sábado, 31 de julho de 2010

PIADINHA INFAME

Uma irmã iria se casar e esperava que sua melhor amiga, que estava à trabalho em outra cidade, estivesse presente e fosse uma de suas testemunhas. Esta, porém, não pode ir, e para que sua presença não passasse em branco, ligou para uma floricultura e pediu que um buquê das rosas mais lindas fosse entregue à ela, nem que fosse no momento da cerimônia.

Queria colocar uma mensagem linda, mas na falta de inspiração, pediu ao florista que escrevesse apenas uma frase linda como "Não pude estar presente, mas espero que o texto de 1 João 4:18 possa expressar o que sinto". Para quem não lembra, este texto diz exatamente isso:


"No amor não há temor, mas o perfeito amor lança fora o temor, porque o temor exerce uma restrição. Deveras, quem está em temor não tem sido aperfeiçoado no amor."


O problema é que na hora de escrever, o florista esqueceu de colocar o "1" na frente do texto, provavelmente achava que não fazia diferença, e mandou as flores com o cartão. As flores chegaram bem na hora da recepção do casamento, a noiva emocionada, gritou, "minha melhor amiga não esqueceu de mim, atenção, gente, vou ler o cartão que ela me mandou". Todos os irmãos, curiosos, voltaram para ler a belíssima mensagem que dizia: "Não pude estar presente, mas espero que o texto de João 4:18 possa expressar o que sinto".

(Para entender e rir da piada, leia João 4:18)

sábado, 24 de julho de 2010

JESUS FOI TRAÍDO POR 50 MIL REAIS?

"'O que me dareis para traí-lo a vós?'
Estipularam-lhe trinta moedas de prata."
- Mateus 26:15



Qualquer criança sabe responder por quanto Judas Iscariotes recebeu para trair Jesus Cristo e entregá-lo aos sacerdotes judaicos. A grande pergunta, entretanto, para alguns curiosos seria como calcular esse valor nos dias de hoje? Quanto valeria as 30 moedas de prata? A revista MUNDO ESTRANHO publicou uma matéria aonde ela chegou a seguinte conclusão: R$ 50.000,00. Será isso mesmo?

Bem, a revista chegou a esta conclusão à base do comentário de um historiador do Museu Histórico Nacional, que declara: "No Império Romano, do qual a Judéia fazia parte, as moedas de prata eram comuns no comércio de elite, como na troca de terras, por exemplo. Com as 30 moedas que Judasganhou, dava para comprar uma pequena fazenda". Então o cálculo feito pela revista tentou seguir pelo caminho mais óbvio, ou seja, vamos comparar o preço de um sítio nos dias de hoje e assim chegamos ao valor que Judas ganhou dos sacerdotes. Como alguns corretores disseram que com de 40 mil reais seria possível, por exemplo, comprar um sitiozinho pequeno em alguma cidade do interior paulista, então estabeleceram esse valor.

Indo ainda mais longe, a revista lembra que com as mesmas moedas devolvidas por Judas após arrepender-se, os Sacerdotes compraram um campo que serviu como cemitério da cidade. Indo, de novo, pelo caminho mais fácil, outro historiador chegou a seguinte conclusão: "Comparando a Jerusalém do século 1 com uma metrópole em expansão nos dias de hoje, como Ribeirão Preto (SP), chegaríamos a um outro valor hipotético: nessa cidade, um terreno de 15 mil m2 , sem benfeitorias, custa cerca de 50 mil reais. É o máximo que dá para especular sobre o "preço" de Jesus, já que a Bíblia não oferece muitos detalhes sobre o episódio." Mas, enfim, será que Judas Iscariotes recebeu tudo isso para trair nosso Grande Instrutor?

É bem provável que não, pois a revista foi muito simplista em suas declarações, levando em conta apenas essa informação limitada dos historiadores. Bem, para começar, é praticamente dificil estabelecer um valor equivalente aos nossos dias, porque seria necessário avaliar vários fatores como inflação da época, valor venal dos imóveis na Judéia no Império Romano, entre outras coisas. Além disso não levaram em consideração que a Bíblia cita apenas 30 moedas de prata, mas não informa de quê! Sim, afinal, naquela época existiam vários tipos de moedas de prata, como dracma, gera, denário, mina ou talento. Conforme o Estudo Perspicaz das Escrituras, a inflação naqueles dias eram piores do que a inflação no Brasil na década de 80, poderia subir ou cair vertiginosamente em cerca de até 04 meses, por causa das variações das estações, épocas de escassez e falta de chuvas.

Porém temos algumas passagens bíblicas que podem nos ajudar. Em Êxodo 21:32, somos esclarecidos que com 30 siclos de prata dava para comprar um escravo, que seria o equivalente ao salário de 03 meses. Assim poderíamos chegar a primeira conclusão lógica, equiparando ao nosso salário mínimo, de que Jesus foi traído por R$ 1.530,00. Uêba.. mas o que é um siclo? Siclo, não era uma moeda, mas uma espécie de unidade de medida como o "litro" ou "kilo" dos nossos dias, praticada para estabelecer padrões monetários e servia para medir tanto a prata como ouro. Por exemplo, 1 siclo equivalia a 20 geras, 50 siclos equivalia a 1 mina, e assim sucessivamente. 30 siclos poderia ser qualquer valor, uma vez, lembram?, que a Bíblia não especifica qual era a moeda.

Mas ainda assim podemos extrair mais informações da Bíblia sobre o assunto. Em Zacarias 11:12, 13, por exemplo, vemos uma passagem aonde Jeová critica o povo por pagar "30 moedas de prata" à Zacarias por seus serviços como líder espiritual de Israel. Jeová despreza esse valor e pede que Zacarias "jogasse" essas moedas na tesouraria. Como muitas passagens dos livros proféticos eram uma representação do que aconteceria com o prometido messias, entendemos que as moedas recebidas por Judas Iscariotes só poderiam ser de pouco valor, ou seja, possivelmente tenham sido 30 siclos das moedas de mínimo valor, ou de denários ou dracmas. Se foram denários, seria o equivalente hoje a R$ 34,32* ou se forem dracmas, R$ 39,07*, aproximadamente. Isso se aplica ao fato de que os sacerdotes tinham tanto desprezo por Jesus que estava disposto a pagar míseras quantias por ele.

Mas, enfim, no livro Estudo Perspicaz, sobre o vebrete "Judas", os irmãos chegaram a conclusão de que Judas recebeu o equivalente hoje a US$ 66,00, o que daria hoje cerca de R$ 116,16*. (Eu não consegui entender bem a conta que os irmãos fizeram, se alguém pude me ajudar, fico grato!) Assim, chegamos enfim, a conclusão de que por meros cem reais, cerca de 1/5 do salário mínimo, Judas Iscariotes entregou Jesus Cristo para ser preso, julgado e torturado até a morte na estaca de tortura.



(*) Cotação dolar 24.07.2010: R$ 1,76

sexta-feira, 23 de julho de 2010

SAUDADE


"por teres muitíssima saudade da casa de teu pai"
- Gênesis 31:30



É incrível como Jeová nos criou com uma capacidade grande de sentir emoções. O nosso sistema auditivo foi criado de uma forma maravilhosa por nosso Deus, que não só capaz de ouvir a música, mas conecta-a ao nosso cérebro nos fazendo ter emoções, nos levar de volta num túnel do tempo, e relembrar sentimentos esquecidos.

Há cerca de 21 anos meu pai faleceu por complicações no fígado. Complicações entenda uma cirrose que o fez definhar e o matou aos poucos. Cerca de 8 longos meses de sofrimento para minha mãe, para mim e meus 3 irmãos. Mas não quero falar necessariamente disso. Meu pai era caminhoneiro. Trabalhava para uma indústria de chocolate e cortava todas as semanas as estradas que ligavam Salvador ao sul da Bahia. De vez em quando meu pai me levava com ele quando ainda era um garoto: 6, 7 ou 8 anos. Como todo caminhoneiro, meu pai gostava de música sertanejas. Mas sertanejas de verdade, aquelas que hoje muitos chamam de sertanejo raiz. Me lembro do rádio do caminhão tocando essas músicas na estrada ou nas rodas de caminhoneiro nos postos-dormitório o qual parávamos para descansar.

Nunca fui muito fã de música sertaneja. Meu pai era muito fã de Chitãozinho e Chororó, Tonico e Tinoco, Milionário e José Rico, e por sinal, foram desses últimos, o motivo deste tópico de hoje. O motivo que me fez chorar copiosamente ao ponto de deixar minha esposa assustada, sem saber o que estava acontecendo. Foi um choro de saudade, um pouco de tristeza, mas de lembrar de meu pai dessa forma, pois mesmo que queiramos, a morte passa e a lembrança fica, mas a dor vai se despedaçando com o tempo.

Tinha uma música que meu pai amava demais, mas como eu nunca fui ligado em música sertaneja, não me lembrava dela. Pois se lembrasse, é óbvio que aqui na ilha do DF, cercado de goianos e mineiros por todos os lados, eu acabaria sabendo dela e copiado. Até porque hoje, descobri, que ela é muito popular ainda para quem gosta de música sertaneja das antigas.

Pois bem, estava eu defronte do meu computador, distraído, quando de repente passa em frente de minha casa um carro de som de um político qualquer tocando justamente a música que me fez voltar 30 anos atrás, direto na boleia do caminhão que meu pai dirigia. Na mesma hora, levantei, sai correndo e parei o carro perguntando ao motoristas, que meio assustado, sem entender, me explicou que se chamada "Solidão", de Milionário e José Rico. Na mesma hora entrei em casa, procurei no meu Ares e achei várias versões, mas queria ouvir a original. Foi o bastante para lembrar do meu velho pai, e chorar como nunca mais havia chorando antes. Nem quando vendo minha mãe em prantos, e tentando não derramar uma lágrima por ser o novo "homem da casa", eu o vi pela última vez antes ser enterrado no Campo Santo, em Salvador.


terça-feira, 20 de julho de 2010

AS CRÔNICAS DE NÁRNIA E A BÍBLIA





Assisti ingenuamente aos dois filmes produzidos até agora pela Disney baseada na obra de C.S. Lewis chamada "As Crônicas de Nárnia". A obra é uma compilação de sete livros infantis lançados entre 1950 a 1956, aonde foram adaptados para o cinema o primeiro livro (O Leão, O guarda-roupa e a Feiticeira) e o quarto livro (Príncipe Caspian). Em novembro chega a adaptação do quinto livro, A Viagem do Peregrino da Alvorada. Quando assiti a história baseada nas quatro crianças que são levadas para um mundo mágico aonde vivem grandes aventuras vi que nada mais era uma história ingenua de fantasia, o que por si só, para muitos irmãos, já seria ilícito, fiquei surpreso ao descobrir que a história possui muito mais ligações com a Bíblia do que alguns pudessem imaginar.

"As Crônicas de Nárnia apresentam, geralmente, as aventuras de crianças que desempenham um papel central e descobrem o ficcional Reino de Nárnia, um lugar onde a magia é corriqueira, os animais falam, e ocorrem batalhas entre o bem e o mal. Em todos os livros (com exceção do terceiro "O Cavalo e seu Menino") os personagens principais são crianças de nosso mundo, que são magicamente transportadas para Nárnia a fim de serem ajudadas e instruídas pelo leão poderoso conhecido como Aslam"

Aslam, é uma espécie de figura messiânica, o qual é conhecido como uma espécie de filho de Deus (no livro é chamado de Filho do Grande Imperador D´Além Mar), aonde inclusive morre, é ressussitado, derrama seu sangue por Nárnia e depois salva a todos os narnianos por meio uma batalha. Se alguém achou coincidencia a figuração metamórfica com Jesus Cristo, acertou. Ocorre que quando escreveu os sete livros, C.S. Lewis alardeou que como cristão, queria fazer com que as crianças se interessassem pela Bíblia ao ler suas histórias. Inclusive existem vários sites dedicados a traçar um paralelo entre algumas situações do livro com passagens bíblicas ou principios cristãos.

Entretanto esses mesmos sites se esquecem de citar é que além das "temáticas cristãs", o livro está repleto de referências a seres mitológicos como fadas, faunos, minotauros e também a espiritismo, coisas que Jeová tanto condenou por meio de sua Palavra, a Bíblia. Inclusive, o próprio Lewis foi duramente criticado por Igrejas e Associações Cristãs de sua época por isso. "Esta polêmica agravou-se ainda mais por causa do emprego de criaturas mitológicas reunidas a estes paralelos cristãos, que diziam que histórias e seres mitológicos são heresias. Lewis alegou dizendo que através de contos ficcionais, com seres e criaturas mitológicas, os leitores (no caso, o público infanto-juvenil) aprenderiam um pouco mais sobre o Cristianismo imposto em As Crônicas de Nárnia, mas como aprender sobre o verdadeiro espírito e os princípios de Jesus Cristo com histórias que envolviam combates com dragões, feiticeiras, faunos, entre outros?"

Além disso C.S. Lewis foi criticado de racismo ao retratar uma das nações "vilã" do livro - A Calormania. "Os calormanos são retratados como pessoas de pele escura, com longas barbas e turbantes, que muitos traçam semelhanças com os árabes, apesar de que os costumes e a religião possuem mais semelhanças com o povo hindu." Muitos críticos consideram racismo na parte de Lewis, que sempre descreve o povo calormano como algo ruim. Embora Lewis não tenha admitido o racismo, mas muitos viram que a Calormania retratava a nação dos Cananeus, que segundo Lewis, eram um povo renegado. Para quem não sabe, Canaã era nação descendente de Cã, filho de Noé e pai de Cus, de onde alguns atropólogos alegam terem surgido o povo africano de pele negra.

Visto desse ângulo, como um livro de referências bíblicas, e não como uma simples história de contos de fadas infantil, As Crônicas de Nárnia vira um filme herege, apóstata. As cenas que envolve Aslam é quase um festival de idolatria. Além disso alguns princípios de Aslam, com o objetivo de se comparar a Jesus Cristo, chega a ser repugnante. Em "O Cavalo e seu Menino" Aslam rasga as costas de uma menina e depois explica que isso serviu como uma compensação por ela ter feito uma de suas escrava apanhar ao fugir de seu pai. Jesus Cristo jamais faria ou mencionaria algo semelhante. Noutra passagem, em "Principe Caspian" aparece de maneira subjetiva apenas para a pequena Lucia, mesmo sabendo que a sua não-aparição pudesse causar a morte dos demais, numa clara mal interpretação das palavras de Jesus em Mateus 18:3 "Deveras, eu vos digo: A menos que deis meia-volta e vos torneis como criancinhas, de modo algum entrareis no reino dos céus."

Enfim, lamento muito este fato, pois até estava na perspectiva do lançamento de A Viagem do Peregrino da Alvorada que de todos os sete livros, é o mais interessante e cheio de aventuras, mas desse jeito, sei lá, fico com o coração apertado, achando que estou comentendo uma ignominiosa insensatez.


Fonte: Wikipédia e o epílogo "Três maneiras de escrever para crianças" de C.S. Lewis.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

A MULHER DE PROVÉRBIOS 31


"A esposa capaz é uma coroa para o seu dono,
mas aquela que age vergonhosamente é como
podridão nos seus ossos." – Provérbios 12:4



O texto diário de ontem chamou a atenção para um problema crescente em muitos casamentos. É difícil explicar hoje em dia para uma mulher, mesmo a cristã, os limítrofes da “sujeição” especificada pela Bíblia. Beneficiada pelo regime machista de que homem tem que trabalhar desde cedo, enquanto a menina tem apenas a obrigação de estudar, a mulher hoje é está mais bem sucedida, com sucesso na carreira profissional e com bom conhecimento geral. Especialmente a mulher cristã, cuja rotina teocrática incentiva-a a ler mais, a saber mais, o que vemos hoje em dia são irmãs totalmente independentes financeiramente e com opinião formada sobre as coisas.

Muitas, hoje em dia, chegam a sentir comichão quando o assunto é sujeição da mulher no casamento. E levando até em consideração o fato de existir muito “homem-banana” hoje em dia, eu até entendo a situação de alguma delas. Uma amiga minha, cujo nome não vou divulgar por motivos óbvios, tira isso de letra. Seu marido é servo-ministerial, ganha razoavelmente bem, ela também tem um ótimo emprego, é independente, mas quem dá as cartas em casa é ela sem precisar ser autoritária. Como ela faz isso?

Bem, lembra da propaganda da Revista Claudia aonde a mulher finge que não consegue abrir a tampa de um pote de conservas e pede para o marido, que no auge de sua petulância masculina, abre agindo como se a mulher sem ele, não seria nada? É por aí... chega a ser engraçado como essa amiga conduz as coisas. Mas imaginando dessa forma fica parecendo que ela age com maldade, não é? Nada disso, eles são felizes, estão há mais de 10 anos juntos e não conheço um casal mais feliz e harmonioso como eles. Ele aparentemente é o provedor emocional, espiritual e financeiro; ela uma esposa totalmente submissa, uma legítima “mulher de provérbios 31”.

Hoje em dia o mal dessas meninas novas que estão casando agora é justamente esse. Foram criadas numa geração aonde a palavra “prendada” soa como um palavrão. Papai e mamãe deram todo o carinho e acostumaram mal uma leva de irmãs que não sabem nem fritar um ovo ou cozinhar um miojo, e ainda se orgulham disso. Foram incentivadas a estudar, fazer faculdade, serem independentes e conquistar um bom emprego ou um homem bem sucedido que bancasse a continuidade da sua inutilidade adquirida – não necessariamente nesta ordem. Até no Nordeste, na minha Bahia principalmente, aonde saber cozinhar e arrumar uma casa era ensino obrigatório, passada de mãe para filha, isso se tornou obsoleto.

Claro que o homem moderno não precisa ser machista e preguiçoso; ele não só pode como deve ajudar sua esposa nos afazeres domésticos, quando lhe é possível, mas a idéia de que esta tarefa é de ambos, que tanto a mulher como o homem devem ter direitos iguais neste quesito, faz parte da fumaça mundana da independência feminina que a Bíblia tanto condena.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

GOOGLE EARTH NOS EVENTOS BÍBLICOS

O Google Earth mudou a vida de muitos. O aplicativo permitiu a muitos internautas a conhecer o mundo sem precisar sair de casa. Logo depois veio a utilidade prática, é possivel localizar um endereço, uma casa, uma rua, um lugar, bastando apenas pesquisar no Google Earth. Um site americano fez uma brincadeira e mostrou como seria se nos tempos bíblicos já existisse o Google Earth. O resultado ficou interessante.



Arca de Noé quando aterrou no Monte Ararate



Jesus no Monte Calvário



Adão e Eva no Paraíso



Atravessia do Mar Vermelho