sábado, 30 de março de 2013

O CASO PAULA FERNANDES

Quando comecei a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová há 27 anos, o fato d´eu ter sido evangélico me fez ficar muito tempo dividido entre dois mundos. Impossível não fazer comparações, mas que logo iam se dissipando quando conhecia a verdade bíblica. Uma coisa naquela época, me havia chamado a atenção: a discrição de nossa Organização. As Testemunhas de Jeová pregavam de casa em casa, e só! Não tinha programas na TV, nem programas de rádio, não faziam "cultos" nas ruas, não promoviam debates na mídia e raramente davam entrevistas. Acostumado com o a forma evangélica, questionei ao meu instrutor que me respondeu o seguinte: "Pregamos sobre o Reino, queremos que as pessoas conheçam a Jeová, não queremos que isso se torne um circo." Sob críticas e perseguições, hoje existem mais de 7 milhões de Testemunhas de Jeová no mundo, 80% delas advindas da discreta  pregação de casa em casa. (Atos  20:20).

As Testemunhas de Jeová não querem chamar a atenção para elas, salvo, se for para defender nossa fé.  Não nos intrometemos nos assuntos deste mundo, porque sabemos que a justiça, saúde e segurança só serão estabelecidos pelo governo de Deus.  Durante anos, com o advento da internet, a Organização sempre relutou em permitir que os irmãos entrassem em redes sociais, primeiro, para não expor os irmãos ao feitiço do mundo de Satanás, e segundo, para não acontecer justamente o que aconteceu recentemente com o caso Paula Fernandes. 


Por causa da falta de bom senso de alguns, as Testemunhas de Jeová tiveram um tipo de
exposição que não acrescenta em nada na pregação das boas novas.



Fui pego de surpresa quando começou a pipocar em fins de fevereiro, na rede, notícias de que as Testemunhas de Jeová estavam boicotando Paula Fernandes por ela dizer que suas canções, supostamente, seriam espíritas. Gente, eu sou viciado em internet, fico praticamente conectado quase o dia todo, tenho muitas testemunhas de Jeová de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília no meu perfil do Facebook,  e sinceramente, não vi sequer uma "campanha" de algum irmão contra Paula Fernandes.  Ainda assim, segundo o jornal Correio a Bahia, a tal mensagem que um irmão postou teve cerca de 15 mil compartilhamentos (na foto produzida pelo jornal, já haviam quase 9 mil. Veja mais aqui ) e a atitude impensada de uma pessoa, acabou se propagando e a Organização de Jeová virou motivo de piada. Um vitupério contra o nome de Jeová.

Depois disso, passei a entender porque os irmãos sempre foram contra a entrada de cristãos nas redes sociais. Lembro da época em que um perfil no Orkut era motivo de perda de privilégios na congregação. Atualmente, ficou difícil segurar a entrada desses jovens no Facebook, e o resultado da falta de bom senso custou uma exposição que não contribuiu em nada para a divulgação das boas novas. 

Sobre a Paula Fernandes, o que posso dizer é o seguinte: "À César as coisas de Cézar, a Deus as coisas de Deus." (Luc.20:25). Na entrevista ao programa Show Business ela realmente se declara espírita e que algumas canções são feitas com inspiração de um médium. A Lei de Deus é clara quanto a se manter afastado de espíritas e médiuns. (Lev.19:31; Isa.8:19) Se você acha que quando ela canta "eu quero ser pra você a lua iluminando o sol" possa atrapalhar sua relação com Jeová, basta não ouvir. Contudo, permita-lhes lembrar de uma coisa: e quanto aos demais de centenas de cantores que você ouve e que não sabe a procedência da canção? Ouvir MC Catra é menos ilícito do que ouvir Paula Fernandes, só porque as canções dele não tem suposta origem mediúnica?  Irmãos, coloca uma coisa na cabeça, todas as canções seja ela qual for é do mundo!, e salvo se você ouve apenas as Melodias do Reino, criticar uma música ou artista é no mínimo, uma falta de bom senso e de coerência.

As Testemunhas de Jeová querem apenas continuar falando às pessoas sobre o Reino de Deus. Querem que elas conheçam tudo sobre a Bíblia, e aprendam sobre nosso Deus, Jeová, o pai, o Deus Todo-Poderoso e sobre seu filho, Jesus Cristo, nosso salvador e Rei. (João 17:3). Não será pregando ódio, preconceito, boicote, que estaremos fazendo isso. Espero que essa atitude impensada de uns poucos jovens cristãos no Facebook, sirvam de lição. 

Que Jeová, nosso Deus, e seu filho, Cristo Jesus abençoe a todos!

domingo, 24 de março de 2013

TÉCNICAS DE LAVAGEM CEREBRAL DAS CÉLULAS G-12

Um texto interessante sobre o movimento de Igreja em Células G-12, que é, inclusive, rejeitado por muitos evangélicos tradicionais.

Uma das caracteristicas mais comuns das seitas é o proselitismo, ou seja, estão sempre à espreita de uma nova vítima, e para conseguir seus “convertidos” elas precisam trabalhar duro para modificar pensamentos e atitudes em um curto espaço de tempo – geralmente um dia ou um fim de semana. O que apresentamos neste artigo são algumas das técnicas mais comuns usadas pelos manipuladores de mente:

Isolamento 

 O primeiro indicador que mostra que estão utilizando técnicas de conversão é o isolamento. As reuniões ou cursos de capacitação geralmente ocorrem em um lugar onde os participantes estão isolados do mundo exterior, podendo ser a reclusão em uma casa, um sítio ou fazenda, onde os participantes devem permanecer todo o tempo, tendo acesso apenas ao banheiro, e ainda assim este acesso é bastante restrito.

Horário maçante.  

O segundo fator que denuncia a utilização de técnicas de conversão é uma carga horária maçante, que produz cansaço físico e mental. Durante essa fase a pessoa, vencida pelo cansaço, passa a assimilar tudo o que lhe é a´presentado sem questionar, pois perde a capacidade de discernir.

Insegurança 

 O terceiro indicador é a insegurança. Poderiamos escrever várias linhas sobre as técnicas utilizadas para aumentar a tensão e gerar incerteza. Enfatiza-se muito a culpa, e os participantes são incitados a relatar seus mais intimos acontecimentos e todos são forçados a revelar os segredos da sua vida privada. Um dos seminários de auto-ajuda de mais exito força os participantes a subir em um palco diante de um auditório enquanto são atacados verbalmente pelos mentores. Ora, uma pesquisa realizada há anos atrás revela que a situação mais constrangedora para a maioria das pessoas é falar diante de um auditório. Agora, imagine a tensão que essa situação causa na pobre vítima dos manipuladores de mente! Alguns chegam a desmaiar e outros buscam fugir mentalmente da situação, entando em um tipo de transe hipinótico, o que os torna ainda mais sugestionáveis.

Introdução de novas “gírias” 

Outro fato que indica a utilização de técnicas de conversão é a introdução de “gírias” que possuem sentido apenas para os “iniciados”. Utiliza-se esta forma de linguagem durante todo o tempo, e quase não há espaço para descontração ou gracejo, pelo menos até que os participantes tenham se “convertido”. Depois dessa fase, exagera-se no bom humor e os risos surgem como símbolo da nova felicidade que os participantes supostamente encontraram.

As reuniões das seitas são ambientes ideais para observar aquilo que tecnicamente conhecemos como “síndrome de Estocolmo”. Esta é uma situação em que as pessoas que são intimidadas ou humilhadas, passam a sentir admiração e as vezes até desejar sexualmente os seus controladores.

 Aqueles que pensam que são capazes de assistir um “treinamento” desse tipo sem ser afetados devem rever seus conceitos. Um exemplo disso é a história de uma mulher que foi até o Haití junto com um grupo de estudantes para examinar o culto local desde uma perspectiva antropológica. Ela escreve em seu relatório que a música a conduziu a alguns movimentos corporais involuntários e a um estado alterado de consciência. Ainda que ela entendia o procedimento e acreditava estar acima daquelas crenças bárbaras, ela começou a sentir-se vulnerável a música. Ela diz que tentou resistir, mas após algum tempo não suportou mais e acabou “baixando à guarda”. O enfado assegurou a “conversão” e quando ela se deu conta já estava dançando em transe em meio à reunião.

 Diante desse quadro é possivel entender porque algumas pessoas “renascidas” e aparentemente esclarecidas, que já aceitaram a Cristo e que são membros de igrejas sérias há anos, após participarem de uma reunião misteriosa em um lugar isolado, após muita “ministração”, havendo cumprido uma rotina fadigante durante 3 dias, ainda que tenham ido apenas como críticos, curiosos ou expectadores, regressam de lá dizendo: “nunca na vida haviam tido uma experiência tão fascinante!”; “há anos eu pensava que estava servindo a Deus, mas só agora eu pude conhecer a verdade”. E quando você pergunta o que foi que ocasionou tal mudança, eles simplesmente respondem: “Só posso te dizer que É TREMENDO!”.