livro, o simbolista Robert Landgon é deixado para morrer numa caixa que é inundada por um líquido viscoso. Sem saber ele desmaia, mas continua respirando normalmente até ser salvo pela CIA. Achou a passagem absurda demais? Nem tanto.

Segundo alguns estudiosos, o tal líquido respirável existe e poderá ser utilizado para tratamento de doenças pulmonares ou limitar os efeitos da descompressão para astronautas e mergulhadores. Funciona assim: o líquido, na verdade uma substância chamada perfluorocarbono, enche os pulmões que faz as mesmas transferências químicas da respiração. A diferença é que com o ar, os pulmões precisa expelir o gás carbônico e inspirar o oxigênio para produzir essa reação química, com o líquido, popularmente conhecido como VLT (Ventilação Líquida Total), esse processo é feito simultaneamente sem precisar a retirada do líquido.

No livro, Dan comenta que muitos usam o VLT para experiências de hipnose ou para meditação e relaxamento do corpo. Se é verdade, não consegui identificar nenhuma informação no Google, mas segundo a revista Superinteressante, esta "água" está em fase de testes há 45 anos nos EUA sem um resultado satisfatório. Mas no Brasil já existem médicos que vê esperança nesse novo tratamento. Dúvida? Clique Aqui

sábado, 9 de janeiro de 2010

Vegetarianos vs Carnívoros


Não adianta os discursos retóricos, nem as campanhas infames, os vegetarianos não conseguiram convencer a mim e a mais bilhões de pessoas a deixar de comer carne. Apesar do discurso humanista de que os animais sofrem como nós, os açougues continuam recebendo carnes e mais carnes, enquanto fazendas continuam matando bois, vacas, cabras e afins.

Li que algumas ONG que lutam contra os direitos dos animais estão buscando agora criar meios de, já que não conseguem impedir a matança, impedir que pelo menos eles não sofram. As fazendas e abatedouros dariam a este animais uma espécie de anestesia que faria os mesmos sofrer com a morte cruel ao qual são submetidos.

À parte de tudo isso, minha curiosidade me fez buscar algumas informações sobre isso. Encontrei na Despertai! de agosto de 1997 o artigo "É errado comer carne?". Antes de Adão e Eva se rebelarem e perderem o paraíso, eram carnívoros. Genesis 1:29 diz sobre as instruções que receberam para encontrar alimento: "toda a vegetação que dá sementes, que há na superfície de toda terra". Eram vegetarianos!

Mas depois do dilúvio, as coisas mudaram e o homem estava liberado para fazer aquele belo churrasco, se quisesse. - "Todo animal movente que está vivo pode servir-vos de alimento. Como no caso da vegetação verde, deveras vos dou tudo" (Gênesis 9:3)

Então não tem muito o que conversar. Sei que alguns não gostam de comer carne, conheço vários irmãos vegetarianos, porém acho complicado quando isso é defendido não só como uma ação "humanitária" pelos animais, mas quase como um princípio religioso. Existem os chamados veganos, que não só deixam de comer carne, mas criam um verdadeiro grupo de culto e de afronta contra aqueles que querem comer.

Agora com licença, que vou ali, pegar um pedaço de carne que está assando na minha mais nova churrasqueira elétrica.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Quando é preciso romper amizades


O estudo da revista deste final de semana me levou de volta no tempo há 21 anos. Nesta época Testemunha de Jeová era apenas mais uma religião de crente, que minha mãe insistia em estudar com uma senhora uma vez por semana. Eu tinha visão evangélica graças a uma tia que responsável pela minha "evangelização" desde criança, mas sempre tinha a visão de que igreja, seja ela qual fosse, servia muito mais como uma restrição à liberdade e um engodo aos incautos, do que necessariamente uma via de libertação.

Voltando ao estudo, isso me trouxe a memória a pessoa que me fez estudar a Bíblia, por grande ironias da vida, um desassociado, um colega de sala de aula chamado Francisco. Quando falei da primeira vez que tinha ido à comemoração e sobre o consequente estudo bíblico, ele foi uma das pessoas que mais me incentivaram. Na época eu era headbanger e algumas das coisas no ensino bíblico que mais me chamaram a atenção foi explicado inicialmente por ele: inexistencia de um inferno de fogo, o uso de símbolos como cruz, entre outras coisas. Nos tornamos amigos e sempre que tocávamos no assunto da Bíblia - geralmente na segunda-feira subsequente ao sábadodo meu estudo da Bíblia que durava cerca de 03 horas - ele sempre tinha um comentário interessante para fazer, embora eu nunca tenha compreendido porque ele desconversava todas as vezes que perguntava porque ele não frequentava mais. "Questões particulares", "Ah não tenho mais saco" ou "a religião é boa demais para mim" eram coisas que eu mais ouvia.

Até que com o passar do tempo "descobri" o que significava uma pessoa ser desassociada e, principalmente, que para eu me tornar um publicador não-batizado eu precisaria deixar de falar com ele. Era irônico que uma das pessoas que mais me incentivou a estudar a Bíblia era também um dos motivos o qual eu não poderia progredir na congregação. A situação delicada foi totalmente compreendida pelo próprio Francisco que se adiantou, explicou e entendeu que nós não poderíamos mais ser amigos caso eu quisesse me tornar Testemunha de Jeová.

E assim, acabou-se uma amizade e a última vez que vi Francisco foi na festa de formatura da 8ª série da Escola Padre José Vasconcelos. Depois desse dia perdi o contato e nunca mais tive notícias dele. Houve boatos que ele havia descoberto sua homossexualidade e que estava morando com um rapaz, mas de boatos e história vive a mentira contada. Não sei se hoje está vivo, morto, doente, sadio, mas com certeza se tornou uma das muitas histórias que posso contar sobre ironias da vida.