sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

SE CACHORRO FOSSE PROFESSOR, VOCÊ APRENDERIA ASSIM...

- Quando alguém que você ama chega em casa, corra ao encontro dele.

- Nunca perca uma oportunidade de passear.

- Permita-se sentir o ar fresco batendo no rosto.

- Mostre aos outros quando eles invadem seu território.

- Tire uma sonequinha no meio do dia e se espreguice bem ao acordar.

- Não morda, quando um simples rosnado resolve a situação.

- Quando estiver feliz, dance e balance todo o seu corpo.

- Aproveite o prazer de uma longa caminhada.

- Se alimente com gosto e com entusiasmo.

- Mas coma só o suficiente.

- Seja leal.

- Nunca pretenda ser o que você não é.

- Não importa quantas vezes o outro te magoa, volte e faça as pazes.

- Quando alguém estiver nervoso ou triste, fique em silêncio, fique por perto e mostre que você está ali para confortar.


E NÓS APRENDEMOS TUDO ISSO DE UM ANIMAL IRRACIONAL!



(Texto de Ramiro Rios)

domingo, 20 de fevereiro de 2011

ACERCA DE 1975

"Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe,
nem os anjos dos céus, nem o Filho,
mas unicamente o Pai" - Mateus 24:36




No ano de 1999, o Corpo Governante nos fez distribuir mundialmente o Notícias do Reino "Novo Milênio - O que devemos esperar do futuro?". Tratava-se de um folheto que tinha como objetivo alertar as pessoas para os acontecimentos que caracterizava os últimos dias e nos motivar a fazer mais na obra de Jeová. O folheto não trazia, na verdade, nenhuma novidade sobre o que aprendemos todos os dias desde que nos tornamos Testemunhas de Jeová: terremoto, fome, guerras e o aumento do que é contra a Lei. A despeito disso, não evitou que alguns incautos propagassem boatos de que o folheto marcaria o fim e o inicio de alguma coisa. Eu lembro na época de um pequeno burburinho de alguns irmãos, sobretudo os desprovidos de discernimento espiritual, dizendo coisas como "Se o Escravo lançou esse Noticias do Reino é porque os últimos dias está próximo" (sic), ou "Tenho certeza que o Armagedom vem agora no ano 2000!". Lembro de alguns irmãos propagando "terror" incentivando alguns a abandonar o emprego ou vender suas coisas materiais, porque o fim estava mais próximo que nunca.

Agora me pergunto: se um pequeno folheto de apenas 4 páginas causou todo esse alvoroço em alguns incautos - vale frizar - em 2000, imagine o que faria um livro que trouxesse a simples informação de quem em 1975 marcaria o film dos 6.000 anos da criação da humanidade? É por isso que eu não dou muita trela quando aparece discussões à respeito de 1975, porque tudo que ocorreu, ocorreu apenas com irmãos sem discernimento espiritual, que apesar dos conselhos e das orientações nas reuniões, insistem em fazer terror com as verdades bíblicas.

Em 1966, o Corpo Governante publicou no livro "Vida Eterna - Na liberdade dos Filhos de Deus", informando que confome cronologia bíblica que em 1975 marcaria o fim dos 6.000 anos da humanidade. "Quão apropriado seria se Jeová Deus fizesse deste vindouro sétimo período de mil anos um período sabático de descanso e livramento, um grandioso sábado de jubileu para se proclamar liberdade através da terra a todos os seus habitantes! Isto seria muito oportuno para a humanidade. seria bem apropriado da parte de Deus, pois, lembre-se de que a humanidade ainda tem na sua frente o que o último livro da Bíblia Sagrada chama de reinado de Jesus Cristo sobre a terra por mil anos, o reinado milenar de Cristo. Jesus Cristo, quando na terra há dezenove séculos, disse profeticamente a respeito de si mesmo: 'Porque Senhor do sábado é o Filho do homem.' (Mateus 12:8) Não seria por mero acaso ou acidente, mas seria segundo o propósito amoroso de Jeová Deus que o reinado de Jesus Cristo, o 'Senhor do sábado', correspondesse ao sétimo milênio da história do homem."

É óbvio que o fim dos 6000 anos causava uma expectativa muito grande. Se eu vivesse naquela época (na verdade em 1975 eu era um bebê lindo de 2 anos), possivelmente esperaria também algo grandioso de 1975. Os irmãos já sabiam que desde 1914 o Reino Milenar de Cristo estava reinando. Sabia que estávamos nos "últimos dias", e mesmo sabendo que um dia para Jeová é o equivalente a um ano, esperariam que o armagedom viesse logo. (2 Pedro 3:8) Mas ninguém sabia o que iria acontecer em 1975! Nem mesmo o Corpo Governante sabia, apenas, no direito que é deles, incentivava as pessoas a dar prioridade à obra do Reino, deixando de lado as coisas materiais, nada diferente do que ela faz ainda hoje, talvez com mais ênfase ainda, e, nem por isso ninguém está morrendo ou se matando por causa disso.

Mas infelizmente, à base disso ouço histórias cabulosas de "profetadas" feitas por alguns irmãos à época, sem nenhuma ingerência ou chancela do Escravo Fiel e Discreto. Uma irmã de 82 anos de idade, do Gama, uma vez comentando sobre isso lembra que um determinado ancião de Luziânia-GO chegou a construir um porão debaixo de sua casa para se esconder de alguma coisa (sic). Em Cruz da Almas-BA, veio uma história de um ancião que obrigou a todos os irmãos a se vestirem de branco e passar a virada do ano-novo de 1975 no Salão do Reino orando e cantando cânticos do reino. Ainda hoje, em pleno século XXI, existe um irmão em Salvador-BA que proibe suas filhas de vestir calça, e não tem conselho bíblico que o demova dessa idéia. Lamentavelmente, lidar com algumas mentalidades de pessoas é muito complicado.

Se observar todas as publicações do Escravo Fiel Discreto de 1966 a 1974, verá que houve realmente uma chamada para obra, sobretudo por causa da expectativa de 1975. ENTRETANTO EM NENHUM MOMENTO AS PUBLICAÇÕES APONTAVAM 1975 COMO O ANO DO ARMAGEDOM. É digno de nota que apesar da chamada e da expectativa do que poderia acontecer em 1975, o Escravo lançou os seguintes artigos: A Sentinela: “Fazer Uso Sábio do Tempo Que Resta” (1.° de novembro de 1968); “Sirva com a Eternidade em Vista” (15 de dezembro de 1974); “Por Que não Fomos Informados Acerca ‘Daquele Dia e Daquela Hora’” e “Como o Afeta não Saber ‘Dia e Hora’?” (1.° de novembro de 1975). Antes disso, em 1963, o livro “Toda a Escritura É Inspirada por Deus e Proveitosa” havia declarado: “Não adianta usar a cronologia bíblica para especular sobre datas que se acham no futuro na corrente do tempo. ( Proclamadores do Reino, página 104)

Segundo o anuário e 1975 já apontava um crescimento impressionante de 2 milhões de Testemunhas de Jeová em toda a terra. Destes, 297.872 tinham se convertido no ano de 1974. De fato, muitos irmãos aderiram à chamada entrando na obra de evangelização integral, outros venderam seus bens materiais e se tornaram missionários, e houve um crescimento espetacular do povo de Jeová na terra, mas infelizmente, uns poucos fizeram isso apenas por causa de 1975, e não por causa de Jeová. No ano seguinte, no anuário de 1976 apontou que dos 297 mil, cerca de 70 mil pessoas saíram da Organização de Jeová "decepcionados". Entretanto, é possível que muitas deles, mais tarde, tenham voltado e esteja hoje entre os quase 7 milhões de Testemunhas de Jeová em todo o planeta.

Enfim, ficar discutindo 1975 é uma das várias bobagens que muitos apóstatas ainda insistem em fazer, sem sucesso, porque as discussões só rodam mesmo entre eles e alguns religiosos convenientes. A Organização de Jeová não escondeu "1975", porém, não há motivos para volta e meia ficar tocando nesse assunto desgastante que não se leva à nada. Se houve pessoas que suicidaram mesmo, lamento por elas, mas se não fizeram isso por fanatismo imbecil não promovido pelo Corpo Governante, invejo-os, pois estão numa situação melhor que a minha, já que estão na memória de Jeová e aguardam o momento aonde todos os mortos voltarão a viver. - João 5:25.

E para finalizar, nos meus 37 anos de vida, nasci de pai espírita e mãe que era do Candomblé, fui criado algum tempo por minha vó que era evangélica da Assembléia de Deus e converteu praticamente toda as minhas tias a serem evangélicas hoje. Aos 12 anos me batizei na Primeira Igreja Batista do Brasil, aos 14 passei a frequentar a Igreja Renascer em Cristo. Já conversei com Mórmons, Adventistas do Sétimo Dia e até um Judeu que dia desses apareceu no meu trabalho. E após tudo, a minha opinião sincera é: SE A VERDADE NÃO ESTIVER ENTRE AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ, ENTÃO ESTAMOS LASCADOS! MELHOR VIRAR ATEU.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

REUNIÃO ESPECIAL - BRASILIA/DF

Este final de semana foi bastante especial, sobretudo para os irmãos de Brasília. A dedicação do finalmente Salão de Assembléias de Brasilia após quase 20 anos de inúmeras tentativas sempre frustradas por Satanás, por meio de seus comandados políticos. Após embargar e não conceder licença para construção em qualquer lugar daqui do DF, o jeito foi apelar para o entorno, e hoje, na saída sul, na região de Luziania-GO, ergue-se finalmente o nosso "templo", o lugar de adoração para o único Deus verdadeiro.


O ponto alto de toda essa programação foi a presença do membro do Corpo Governante Stephen Left. Um amor de pessoa, um irmão incrível, altamente patenteado pela sua simpatia e humildade. Seus discursos são incríveis e totalmente novo, seja na expressão facial, seja na forma sincera de falar. E não é só porque é membro do Corpo Governante não - tem irmãos lá que fazem discursos enfadonhos - mas pela pessoa do Left, que realmente me emocionou demais.



Após a dedicação, ontem, para poucos escolhidos, hoje foi a vez de todos podermos conhecê-lo. A programação foi realizada em dois turnos e transmitida via satélite para mais 25 Salões de Assembléias em todo o Brasil, incluindo o de Camaçari-BA e Grande Rio-RJ, que juntas levaram mais de 21 mil pessoas.  Mesmo número de pessoas que deu aqui em Brasilia.

Stephen Left, do Corpo Governante, esbanjando humildade, simpatia 
e como se fazer um excelente discurso.


Como fiquei parte do tempo no carro, não tive o desprazer de encontrar pessoas queridas e ter que explicar que estava desassociado, embora notícia ruim corra rápido, não é? Notícia que não corre rápido é quando você é readmitido -  como uma querida irmã me falou hoje, que apesar de ter voltado há duas semanas, muitos ainda viravam o rosto quando a via.

Ruim mesmo foi ficar no carro e ver algumas belíssimas irmãs passando ao meu lado e você não poder cumprimentar. Até pensei em distribuir um bilhetinho, do tipo "Uou... agora não dá, mas me procure daqui há um ano?", mas não achei apropriado deixar as irmãs esperando por mim esse tempo todo. Rsrsrsrs... ta bom, foi uma piadinha sem graça. Até porque não estou em condições emocionais de me envolver com alguém tão cedo. Mas ainda, assim, foi bastante legal mesmo. Um tipo de "Assembléia" diferente. Os discurso final, embalado pelo lindíssississississississississississiimo cântico nº 134, "Imagine a si mesmo no paraíso", arrancou lágrimas de muita gente, inclusive a minha, claro.


O ruim de se estar desassociado é não ter ninguém para tirar uma foto sua. 

domingo, 6 de fevereiro de 2011

HARDNEJA SERTACORE



Misturar rock com músicas caipiras não é uma novidade. A banda punk californiana NOFX já fazia isso desde 1983, assim como a banda Primus que fazia uma mistureba legal entre rock e música country -  embora o Country já seja em si, uma das vertentes do rock. Em 1987 a banda brasiliense Raimundos se tornou a grande revelação do ano ao fazer uma mistura legal de rock com letras e ritmos nordestinos, embora essa "criatividade" tenha durado apenas nos dois primeiros álbuns. Assim, uma banda que prometa misturar hardcore com música sertaneja não pareça uma novidade assim tão grande.

Entretanto a banda Hardneja Sertacore aparece como uma opção bacana em sua proposta de transformar músicas sertanejas em hardcore. O som é legal, os arranjos até interessantes, mas no fim a banda soa como uma banda cover fazendo aquilo que há de pior: transliteração de músicas sertanejas que, com certeza, 80% do público que curte hardcore, não conhece ou detesta.

Quando se trata de uma caso isolado - como a banda paulista Peter Perfeito que fez uma versão de "Cabecinha no ombro" de Roberta Miranda - fica até legal, a turma curte, acha engraçado, mas quando isso é repetido em demasia, o risco de cair na mesmice é grande. E é isso que ocorre com essa banda que faz versões hardcore e músicas clássicas do sertanejo como "Dormi na praça", "Pensa em mim",  "Asa Branca" ou "Estou apaixonado".

Não que o resultado é ruim, mas uma das características de quem curte rock, principalmente hardcore, é gostar de músicas autorais. Com o tempo a versão das músicas sertanejas vai cair na mesmice e a banda vai ter que produzir suas próprias músicas, - como no caso de "Evidências" - e neste momento ela vai acabar setornando igual a tantas outras bandas que fazem Emocore.

Enfim, o som é muito bom. Quem acha interessante ouvir "Seu guarda eu não sou vagabundo, sou um cara carente e dormir na praça pensando nela" em forma de hardcore, tenho certeza que vai gostar da banda Hardneja Sertacore. Enfim, são músicas descartáveis, quando acabar a graça, você nem vai lembrar que ouviu. Mas vale conferir.



quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

"SONDA-ME Ó DEUS" OU "DÁ UMA FUGIDINHA COM VOCÊ?"

Hoje ouvi uma irmã conversando com a minha irmã carnal na sala e comecei a pensar numa coisa interessante. A capacidade de alguns irmãos de seguirem paradigmas ou clichês sem ter uma base sólida, ou ao menos, tentar raciocinar um pouco mais nas questões circunstanciais.

Estavam conversando e numa rádio que ela sintonizou começou a passa uma canção da Aline Barros baseada no Salmo 139:23, que por sinal é muito linda. Minha irmã, de logo mudou a rádio, afinal, claro, cristão não pode ouvir música gospel! Ai na outra estação estava passando um pagode do Exaltassamba, que possui um refrão de duplo sentido, que todo mundo deve conhecer.

Na hora ri, não resisti e perguntei a minha irmã: cantar "Sonda-me ò Deus, conheces meu coração e cuida dos meus pensamentos. Vê se há em mim algum caminho mal e guia-me pelo caminho eterno", que nada mais é do que uma transliteração do Salmo 139, não pode. Mas cantar, "Hoje eu quero dar uma fugidinha com você", pode.

Eu não sou fã de músicas religiosas e tampouco sou advogado da Aline Barros, que particularmente acho muito chatinha, mas curto algumas bandas de rock gospel como "Catedral" e "Rosa de Saron", para citar dois exemplos. Se você parar para ouvir qualquer música deles verá que elas primam pela impessoabilidade, ou seja, geralmente são superficiais com letras que beiram o auto-ajuda ou simplesmente são ambíguas, aonde você pode aplicar também para uma namorada(o) ou a uma pessoa. Entretanto, mesmo que suas letras fossem explícitamente religiosas, qual problema de se ouvir, desde que ela não fira seus princípios cristãos? 

Nem toda música gospel fala de assuntos que violam o conhecimento bíblico que temos. Muitas delas são apenas canções de louvor, que lembram muito os textos que conhecemos em Salmos ou Eclesiastes. A música gospel de hoje é embalada, principalmente, por letras de auto-ajuda ou de incentivo, como aquela música do Zaqueu, que ficou tocando exaustivamente nas rádios e TV seculares. Entretanto muitos sequer ouviam a música do Zaqueu, porque cristão não pode ouvir essas coisas. Entretanto, tenho certeza que muitos ouviram, e até dançaram, ao som de "Rebolation" do Parangolé. Agora compare a letras das duas canções e me diga, sinceramente, qual seria mais apropriada para um cristão ouvir?



Como Zaqueu eu quero subir
O mais alto que eu puder
Só pra Te ver, olhar para Ti
E chamar Sua atenção para mim

Eu preciso de Ti Senhor
Eu preciso de Ti, oh Pai
Sou pequeno demais
Me dá Tua paz
Largo tudo pra Te seguir
Entra na minha casa
Entra na minha vida
Mexe com minha estrutura
Sara todas as feridas
Me ensina a ter santidade
Quero amar somente a Ti
Porque o Senhor é meu bem maior
Faz um milagre em mim



Alô minha galera, preste atenção:
Rebolation é a nova sensação!
Menino e menina, não fiquem de fora,
Que vai começar o pancadão.
O suingue é bom. Gostoso de mais.
Mulheres na frente. Os homens atrás.
Mão na cabeça que vai começar
O Rebolation, tion. O Rebolation.
O Rebolation, tion, Rebolation.
O Rebolation, tion. O Rebolation
O Rebolation, tion, Rebolation.

É óbvio que não estou querendo incentivar ninguém a ouvir música gospel. Peloamordedeus! Daqui a pouco vão dizer que bastou ser desassociado para ter virado apóstata. Não é nada disso. Eu quero apenas chamar a atenção que muitas vezes seguimos alguns clichês sem perceber que estamos errando de qualquer jeito. As vezes não seguimos o óbvio e o óbvio é justamente aquilo que seguimos.

Portanto, se você não é como a minha mãe que só ouve Cânticos do Reino, porque para ela, qualquer música que não falar de Jeová, não é música, então acho que deveria refazer seus conceitos antes de criticar "Alines Barros" e ficar ouvindo "Ivetes Sangalos".