sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

'ESTOU GRÁVIDA!'

Nossa, quase seis meses sem postar alguma coisa. Assumo que escrever, algo do qual sou fanático, tem sido irrelevado por mim. Em parte devido as mudanças que vem ocorrendo em minha vida, especialmente, nos últimos cinco meses onde decidi levar algumas coisas mais à sério. 

E lá vamos nós, estou na quarta congregação desde que fui desassociado. Entrando, me apresentando, e saindo, sem deixar saudades, afinal, ninguém me conhece mesmo. Tirando a primeira congregação, onde frequentava com minha família, e por isso, o apoio neste sentido nem se compara, essa última tem sido uma congregação fantástica. Recém dividida, são poucos irmãos, incrivelmente cada um preocupados em seguir suas carreiras cristãs, e pra mim, o mais importante, uma congregação onde vejo poucas bobagens ditas da tribuna. 

Bobagens, leia-se, opiniões pessoais, sem nenhuma base bíblica, se aproveitando dos hiatos deixados pelos esboços de tópicos. Sou a favor dos esboços manuscritos para os que gostam de inventar opiniões. Admito que 4 anos afastado, me deixa 4 anos sem informações relevantes dos bastidores. Tenho apenas os esboços de cerca de 50 discursos, e muitos deles,  da época onde o discurso era de 45 minutos. Queria muitos os esboços novos, mas olhando por um lado, isso é bom, me torno menos crítico na ignorância dos fatos. 

Decidi escrever hoje porque o texto diário me chamou à atenção. 

"[Bate Seba] mandou informar Davi e disse 'Estou grávida'" 
- 2 Samuel 11:5

Pensa só. Davi cometeu dois crimes considerados graves segundo a Lei Mosaica. Assassinato, neste caso como mandante, e Adultério. Hoje em dia seus crimes teriam outros agravantes. Mas foi perdoado. 

"O Deus Todo-Poderoso conhece a verdadeira atitude e motivação por trás dos pecados. Em vez de permitir que os adúlteros Davi e Bate-Seba fossem condenados à morte por juízes humanos segundo a Lei mosaica, o próprio Jeová interveio e os julgou, estendendo-lhes misericórdia." - W12 15/11


Não existe perdão na Lei dada à Israel. Deveriam ser mortos apedrejados, e os juízes não estariam sendo injustos (sic), afinal, é a Lei.

Pena que hoje em dia muitos não tem a mesma sorte de se livrar dos juízes humanos e ser julgado diretamente por Jeová. Vejo muitas histórias que me são relatadas por emails, e mesmo que parte delas seja tendenciosa ao vitimismo, no fundo, todas tem uma coisa em comum. Eram de pessoas que cometeram erros por serem imperfeitos, mas não queriam deixar de ser Testemunhas de Jeová.

Sei que muita coisa mudou hoje em dia. O Escravo tem dado muitas e muitas orientações sobre o cuidado que se deve ter ao dirigir uma Comissão Judicativa, mas uma coisa é trabalhar a mente de jovens anciãos da cidade grande que estão mais propensos a serem mais liberalistas; chato é mudar a cabeça de anciãos que insistem no conservadorismo. Infelizmente as piores histórias vem do interior desse nosso Brasilsão.

Davi teve outra sorte, pois Jeová nem levou em conta o crime da presunção. Todos que são desassociados não entendem, especialmente os que cometem fornicação, o por quê de tantas perguntas inquisidoras. Certa irmã me relatou que teve a impressão de que os anciãos estavam se deliciando em saber quais eram as posições ou os lugares em que havia feito sexo. A história que eu ouvi de um ancião é que a depender de como as coisas aconteceram, poderia se analisar se foi um pecado presumido ou se foi um caso de "a carne é fraca". Irmãos!!! Vocês precisam transar. É sério!!! E por isso mesmo, casos de fornicação deveria ser tratado apenas por anciãos casados. Sexo é sexo. Ou fez ou não fez. 

Sinceramente não acho que se a pessoa fez no motel ou na cozinha de sua casa faça alguma diferença. Se o papai-e-mamãe torna o sexo menos leviano do que a garota que se deixou levar por algumas posições do kama sutra. Não vou entrar nem na questão do machismo. Julgar esse tipo de coisa é muito complicado. Esse foi um dos motivos que me levou a recusar a designação para ser ancião certa vez. Muitos estão preocupados com o status, eu estava preocupado com o sangue que eu poderia levar em minhas mãos.  

Enfim, espero que muitos dos que foram desassociados nestas circunstâncias consigam se recuperar do choque da humilhação e situações constrangedoras a que são colocados, e entreguem sua alma à Jeová. Quando falo de humilhação não estou me referindo ao fato de ser ignorado pelos irmãos ou estar no Salão no canto onde as pessoas fingem que você não está ali. Isso é fichinha. Me falo a humilhação de ter que passar por uma comissão judicativa onde alguns anciãos esquecem que estão ali para ajudar, julgar, mas com amor, e sim, tentar recuperar o errante, e não com a atitude de querê-lo jogá-lo aos leões o mais rápido possível. Esquecem que se a "trombeta der um toque incerto", o sangue daquela pessoa estará em suas mãos. - 1 Cor.14:8 

O estudo "O que o perdão de Jeová significa pra você" deveria ser livro de cabeceira para todo ancião, especialmente, os que lidam como membros de uma Comissão Judicativa.


sábado, 30 de agosto de 2014

A VERDADE SOBRE O CASO ASHYA KING



E as Testemunhas de Jeová, mais uma vez, se tornam alvo de noticias por conta de sua posição relativo a tratamento médico. Tem se noticiado em todo mundo a fuga do casal Brett e Naghmenh, que tiraram seu filho Ashya, de 8 anos, do hospital de Southampton, na Inglaterra, com destino à Marbella, na Espanha. Como é de costume logo associaram a fuga à recusa das Testemunhas de Jeová em se submeter à transfusão de sangue e criaram um celeuma para difamar a religião. 



Os jornais ingleses destacam o amor dos pais por Ashya
e que eles estavam sempre presentes no
hospital desde o diagnóstico de câncer. 


A atitude dos pais de Ashya, foi uma atitude desesperada, mas não tem nenhuma relação com religião ou com transfusão de sangue. Ao contrário dos jornais brasileiros que se limitaram a criar pequenas notas sem dar grandes destaques à notícia, a fuga tem muito mais a ver com o desespero dos pais ao saber que seu filho havia sido desenganado pelos médicos britânicos. O jornal britânico Daily Mail deu ampla notícia o qual vale esclarecer vários pontos.


A fuga dos pais de Ashya não tem nenhuma relação com religião 
e nem com transfusão de sangue. São dois pais desesperados em busca de um tratamento médico para seu filho.


Ashya tem um glioma, um tumor maligno no cérebro diagnosticado quando ele tinha apenas 5 anos. Segundo o oncologista Karol Sicora, da Partner Cancer UK, o glioma é um tipo raro de tumor cerebral, cujo tratamento costuma ser agressivo para suas vítimas, que na maioria, levam ao óbito. No caso de crianças, então, o tratamento chega a ser desumano. O que teria acontecido, segundo um amigo do casal, em entrevista ao The Mirror, é que os médicos ingleses diante da situação teriam aconselhado os pais de Ashya a optar pela morte humanizada, quando se suspendem o tratamento médico e apenas se administram soros e sedativos até que o paciente venha a falecer. 


Naveed, irmão mais velho de Ashya.



Diante do desespero, o casal teria tomado a decisão de viajar à Espanha onde, supostamente, haveria tratamento mais adequado para o filho, sem levar em consideração os perigos e os riscos do transporte do garoto. Uma atitude desesperada de pais que queriam apenas salvar seu filho.

Ironicamente, os jornais britânicos, que costumam ser sensacionalistas, desabonaram as Testemunhas de Jeová de qualquer responsabilidade sobre o caso.  Inclusive, na matéria do Daily Mail, há entrevistas dos familiares (também Testemunhas de Jeová) e do representante do Escritório naquela região e a seguinte nota:



"O casal são as Testemunhas de Jeová e a decisão de levar o seu filho sem a aprovação dos médicos levantaram questões sobre se eles estavam tentando evitar uma transfusão de sangue, que sua fé rejeita. Mas um porta-voz do Escritório de Informação Pública das Testemunhas de Jeová disse que não havia "absolutamente nenhuma indicação" sua mudança foi motivada pela religião."

Fonte: Daily Mail.


Portanto, esperemos que os irmãos Brett e Naghmenh não tenham feito isso no desespero e que tenha tido a ajuda de amigos da área da saúde, e que possam estar auxiliando o garoto. Se não, espero que Jeová os ilumine e que voltem à Inglaterra e que entreguem tudo nas mãos daquele que pode trazer conforto e o pequeno Ashya de volta à vida quando finalmente o mundo estiver livre de doenças e da morte. - Rev. 21:4

_______________________________________________

PS:  A polícia da Espanha anunciou neste sábado ter localizado no sul do país um menino britânico de 5 anos com um tumor cerebral, e ter preso seus pais, que o haviam retirado do hospital sem a autorização dos médicos e fugido. Após dois dias de buscas na Grã-Bretanha, França e Espanha, o menino Ashya King, retirado na última quinta-feira de um hospital de Southampton por seus pais, testemunhas de Jeová, foi encontrado, no sul da Espanha. "Localizado em um hotel a 3km de Vélez Málaga e já internado em um hospital o menino Ashya King. Presos seus pais", informou a Polícia Nacional às 23H09, em sua conta no Twitter.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

ESQUECE O SEU BEZERRO DE OURO

Arão fez o Bezerro de Ouro que os israelitas adoraram no ermo. Ainda assim foi perdoado.
Você ainda se apega ao seu bezerro de ouro?


O estudo de A Sentinela deste final de semana é um alento e tanto para pessoas que se sentem fracas ou desanimadas. E um verdadeiro tapa na cara daqueles que amam condenar ou julgar mal os que cometem erros. Eu estarei "ouvindo" o resumo, já que estarei assistindo o congresso, mas adoraria ver esse estudo sendo feito com perguntas e respostas.  

Talvez o ponto principal seja a pergunta que precede o parágrafo sete: Precisamos ajustar o nosso ponto de vista?

O que você faria se encontrasse um irmão dentro duma igreja evangélica cantando louvores ao deus trino ou se ele estivesse numa procissão ou se ajoelhando perante uma imagem? A visão é grotesca, mas se observarem, foi exatamente isso que estava fazendo Arão. Ele fez o bezerro de ouro para que os israelitas adorassem a Jeová!

O que fazemos quando encontramos um irmão enfraquecido espiritualmente? Vou até mais longe, qual nossa posição para com irmãos desassociados que não eram necessariamente nossos amigos? Temos a impressão de que às vezes somos vistos como alguém que merece o maior despojo. 

Sabe uma das coisas que mais eu sinto tristeza ao manter este blog? Quando eu recebo um email de ex-desassociado, que à época se sentiu fortalecido por algum texto ou pelos comentários de outros em sua situação, mas depois que foram readmitidos, me escrevem pedindo para eu apagar qualquer rastro de que ele um dia veio aqui.

Entendo que o fato de ter retornado significa, entre outras, que a pessoa não mantenha mais contato com desassociados. Mas precisa ser assim? Sinto aquela sensação de ingratidão, do tipo, quando precisei, aqui foi legal, mas agora não posso ser visto de forma alguma com vocês. 

Espero, sinceramente, que estes possam um dia repensar seus atos e que possam ser de ajuda aos que precisam de ajuda espiritual. 

Enfim, os que estão desassociados podem achar que são imerecedores das bençãos de Jeová, porém, mais uma vez Ele mostra o quanto é compreensivo e misericordioso e este estudo é uma das formas de demonstrar isso. 

Não importa, caro irmão, qual foi o bezerro de ouro que você construiu. Jeová lhe conhece e as intenções do seu coração. Quando voltar, poderá se beneficiar de saber que assim como Jeová cuidou de você enquanto desassociado, poderá ajudar os fracos, sentir empatia por eles, e tomar medidas práticas de continuar servindo a ele e encontrando meios de ajudar os que precisam voltar à sua Luz.


quinta-feira, 31 de julho de 2014

CHEGOU A HORA DE RECOMEÇAR

Cria em mim, ó Deus, um coração puro,
e renova em mim um espírito reto.
- Salmo 51:10


O perdão é uma das qualidades mais lindas. Fico em dúvida entre ela e o amor, qual das qualidades mais fantásticas de Jeová. Alguém pode até dizer que o perdão é uma vertente do amor, mas eu prefiro trata-la à margem, porque nem sempre perdoamos porque amamos ou porque a pessoa merece. Perdoamos, algumas vezes, por uma questão de princípio. Perdoar não significa esquecer, a despeito de algumas frases clichês. Perdoar é uma coisa, esquecer é outra. O princípio bíblico diz que devemos fazer as duas coisas juntas, mas só o perdão, por si só, é uma atitude louvável.

Quantas vezes você perdoou alguém? Perdoaria duas vezes? E sete vezes o erro de uma mesma pessoa? Questionado, Jesus estabeleceu um padrão ainda maior. “Até setenta e sete vezes mais!” Já imaginou o que isto significa? - Mat. 18:22

Erramos todos os dias, em pensamento, em ações, enfim, somos imperfeitos e não atingimos a glória de Deus. Somos lembrados disso todos os dias nas reuniões, mas ainda temos aquela velha maneira de subestimar o amor de Jeová. Sejam os irmãos fundamentalistas – não os condeno, muitos são levados a acreditar assim pelas opiniões pessoais de anciãos da velha guarda ditas nas entrelinhas pela tribuna – ou nós, os desassociados, que cometemos erros graves, mas mesmo aqui fora continuamos a amar nosso Deus de todo coração, sempre somos levados a crer em um Deus vingativo e rancoroso pronto a destruir todo aquele que não faz sua vontade.

Sabemos que isso realmente ocorrerá na grande guerra do Armagedom, mas como ela ainda não chegou, se pergunte: você já se perdoou? 

“Como assim, André? Quem tem que me perdoar é Jeová.” É aí que vem a boa notícia: Jeová já te perdoou no momento em que você olhou para os céus ou com os joelhos no chão em prantos, se apresentou a ele em oração. Garanto a vocês que nunca houve um dia em que eu não suplicasse algo a Ele que não tenha sido ao menos ouvido. - Jo. 6:37

Jeová é o “Ouvinte de oração”. A Bíblia não diz que ele é ouvinte desse, ou daquele, desta religião, ou daquela. Ele ouve a todos que queira fazer Sua vontade. (Sal. 65:2; Mat. 5:6)

Saiba que a desassociação, hoje em dia, é um emaranhado de procedimentos administrativos criado em cima de um princípio bíblico que não estabeleceu regras claras sobre o assunto. Como Jeová estabeleceu o Escravo Fiel para cuidar das coisas na Terra, temos que estar dispostos a seguir esses procedimentos. Contudo, lembre-se que o fato de estar desassociado tem mais efeito social do que espiritual. O que determina sua condição perante a Jeová é o seu coração. É o quanto, mesmo estando nesta condição, você ainda ama a Jeová (1 Sam. 17:6)

Se você é uma das pessoas que está desassociada hoje e não consegue ter forças para retornar por vergonha, desânimo, mágoa ou apenas porque acha que cometeu um erro tão grave que se acha indigna de se achegar a Jeová ou de retornar à sua Organização, deixa de besteira!!

Vejamos alguns casos. 
  • Davi cometeu adultério e foi mentor de um assassinato. Foi perdoado.
  • Abraão questionou a decisão de Jeová insistentemente. Foi perdoado.
  • O rei Manassés adorou Baal no templo, perseguiu profetas, ofereceu seu filho como sacrifício, blasfemava contra Jeová. Foi perdoado.
  • Jó presunçosamente achou que Jeová havia lhe tirado tudo injustamente. Foi perdoado.
  • As filhas de Ló cometeram incesto com o pai. Foram perdoadas.

Seu pecado foi maior do que o deles? E olhe que tudo isso ocorreu antes de Jesus Cristo vir a Terra e dar uma visão mais ampla do amor de Deus e do perdão com o novo pacto.

Reforce o seu coração. Assim como vocês, eu também tenho muitos pecados e às vezes me vejo dando um passo para trás cada vez que decido retornar à Organização. Algumas dúvidas que não consigo explicação, algumas normas que eu não concordo, alguns tipos de comportamento que não acho que aceitaria novamente, meu problema com o alcoolismo e, sim, sexo.

Mas diante de todas as libertações que Jeová tem dado à nossa vida, mesmo errando e cometendo sandices, vez após vez, comecei a me perguntar se realmente eram coisas sérias que pudesse me manter afastado de Jeová.

Decididamente, não vale à pena. Decididamente é hora de retornar. É hora de corrigir os erros, repensar a vida e perceber que não temos nada a ganhar aqui fora. E que seja lá quais são as pequenas coisas que impeçam sua volta, é hora de recomeçar – Atos 3:19



terça-feira, 29 de julho de 2014

JUDAS E O LIVRO DE ENOQUE


Com a polêmica criada em torno do filme Noé, um dos livros apócrifos mais esquecidos voltou ao debate em sites e fórum de discussões. Retornando ao meu estudo pessoal sobre o assunto, contudo, me debati com uma informações, no mínimo, curiosa. Mas antes...

Enoque foi o único homem que "andava" com Deus num mundo iníquo.



QUEM FOI ENOQUE?

A Bíblia menciona dois Enoques. O primeiro, filho de Caim mencionado no quarto capítulo de Gênesis. Não foi ninguém importante.

O segundo, este sim, nos interessa: Enoque, sétimo homem da descendência de Adão, pai de Matusalém, avô de Noé. Aprendemos desde o Meu Livro de Histórias Bíblicas que Enoque foi o homem mais corajoso que já viveu, pois era o único homem na Terra que adorava a Jeová. Possivelmente sofreu perseguição por isso, mas Jeová não o deixou ser morto. Um dos poucos homens que foi levado pelo próprio Jeová. – Gen. 5:18, 21-24.


LIVRO DE ENOQUE

Compilações de textos, escritos em aramaico e algumas cópias em etíope, encontrados em Qumram, um sitio arqueológico na Palestina, datados do terceiro ou segundo século antes de Cristo, que teriam sido escritos pelo próprio Enoque, relatando com riquezas de detalhes a rebelião de anjos (chamados de Vigilantes) que vieram à Terra ter relações sexuais com mulheres e a propagação de feitiçarias, o nascimento dos nefilins, a violência na Terra, e por fim, as profecias de julgamento de Deus.

A parte que mais nos interessa são os 36 capítulos chamado de Livro dos Vigilantes. É o relato que faz uma tentativa de preencher as lacunas deixadas por Gênesis para explicar, com riqueza de detalhes, sobre o processo que precedeu o dilúvio.

O livro pode ser dividido em três grandes partes: introdução (1-5);  história dos Vigilantes (nome dado aos anjos que se rebelaram) (6-16) e as viagens de Enoque (17-36).

No relato, Samyaza, um dos anjos rebeldes, convence mais 18 anjos a descer e ter relações com as mulheres. Não apenas isso; eles ensinam sobre astrologia e feiticaria, entre outras coisas que Jeová detesta. Desta relação nascem os Nefilins, gigantes que causam terror à terra praticando violência, orgias, bestialismo e até canibalismo. Por meio do anjo Rafael, Deus ordena a Noé e sua família que construa a Arca, pois destruirá a Terra.

AUTÊNTICO?

O livro de Enoque, embora autêntico, nunca foi relacionado no Canon Hebraico da Bíblia. Os relatos, embora similares ao registro de Gênesis e às profecias de Ezequiel, contem muitas ramificações que levam à astrologia (prática odiada por Jeová) e historias muito fantasiosas que não se harmonizam com os demais livros da Bíblia. Até mesmo os especialistas católicos, que adotaram 8 livros apócrifos, rejeitaram o suposto livro escrito por Enoque.

JUDAS CITOU O LIVRO DE ENOQUE?

A polêmica, contudo, começa aqui. Na carta de Judas, nos versículos 14 e 15, há o seguinte relato:

"Sim, o sétimo homem [na linhagem] de Adão, Enoque, profetizou também a respeito deles, dizendo: “Eis que Jeová veio com as suas santas miríades, para executar o julgamento contra todos e para declarar todos os ímpios culpados de todas as suas ações ímpias que fizeram de modo ímpio, e de todas as coisas chocantes que os pecadores ímpios falaram contra ele.”

A carta de Judas foi escrita em 65 EC, na Palestina, mesmo lugar onde fora encontrado o livro de Enoque, escrito cerca de 200 anos antes. Os estudiosos dizem que Judas está claramente citando o livro de Enoque, uma vez que não existe nenhum outro registro no Pentateuco das profecias dele. 

Decidi, então, fazer uma pesquisa sobre o assunto na Biblioteca OnLine e encontrei poucas informações relacionadas. Fui à fonte principal, e olha o que encontrei no Estudo Perpicaz das Escrituras sobre o verbete Judas: “Uma fonte comum pode ter fornecido a base para a declaração feita tanto na carta inspirada como no livro apócrifo.” (it2 pp.620-621).

Desculpem se entendi errado, mas em outras palavras, o próprio Escravo assume que Judas poderia estar citando uma fonte que serviu de base para escrever também o Livro de Enoque? Sendo assim, uma questão acaba deixando-nos confuso. Pensem bem: se Judas é um livro inspirado por Deus então a afirmação feita no Livro de Enoque também o foi? E se o livro de Enoque é falso, então, estamos levantando a hipótese de Judas ter utilizado uma afirmação falsa num livro que seria inspirado por Deus? Se a fonte de Judas é a mesma do autor do Livro de Enoque, podemos então considerar que parte do que foi escrito foi verdadeiro?

Bom estudo pessoal pra vocês. 



quinta-feira, 10 de abril de 2014

A ESPOSA DE JESUS?!






Jesus Cristo, filho de Jeová Deus, foi o maior homem que já viveu nesta Terra. Como tal, Jesus sempre é uma ótima notícia para meios de comunicações em busca de uma polêmica para vender bem. A última agora é sobre a tal "esposa" de Jesus. 

Explicando para quem não está familiarizado com o assunto, o que houve é que foi noticiado a descoberta de um papiro do tamanho de um celular médio, dado a uma historiadora e professora de cristianismo primitivo da Harvard Divinity School - Karen King -  por um proprietário anônimo. Segundo ela o papiro lança luz sobre o estado civil de Jesus e pode provar que ele fora casado ou que teve um relacionamento com uma mulher. Os fragmentos dizem mais ou menos isso...


“Não para mim. Minha mãe me deu … “
“Os discípulos disseram a Jesus … “
“Negue. Maria é digna disso … “
“Jesus disse: ‘minha esposa’ …”
“Ela será capaz de ser minha discípula …”
“Deixe que os ímpios falem …”
“Quanto a mim, eu moro com ela, a fim de …”
“Uma imagem …”
O destaque foi dado a expressão "Jesus disse: 'minha esposa'". A partir disso vendilhões da fé, anticristos e afins começaram a afirmar que Jesus tinha um envolvimento com uma mulher chamada Maria (provavelmente Madalena) e são utilizadas também por grupos feministas que lutam para que mulheres tenham cargos de liderança dentro da igreja.

Inicialmente a Igreja Católica afirmou que o papiro era falso por causa da gramática pobre, textos borrados e a origem incerta. Mas hoje um grupo de especialistas atestaram que após análises que o papiro é verdadeiro, possivelmente escrito no Egito Antigo no século II. Contudo a própria historiadora Karen King declarou que ser provado que o fragmento é verdadeiro não significa necessariamente que Jesus fora casado ou teve algum relacionamento com alguma mulher.

Machistas?

A polêmica em torno do assunto relação com a acusação de um suposto machismo da Bíblia e das organizações religiosas que não ordenam mulheres como líderes espirituais. Como a própria King declarou "qualquer evidência apontando para se Jesus era casado ou tinha uma discípula poderia ter efeito em cascata em debates atuais sobre o papel das mulheres na Igreja”.

Bobagem! Se Jesus tivesse tido uma mulher não mudaria em nada a admiração e sua importância. O assunto, contudo, é relevante simplesmente porque iria de encontro aos relatos canônicos dos quatro evangelhos, atos dos apóstolos e das cartas de Paulo e demais discípulos que não mencionam nenhum tipo de relação conjugal de Cristo.

Acusam Paulo de machista pela afirmação de que as mulheres não devem ensinar nas congregações. (1 Tim. 2:12,13) Outra bobagem, afinal, muitas mulheres foram profetizas no passado e discípulas de destaque nos dias de Cristo Jesus como Maria, mãe de Jesus, Marta, entre outras. O fato de não terem cargos de liderança na congregação não significa que as mulheres sejam deixadas de lado. Pelo contrário, um dos maiores trabalhos de pregação e divulgação do Reino de Deus são feito hoje por mulheres fiéis. - Salmo 68:11.


Mas e o papiro?

Ser verdadeiro prova apenas que alguém naquela época escreveu o papiro. Não que a história seja verdadeira. Lembrem-se que livros apócrifos como Macabeus, livro de Enoque e evangelhos de Judas Iscariotes e Maria Madalena também são considerados autênticos, mas não foram canonizados justamente por ter um conteúdo que não se harmoniza com todos os outros 66 livros da Bíblia.

O fragmento seria uma cópia de um texto grego do século II, ou seja, no mínimo 100 anos após a morte de Jesus em 33 EC.  Que razão temos para confiar neste pequeno fragmento e suas afirmações? Será que o escritor deste papiro sabia algo sobre Jesus que ninguém mais sabia? Nem seus apóstolos, discípulos ou até mesmos historiadores famosos como Flávio Josefo? Inclusive nem mesmos os judeus, que seriam os mais interessados em derrubar qualquer mito em torno de Jesus, levantaram a hipótese de ele ter sido casado.

Existem mais de 5 mil manuscritos das Escrituras Gregas Cristãs e mais de 20 mil manuscritos de traduções de nações vizinhas, e nenhum deles cita o fato de Jesus ter tido uma esposa. Quando estava preso na estaca, Jesus pede a João que cuide de sua mãe e não faz nenhuma referência a qualquer mulher que seja, nem a Maria Madalena, que era uma das discípulas mais ativas dele. Nada! Todos estão errados ou foram minuciosamente burlados para esconder a "esposa" de Jesus e apenas um fragmento de 5x5 cm está falando a verdade? Um pequeno grupo de homens conseguiriam esconder isso da história?

Em entrevista, a própria King declara que a forma como o texto foi escrito demonstra que o autor não conhecia Jesus pessoalmente. Ora, e ainda há gente que quer levar isso à sério?!

Resumo da Ópera

Em 98 EC, o último apóstolo vivo, João, já escrevia às congregações existentes que elas seriam invadidas por um turbilhão de apostasias e influências demoníacas. (1 João 2:18; compare com Atos 20:29,30)

Curiosamente a maioria dos textos antibíblicos, celebrados por ateus,  apóstatas e inimigos da Bíblia surgiram justamente no segundo século. Existirem ou serem dados como autênticos só significa que eles foram escritos por alguém, possivelmente gnósticos, que àquela época já faziam uma tentativa de adaptar o cristianismo em suas crenças pagãs, que dois séculos mais tarde daria certo na fundação da Igreja Católica Romana pelo imperador Constantino.

"Toda escritura...", ou seja, os 66 livros canonizados, "é inspirada por Deus" E é nela que devemos confiar. O resto é treta!  (2 Tim. 3:15,16)






sábado, 8 de março de 2014

O QUE É A QUARESMA?

Quaresma é o nome dado ao rito católico estabelecido possivelmente no quarto século pela Igreja Católica, de jejuar ou penitenciar por quarenta dias antes da Páscoa. Antigamente a quaresma era caracterizada por jejuns literais e sacrifícios físicos. Hoje em dia, diante da relatividade católica, o jejum não existe mais. Os católicos apenas se abstém de alguma coisa que gosta muito como bebidas alcoólicas, doces, comida preferida, chocolate ou coisas assim.


A Quaresma é um dos mais importantes rituais da fé católica. 

O site da CNBB explica a quaresma da seguinte forma:

"A Quaresma é um tempo privilegiado para intensificar o caminho da própria conversão. Este caminho supõe cooperar com a graça, para dar morte ao homem velho que atua em nós. Trata-se de romper com o pecado que habita em nossos corações, nos afastar de todo aquilo que nos separa do Plano de Deus, e por conseguinte, de nossa felicidade e realização pessoal. É tempo para nos arrependermos e de mudar algo de nós para sermos melhores e poder viver mais próximos de Cristo."

"Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material. Os zeros que o seguem significam o tempo de nossa vida na terra, suas provações e dificuldades. Portanto, a duração da Quaresma está baseada no símbolo deste número na Bíblia. Nela, é relatada as passagens dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias de Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou a estada dos judeus no Egito, entre outras. Esses períodos vêm sempre antes de fatos importantes e se relacionam com a necessidade de ir criando um clima adequado e dirigindo o coração para algo que vai acontecer."

Em princípio a Quaresma não tem nada demais,  afinal, se abster  ou fazer pequenos sacrifícios em nome de Deus sempre é uma forma de demonstrar nosso amor. Não é? Vejamos. 

Quaresma na Bíblia.

De fato, o numero quatro possui um significado profético. Geralmente está associado à universalidade ou uma quadrangulação em simetria ou forma. É uma forma de Jeová estabelecer que suas decisões são organizadas, sem arestas. Em Revelação menciona os "quatro anjos" encarregados dos "quatro ventos" prontos para a destruição completa. Os efeitos no mundo hoje são causados principalmente pela influência dos "quatro" cavaleiros do apocalipse. (Rev. 7:1; 6:1-17).

Jesus, realmente jejuou por 40 dias e 40 noites, mas em nenhum registro bíblico - inclusive nos livros apócrifos católicos - existe exortação de que o cristão deva fazer o mesmo. Não existe nenhuma evidência de que os apóstolos ou os cristãos primitivos tenham feito isso. 

A verdadeira origem da Quaresma.

Na quarto século, quando o imperador romano Constantino se converteu ao cristianismo, a Igreja Católica foi oficialmente fundada ao fundir religião e Estado. Constantino estabeleceu os princípios da religião naquela que é conhecida como o primeiro concílio (uma reunião de cardeais e líderes com objetivo de estabelecer normas e doutrinas da fé católica) em Nicéia (atual Turquia) em 325 d.C.  Uma delas foi a quaresma defendida por cardeais mais conservadores que eram contra a inserção de costumes pagãos.

Jesus jejuou por quarenta dias após seu batismo, mas na versão católica, o jejum deveria ser praticado quarenta dias antes da morte de Cristo. Mas curiosamente a Quaresma já era praticada por três nações religiosas: Babilônia, Egito e Grécia, e mais curiosamente ainda, eles eram praticados no início do ano, justamente no mesmo período que se pratica hoje em dia.  

Como disse, se abster de algo ou se sacrificar em nome de Deus não tem nada demais. Contudo, utilizar como padrão um ritual que era usado por povos antigos para adorar deuses falsos, não seria algo a se pensar quando Deus estabelece que sua adoração é pura e imaculada? 

A origem do Carnaval

Se por um lado os cardeais radicais queriam fortalecer a fé católica, por outro acabaram por criar indiretamente o Carnaval.

Quando Constantino se converteu ao cristianismo e fundiu a Igreja com o Estado, isso não agradou aos romanos acostumados com sua relatividade religiosa. Muitos deles eram praticantes da mitologia romana ou de outros costumes pagãos (nome dado a costumes religiosos de outras nações não cristã) como a adoração a Baco, que era uma festa regida a bebedeiras e práticas sexuais, costumeiramente praticada desde 600 a.C, que deu origem ao termo Bacanal.


A Quaresma ajudou a popularizar a festividade de adoração a Baco dando origem ao Carnaval.



Quando foi estabelecido a Quaresma, Constantino proibiu qualquer manifestação religiosa não cristã ou festas seculares, inclusive esta de adoração à Baco. Diante disso, o último dia antes da quaresma virava uma loucura total onde todos tentavam se entregar ao máximo de prazer possível antes que se começasse a "proibição". Este dia passou a ser chamado de dia do "adeus à carne", ou simplesmente "Carne Vale", expressão em latin que originou o Carnaval. 



segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

AS DORES QUE CADA UM LEVA NO CORAÇÃO

"Mesmo no riso o coração 
talvez sinta dor." 
- Prov. 14:13



O Facebook é um zoológico canto onde você descobre várias facetas do ser humano.  Seja por opiniões diversas, compartilhamentos alheios, debates convulsivos ou até um certo ativisto virtual, o ser humanos sempre mostra o que ele é. Um psicólogo se diverte com a gama de informações para se estabelecer o caráter de uma pessoa, seja intencional ou não. 

Me debati com essa foto hoje! 




Vamos lá! Em princípio, parece uma mensagem interessante. Uma loirinha chorosa, possivelmente de classe média alta, chorando por causa de um amor partido enquanto muitos na África estão passando fome ou sede. Toma vergonha lourinha!!!

Toma vergonha você que pensa assim!!!!

Qual dor maior? A dor de cabeça ou dor de barriga? A dor do parto, da cólica menstrual ou a renal? A dor de uma facada no peito ou na perna? Melhor perder os dentes numa queda ou a dor de perder uma unha arrancada com alicate?

Dor é dor e cada um sabe a dor que leva no coração. 

Dizer que uma dor é maior ou menos importante que outra é de uma insensibilidade egoísta sem tamanho. Cada pessoa é criada de um jeito, absorve a sua cultura de formas diferentes. O que pode ser dolorido pra mim, pode não ser doloroso para outro; o que talvez seja bobagem pra um, pode ser extremamente doloroso para outrem. 

É óbvio, que na tentativa de amenizar a dor de alguém, podemos até citar dores de outras pessoas, fazer algumas pequenas relativações, mas nunca achar que a dor de alguém é menor só porque você não entende. 

Curiosamente a Bíblia não faz distinção de dor. Às vezes ela cita a expressão "dor aguda" para falar de uma dor que dói mais que a outra, mas no fim, tudo é dor. A bíblia fala até de uma dor que aparente não dói, mas acredite, dói pra caramba que é a dor disfarçada de alegria. 

A dor pode ser diferente em cada ser humano. A dor pela perda de um ente querido à morte pode ser tão brutal quanto a dor que alguém sente quando é traído pelo cônjuge que ama. Quem somos nós para julgar o que é mais importante que o outro?

A única certeza que temos é que para Jeová, e seu filho e Juiz designado, Jesus Crito, todas as dores são dores e ferem o nosso Deus. É por isso que quando fala em dores, a palavra de Deus não estabelece qual dor é mais importante que a outra.


"E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.” - Rev. 21:4


E definitivamente esse lance de julgar e atribuir prioridades ou importância aos tipos de dores do ser humano está por fora, e não se aplica ao reflexo do amor de Jeová às pessoas. 



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

UMA ESTACA CHAMADA SERVIÇO DE CAMPO!?





 “Se alguém quer vir após mim, 
repudie-se a si mesmo e apanhe 
a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente"
- Marcos 8:34


Se há um grupo que eu admiro muito são os pioneiros regulares. Taí um grupo de abnegadas irmãs que chova ou faça sol, estão lá pregando e levando o nome de Jeová a todas as pessoas do território. Costumam taxá-las de irmãs fofoqueiras, que gostam de se meter na vida dos irmãos da congregação, mas eu defendo-as sempre. Elas podem!

Digo isso porque para mim uma das maiores dificuldades em servir a Jeová era ir ao Serviço de Campo. Não que falar de nosso Deus fosse ruim, sempre fui bom de lábia, mas era totalmente constrangedor quando trabalhava todos os finais de semana no mesmo território, na mesma rua, nas mesmas casas e batíamos nas portas de pessoas que já estavam cansadas de ver nossa cara. O famoso Território constantemente trabalhado.

Ía ao campo forçado. Forçado por mim mesmo, que via nisso uma luta, um verdadeiro sacrifício de louvor a Jeová. Mas admito; fazia parte do Trem das 10. Ia ao campo, pregava - e tomava porta na cara - normalmente até as 10 horas. Depois deste horário, colava com outro irmão ou uma pioneira e partia pra acompanhar algum estudo bíblico ou fazer revisitas. 




Curiosamente uma das coisas que muitos irmãos evitavam no Serviço de Campo, eu amava: falar com evangélicos. Era muito mais legal do que falar com católicos. Enquanto estes últimos possui uma fé relativa e odiava o fato da Bíblia não ser assim tão essencial na fé deles, com evangélicos era diferente. Pra começar eu tinha o know-how de ter sido evangélico por quase 10 anos. Conhecia os vícios, as desculpas, as estruturas das igrejas - não cometia o erro de tratar todas iguais, e muitos irmãos não sabem como isso é importante para palestrar com um evangélico - então era mais fácil. Debatia com conhecimento. E gostava de debater mesmo, ao ponto de certo ancião me proibir disso. Com os católicos, contudo, era mais do mesmo. Eu fazia revisitas de dois padres missionários. Eles aceitavam minha visita, concordava com tudo que eu dizia, ficava com publicações, contribuiam com elas, mas no fim, não queriam nada com nada. Acho que só mesmo conhecer como eram as Testemunhas de Jeová. Quando percebi isso, transferi a revisita para umas pioneiras, e logo os padres desistiram - acho que eles queriam era outra coisa! (sic)

Em compensação eu amava pregar no interior. Toda vez que a congregação fazia arranjos para se pregar em territórios isolados era uma festa. Normalmente íamos para alguma cidade próxima a rios ou cachoeiras. Pregávamos pela manhã, terminávamos em torno de meio dia a uma hora, almoçávamos e depois íamos para um rio ou a uma praia. Era divertido. Tenho ótimas lembranças dessa época. 

Hoje observo que o Campo não é mais motivador como era antes. Vejo os irmãos pregando na minha rua e todos - exceto algumas irmãs pioneiras - com cara de tédio, como apenas estivessem cumprindo uma rotina cristã. Um sacrifício! 




Sinto falta disso! Sinto falta dos estudos bíblicos. Dos estudantes progredindo - sim, tive 3 estudantes que se batizaram. Junior, Erick e Reginaldo. Salvo Junior que hoje é servo ministerial, os outros seguem aos trancos e barrancos, mas seguem na Organização de Jeová. E sinto orgulho de ter participado nisso.

E você que está desassociado? O que acha do Serviço de Campo?  Se acha que é uma estaca a ser carregada, o que pretende fazer para melhorar isso quando retornar? 

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

É POSSIVEL EVITAR A DESASSOCIAÇÃO?


Sim. Basta não pecar. Mas infelizmente somos todos imperfeitos, pecadores e algumas vezes é difícil se manter íntegro. Quando um pecado grave é cometido, o transgressor precisa ser levado a uma Comissão Judicativa. (Jo 5:14; Rom. 3:23)

Desassociação é bíblico!

Ao contrário do que muitos pensam, a expulsão é bíblica. (1 Cor. 5:5, 11, 13)

"É princípio básico e inerente de toda sociedade religiosa a possibilidade de expulsão de membros que não estejam em acordo com suas regras. É análoga aos poderes de pena capital, de banimento e de exclusão do rol de membros, exercidos por entidades políticas ou municipais." it-2 pp.86-88 

Na congregação de Deus, quando um cristão, ou cristã, comete algum erro, ela deverá fazer uma profunda oração à Jeová expondo seus erros e demonstrando de coração que se arrependeu. E imediatamente deve procurar, também,  um ancião mais achegado de sua congregação para que seja lhe dada a devida ajuda espiritual. (Tia. 5:14)

Alguns erros, podem ser resolvidos com uma simples conversa com os anciãos, contudo, outros mais complexos e delicados talvez precisem ser analisados por uma Comissão Judicativa. Esta comissão, para manter a pureza da congregação, talvez se decida apenas pela Repreensão Judicativa ou pela Desassociação Judicial do cristão. Até meados de 2003, havia a ideia de que o desassociado era uma Testemunha de Jeová que estava sendo disciplinada, mas essa visão fora corrigida, e hoje o desassociado é considerado um membro expulso, ou seja, ele não é mais Testemunha de Jeová. A decisão deve ser dada sete dias depois, após a primeira Reunião de Serviço pelo presidente da Comissão Judicativa ou pelo Coordenador da congregação. 

Aplicada em último caso. 

Houve um grande refinamento do Corpo Governante quanto à Desassociação. Por meio de cursos, estudos bíblicos (como a da última semana, por exemplo) e admoestações por meio de cartas à congregações, os anciãos são admoestados arduamente de que a Desassociação deve ser o último passo. Que eles precisam porque precisam recuperar a todo custo o errante.  


Se o transgressor é culpado de pecado crasso, mas dá evidência
de arrependimento piedoso, mesmo tão tardiamente
quanto na audiência, a repreensão judicativa dada pela comissão
talvez seja o suficiente; a desassociação pode não ser
necessária. (2 Tim. 4:1, 2 ; Tito 1 :9 ; w83 1/4 pp . 31-2) ks. Pag.121.


Infelizmente se faz necessário porque vez por vez Betel recebe relatos de Superintendentes ou por meio do próprio pecador, de excessos cometidos em comissões. Segundo um irmão que serve no Betel de Portugal, cerca de 10 a 20% das desassociações poderiam ter sido evitadas se houvesse uma reconsideração dos fatos. Isso lá, que tem 1/4 das Testemunhas de Jeová que há no Brasil. O problema é que muitos acreditam que ao questionar a decisão de uma Comissão Judicativa estaria indo de encontro ao julgamento de Jeová, o que é uma grande falácia. 

Apelação da Comissão Judicativa

Hoje em dia pode se dizer facilmente que só é desassociado quem quer.  O próprio desejo do cristão de querer continuar servindo a Jeová é um indício de que seu arrependimento pode ser genuíno e ao invés da expulsão, se aplica a  Repreensão Judicativa.

Desde 1980 foi estabelecido a provisão de apelação da decisão da Comissão Judicativa.  Num prazo de até sete dias a contar da data da comissão, o transgressor deverá apelar por escrito. 

Numa carta simples, de próprio punho preferencialmente, o irmão deverá mostrar de forma humilde mas firme, que não concorda com a decisão e expor os motivos. A exposição dos motivos deve ser sincera. Se achou que foi injusta deve descrever os fatos de forma  respeitosa. Não queira atacar nenhum ancião pessoalmente ou por em dúvida a moral da comissão. Isso só irá te prejudicar ou demonstrar que no fundo, você merecia a desassociação por falta de humildade e de respeito aos anciãos congregacionais.

A apelação é obrigatória, ou seja, a Comissão tem que acatar! Uma nova Comissão feita com anciãos de outras congregações é constituída para um novo julgamento. É recomendado que esses anciãos sejam de congregações distantes e que preferencialmente não conheça o transgressor. Se você é uma pessoa popular terá que admitir que a impossibilidade disto. O objetivo é que ela seja o mais imparcial possível.  Os anciãos da primeira Comissão não participam! 

Se o parecer da nova Comissão for similar ao da primeira, a decisão é dada ao irmão e na primeira Reunião de Serviço seguinte é dado o anúncio que a partir desta data Fulano não é mais Testemunha de Jeová. Se, contudo, a nova Comissão achar arrependimento no transgressor, esta deverá fazer um relatório que será encaminhado à Betel junto com o relatório da primeira Comissão. Caberá aos irmãos de Betel dar o parecer final. 

Enquanto estiver em tramite, o transgressor ficará restrito de comentar e orar nas reuniões. O livro dos anciãos diz que isso inclui privilégios especiais de serviço, mas não é claro, se isso inclui participar do serviço de campo. 

A desassociação só ocorre quando é anunciado na congregação. Você pode utilizar o tempo disponível para avisar ou se despedir de amigos íntimos.  


Apelação da apelação?


Se ainda achar que foi injustiçado, infelizmente, não há como apelar da apelação. Mas eu já vi casos onde um irmão foi anunciado como desassociado e duas semanas depois foi corrigida apenas para Repreensão Judicativa. Já vi até ancião perder o cargo e ser novamente reconduzido ao cargo na semana seguinte!

O que posso dizer é que o irmão tem todo direito de buscar a Justiça de Jeová. Os Superintendentes de Circuito normalmente estão visitando uma congregação próxima e ele pode ser procurado a qualquer momento para que lhe seja exposto os fatos. Como autoridade espiritual sobre os anciãos, ele poderá mediar a situação e verificar se houve alguma falha de julgamento.

Mas diante de tantos alertas e admoestações, acredite, os anciãos estarão mais interessados em lhe ver servindo a Jeová alegremente do que levar a culpa em desassociar alguém injustamente, peso este, que será bem pesado sobre suas costas. 


Que Jeová abençoe a todos. 

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

ONDE ENCONTRAR UM SALÃO DO REINO?


Está desassociado. Cidade nova, bairro diferente? Não tem parentes Testemunha de Jeová? Não sabe como encontrar um Salão do Reino mais próximo para voltar a se reunir?

Seus problemas acabaram!

Clique aqui e encontre um Salão do Reino mais próximo de sua residência!








terça-feira, 14 de janeiro de 2014

CRISE DE CONSCIÊNCIA?





Apesar da escrita ruim e arrastada, aliada a minha falta de interesse e preguiça mental, consegui ler grande parte do livro "Crise de Consciência" de Raymond Franz. Para o desavisado - afinal ele é considerado um popstar entre apóstatas e membros de outras religiões mas um total esquecido entre os verdadeiros cristãos - este senhor nada mais é do que um ex-membro do Corpo Governante, que após ter sido desassociado por frequentemente insistir em propagar suas teses pessoais sobre a forma como a Organização deveria ser organizada (sic), decidiu escrever um livro contando sobre os bastidores do Corpo Governante, e como único de sua espécie, virou celebridade gospel.

Lutero moderno?

Fazendo um resumo geral sobre o livro "Crise de Consciência" é óbvio que Raymond Franz apresenta alguns dados conhecidos - afinal ele foi ancião das Testemunha de Jeová e membro do corpo que governa a religião - alguns argumentos fundamentados, mas que se confunde por não seguir uma regra básica ao se estabelecer teses: não finaliza com conclusões procedentes ou não estabelece alternativas viáveis. Deste modo cai por terra a primeira comparação com Lutero, que seus fãs costumam fazer, dizendo que Ray não tinha interesse de atacar as Testemunhas de Jeová, mas apenas pregar na porta de Betel suas "95 teses". Ele não apresenta soluções.

Eu, por exemplo, fui líder espiritual da Igreja Renascer em Cristo,fui um dos pioneiros na igreja quando ainda funcionava num antigo bar em Costa Azul, em Salvador. Fui líder do Projeto Amar, quando mudamos para Pituba, e junto com outro amigo, cheguei a montar e manter uma espécie de célula no bairro de Canabrava. Fiz parte de várias reuniões "secretas" e ajudei a promover vários procedimentos que hoje não concordo, e algumas, acho que são até absurdas. Mas passou! Se alguém me perguntar porque saí da Renascer e depois me tornei Testemunha de Jeová, tenho o maior prazer em explicar, mas daí escrever um livro expondo todas as maracutaias e profetadas que vi a família Hernandes & Cia cometer, ficaria parecendo uma espécie de vingança pessoal de alguém que saiu magoado. Eu não saí magoado da Renascer e por isso não tenho menor interesse em expor seus erros. Inclusive, tenho boas lembranças de grandes amizades que fiz e continuam até hoje. Imagine a cena: eu poderia dizer que vi o Apóstolo Hernandes entrando na tesouraria e colocando no bolso dinheiro das ofertas. Quem poderia acreditar em mim? Qual prova eu teria pra mostrar? A minha palavra? Ninguém acreditaria! 

Da mesma forma, Raymond Franz explica uma série de procedimentos questionáveis que eram feitos no Corpo Governante, como estabelecer escolhas quase na base do "uni, duni, tê...", que muitos apóstatas e religiosos vibram como se fossem verdades comprovadas. Mas ele não comprovou nenhuma. É a palavra de Franz.  Temos apenas suas palavras imparciais e sem nenhum ressentimento, contra o de onze homens idôneos. Num tribunal, ele perderia de goleada. 

Toda generalização é burra!

Eu tenho minhas convicções. Algumas fundamentadas - na minha opinião, vale frisar - outras advindas de frustrações, e algumas de ressentimentos pessoais. Admito. Contudo seria de extrema irresponsabilidade tendenciosa afirmar que a visão, não vou nem dizer dos mais de 7 milhões de Testemunhas, mas daqueles que faziam parte da minha congregação, sejam negativa semelhantes à visão fraca que eu tinha. 

Raymond Franz, admite em vários momentos que havia parado de estudar a Bíblia, que sua obsessão pela Organização chegou a ser maior do que a sua dedicação à Deus. Contudo ele atribui  frustrações projetando suas falhas entre milhões de Testemunhas de Jeová com mentalidade e personalidades diferentes dele, inclusive, dos demais integrantes do corpo governante. Qualquer psicólogo de quinta pode perceber que Raymond Franz passou a idolatrar a Organização que representava. E quando ao chegar ao poder, os demais membros passaram a ter uma visão diferente da dele, entrou em colapso. Isso explica porque ele fala de certa forma, de modo carinhoso da Organização Testemunha de Jeová e atira nas pessoas que em sua opinião desvirtuou do verdadeiro caminho que "ele" achava que deveria seguir. Raymond fala como alguém que foi traído, apunhalado pelas costas, esquecendo que a Organização de Jeová não pertence a homens, nem aos doze que fazem parte do Corpo Governante. 

A Organização de Jeová pertence apenas a Jeová!!

Celebrando o relativismo.

Talvez a maior incoerência do livro de Franz seja a visão que ele tem sobre organização, seja ela qual for. Quando eu afirmei no meu primeiro texto que ele queria formar uma nova religião, alguém me chamou de ignorante (com razão, afinal não tinha lido o livro) porque em vários momentos, seja com o objetivo de evitar ser acusado de apóstata, ou simplesmente porque ele realmente acreditava nisto, Raymond diz que não tinha nenhuma intenção de criar uma "nova organização religiosa". Seus fãs vão ao delírio com essa afirmação. Isso é uma prova de Raymond é puro; ele não é um magoadozinho tentando montar sua igreja, ele apenas está com crise de consciência e quer expor aquela que seria a organização mais hipócrita e satânica do mundo!!!

Raymond Franz se esquece contudo, de além de apontar supostos erros e dizer coisas que não se deveria fazer, de apresentar o mais importante: solução.  Na verdade ele até apresenta:  a anarquia religiosa!  Fechar as portas das igrejas, de todas as organizações bíblicas, nos limitar a uma áurea de espiritualidade. Não deve haver líderes, nem anciãos, pastores ou coordenadores. Não deve existir nem igrejas. Todos são livres para adorar a Deus da forma que achar melhor. Uma espécie de woodstock cristão.

Curiosamente sua teoria é absurda até mesmo para os membros de outras religiões que veem em seus textos a luz para falar mal das Testemunhas de Jeová. Será que eles estariam dispostos a seguir o conselho de Raymond Franz e sair de suas igrejas e recusar a ingerência de seus pastores? Acho que não! Bem, de uma coisa Franz pode se orgulhar. O imenso mar de igrejas evangélicas existentes no mundo se tornaram parte de seu sonho: as leis de Cristo levadas ao máximo ao relativismo religioso. Os Neo-Pentencostais que o digam. 

Vivemos num tempo em que cada vez mais as religiões pregam a liberdade cristã, em vez da responsabilidade cristã! A religião, conforme previsto pelos pais do socialismo, se tornou o ópio do mundo sendo o responsável direto de guerras, mortes e discriminações. Mas o problema não é porque elas existem; o problema é porque elas se afastaram das leis de Deus e dos princípios estabelecidos por Jesus. Se Raymond Franz ao invés de querer estabelecer sua própria verdade, se apegasse aos ensinamentos da Bíblia, se lembraria disso.

Os fãs de Raymond Franz - desculpem a rima - se esquecem que ao falar mal das Testemunhas de Jeová, na verdade ele critica toda a forma de religião existente. Seu maior erro é fazer críticas, mas não apontar soluções convincentes. Se ele quisesse montar uma espécie de Testemunha de Jeová Renovada, poderia até ser justificável. Mas ele queria estabelecer uma visão utópica anti-bíblica, uma visão apóstata do que Jeová estabeleceu. 

Mea Culpa

Numa coisa tenho que admitir que foi benéfica a leitura de "Crise...". Me vi no espelho algumas vezes. Raymond fez uma compilação de coisas que ele ficou ferido por ser constantemente confrontado. Ele fica remoendo erros de ex-companheiros e supostas negligências de irmãos, que todas as Testemunhas de Jeová aprendem desde o primeiro capítulo de Conhecimento: somos todos imperfeitos. Mas Raymond Franz esquece disso e ataca impiedosamente a todos como alguém ferido por ter sido tirado o doce de sua boca. 

Raymond Franz se tornou um dos doze homens mais importantes das Testemunhas de Jeová. Poderia, e teve, o poder de utilizar isso para o bem dos outros. De ser ele mesmo uma influência positiva através de um bom exemplo e ensino. Olha só, ficou a cargo dele a responsabilidade de editar a maior obra literária das Testemunhas de Jeová, o livro Ajuda ao ensino da Bíblia. Ele teve a oportunidade de ser moldado pelo espírito santo de Jeová para produzir o livro que seria o princípio básico de toda Organização. Não quero julgá-lo, mas dá a impressão que assim como Judas Iscariotes, rei Salomão ou o próprio Satanás, ele permitiu que o orgulho e a soberba o dominasse. Deixou de ser um modelo, e acreditou ser um juiz, lugar que Jeová deu somente a seu filho Jesus Cristo.

A atitude negativista dele me fez ver o que eu estava me tornando. "Crise de Consciência" selecionou e interpretou informações de modo a estabelecer uma visão fortemente negativa das Testemunhas de Jeová. Admito que sou crítico, especialmente naquilo que eu considero uma supervalorização do processo de desassociação, mas ao invés de criticar por criticar, eu apenas quero mudanças naquilo que entendo que está errado, e acredite, tenho soluções. Mas continuo confiando nesta Organização e espero que assim como ocorreu com as centenas de princípios que foram realinhados nos últimos anos, um dia as regras humanas estabelecidas para a desassociação sofrerá mudanças. Mas se um dia não sofrer, isso é apenas uma gota no balde de uma imensa fonte de verdades e evidências de que as Testemunhas de Jeová, em relação a qualquer outra religião, são as únicas que realmente acreditam e se esforçam em fazer a vontade de Deus sem almejar benefícios materiais. 


Raymond Franz, você morreu e não foi pro céu!

O nível de ignorância dos fãs de Raymond Franz é tão grande, que eles não se dão ao menos o luxo de pesquisar sobre a religião que tanto seu ídolo criticou.  Entre a maioria das manifestações negativas do meu primeiro texto criticava o título que eu dei.  

Néscios! Não perceberam que utilizei uma analogia irônica a uma das principais crenças das Testemunhas de Jeová; a de que milhões que agora vivem, ou morreram, serão ressuscitados para viverem para sempre aqui na Terra. E que conforme o livro de Revelação apenas 144 mil ungidos irão ser ressuscitados para viverem no céu. Quando afirmo que Raymond Franz morreu e não foi para o céu, quero dizer apenas que ao apostatar, ele perdeu o favor de Jeová e o privilégio de estar entre estes.

Se ele será perdoado e terá o privilégio de estar entre os milhões de ressuscitados para viver na Terra, não cabe a mim julgar, mas unicamente ao nosso Senhor Jesus Cristo, o único, eu disse, o único juiz designado por Jeová!



segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

SALVO DA APOSTASIA

Fuçando alguns sites procurando assuntos bíblicos relacionados às Testemunhas de Jeová, encontrei o Tradução do Novo Mundo Defendida, TNMD que achei muito interessante, para quem quer expandir suas convicções. É uma página que reúne vários artigos de apologistas da adoração verdadeira e feita para rebater críticos das Testemunhas de Jeová. Taí, se quiserem visitar, clica no link e boa leitura.

Mas o que me chamou a atenção foi o comentário de alguém denominado Foxtruth que alegou que em algum momento de sua vida chegou a ser apóstata, mas que depois de algumas pesquisas aprofundadas, retornou à Organização de Jeová. Questionado o porquê e como ele decidiu voltar à Organização, postou o seguinte comentário que acho interessante compartilhar com vocês:


"Sou muito curioso e por isso pesquisei por muitos anos os assuntos ao qual os apostatas tanto defendem para denegrir a organização, por um tempo me afastei por não encontrar algumas respostas ,com relação somente a org. Li o livro do Franz e outros lixos de livros de outros ex irmãos. Resumindo vi e li tanta coisa que você se assustaria se eu pudesse te contar, mais saiba que sua grande maioria digo: grande esmagadoramente mesmo maioria é mentira. Mesmo longe da organizaçã, eu sempre tive a noção de que não existe outro livro sagrado a não ser a biblia. Que o ateismo que busquei por um tempo é um barco furado, as outras religiões são perda de tempo, porque não trazem soluções para nossos problemas reais nem para agora e nem para o futuro. Para você ter idéia do que estou falando até assuntos com alienígenas fui bisbilhotar. Muitos dos que se afastam de jeová e sua organização, só para você ter uma idéia hoje são ateus, macumbeiros (espiritas ) homoxessuais ( sem preconceito), pastores ladrões ( se eu te contar sobre a história de alguns ex tjs que hoje são pastores na cristandade e o que eles fazem ou já fizeram você não iria acreditar.) Estes videos no youtube com alguns ex tjs ( digo videos mais vistos ) ou forúns são só feito por esta laia. ( quando a sociedade desaconselha alguém a não dar atenção para esta raça maldita pode ter certeza que é Jeová com sua vasta visão que fornece o conselho.) 

Sabe o que mais me surpreende em ver vários se tornarem apostatas é observar que sua maioria foi expulso ( excomungando da religião verdadeira ) , e alguns que não foram são jovens sem experiência de vida. ( boa parte jovens que nasceram na org. ) quando fora da org. eu me perguntava, como esses que abandonaram a jeová conseguem agora seguir uma religião que ensina mentiras como inferno, trindade ,que a terra vai ser destruida ,que todos vão para o céu , alma imortal, só para citar algumas crenças que estes ex irmãos agora engolem guela abaixo só para ganhar dinheiro. 

 Muitos ex irmãos também procuram o ateismo como desculpa para praticarem todo tipo de imoralidade, com a idéia que se deus não existe pra que me preocupar, esta vida é tudo o que tenho. você não tem idéia do que alguns falam em forúns .( é como Jesus mesmo diz que a porca voltou a revouver-se no lamaçal , ou o cão a comer o próprio vomito, é horrivel ) enfim para não complicar de mais eu nunca sai da org. mesmo nela quando estudante eu já curiava nestes lixos. 

E depois de muita curiosidade me batizei servi a jeová com muito amor , me afastei e depois retornei. eu tirei uma lição muito importante de tudo isso, que posso afirmar com toda categoria, apostasia é um lixo, perda de tempo.( são mentiras misturadas e embaralhadas com meias verdades e só ,mais nada.) qualquer dúvida pode ser sanada por meio de pesquisas de orações sinceras a Jeová, lembrando sempre que é necessário ter paciência e ser humilde para esperar. Jeová respondera todas as dúvidas. Hoje sirvo a Jeová com muita alegria junto com minha esposa meu filho. Tiro de tudo isso como lição o que disse um superintendente: uma experiência dobrada tanto por ter estado lá como como por estar aqui servindo ao nosso Deus. Mais conhecimento mais entendimento. sinto que posso ajudar mais, ajudar irmãos que começam a dar passos em falsos, irmãos curiosos. resumindo é isso. Espero que tenha respondido sua pergunta com este resumo. um abraço."