segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

AS DORES QUE CADA UM LEVA NO CORAÇÃO

"Mesmo no riso o coração 
talvez sinta dor." 
- Prov. 14:13



O Facebook é um zoológico canto onde você descobre várias facetas do ser humano.  Seja por opiniões diversas, compartilhamentos alheios, debates convulsivos ou até um certo ativisto virtual, o ser humanos sempre mostra o que ele é. Um psicólogo se diverte com a gama de informações para se estabelecer o caráter de uma pessoa, seja intencional ou não. 

Me debati com essa foto hoje! 




Vamos lá! Em princípio, parece uma mensagem interessante. Uma loirinha chorosa, possivelmente de classe média alta, chorando por causa de um amor partido enquanto muitos na África estão passando fome ou sede. Toma vergonha lourinha!!!

Toma vergonha você que pensa assim!!!!

Qual dor maior? A dor de cabeça ou dor de barriga? A dor do parto, da cólica menstrual ou a renal? A dor de uma facada no peito ou na perna? Melhor perder os dentes numa queda ou a dor de perder uma unha arrancada com alicate?

Dor é dor e cada um sabe a dor que leva no coração. 

Dizer que uma dor é maior ou menos importante que outra é de uma insensibilidade egoísta sem tamanho. Cada pessoa é criada de um jeito, absorve a sua cultura de formas diferentes. O que pode ser dolorido pra mim, pode não ser doloroso para outro; o que talvez seja bobagem pra um, pode ser extremamente doloroso para outrem. 

É óbvio, que na tentativa de amenizar a dor de alguém, podemos até citar dores de outras pessoas, fazer algumas pequenas relativações, mas nunca achar que a dor de alguém é menor só porque você não entende. 

Curiosamente a Bíblia não faz distinção de dor. Às vezes ela cita a expressão "dor aguda" para falar de uma dor que dói mais que a outra, mas no fim, tudo é dor. A bíblia fala até de uma dor que aparente não dói, mas acredite, dói pra caramba que é a dor disfarçada de alegria. 

A dor pode ser diferente em cada ser humano. A dor pela perda de um ente querido à morte pode ser tão brutal quanto a dor que alguém sente quando é traído pelo cônjuge que ama. Quem somos nós para julgar o que é mais importante que o outro?

A única certeza que temos é que para Jeová, e seu filho e Juiz designado, Jesus Crito, todas as dores são dores e ferem o nosso Deus. É por isso que quando fala em dores, a palavra de Deus não estabelece qual dor é mais importante que a outra.


"E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.” - Rev. 21:4


E definitivamente esse lance de julgar e atribuir prioridades ou importância aos tipos de dores do ser humano está por fora, e não se aplica ao reflexo do amor de Jeová às pessoas. 



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

UMA ESTACA CHAMADA SERVIÇO DE CAMPO!?





 “Se alguém quer vir após mim, 
repudie-se a si mesmo e apanhe 
a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente"
- Marcos 8:34


Se há um grupo que eu admiro muito são os pioneiros regulares. Taí um grupo de abnegadas irmãs que chova ou faça sol, estão lá pregando e levando o nome de Jeová a todas as pessoas do território. Costumam taxá-las de irmãs fofoqueiras, que gostam de se meter na vida dos irmãos da congregação, mas eu defendo-as sempre. Elas podem!

Digo isso porque para mim uma das maiores dificuldades em servir a Jeová era ir ao Serviço de Campo. Não que falar de nosso Deus fosse ruim, sempre fui bom de lábia, mas era totalmente constrangedor quando trabalhava todos os finais de semana no mesmo território, na mesma rua, nas mesmas casas e batíamos nas portas de pessoas que já estavam cansadas de ver nossa cara. O famoso Território constantemente trabalhado.

Ía ao campo forçado. Forçado por mim mesmo, que via nisso uma luta, um verdadeiro sacrifício de louvor a Jeová. Mas admito; fazia parte do Trem das 10. Ia ao campo, pregava - e tomava porta na cara - normalmente até as 10 horas. Depois deste horário, colava com outro irmão ou uma pioneira e partia pra acompanhar algum estudo bíblico ou fazer revisitas. 




Curiosamente uma das coisas que muitos irmãos evitavam no Serviço de Campo, eu amava: falar com evangélicos. Era muito mais legal do que falar com católicos. Enquanto estes últimos possui uma fé relativa e odiava o fato da Bíblia não ser assim tão essencial na fé deles, com evangélicos era diferente. Pra começar eu tinha o know-how de ter sido evangélico por quase 10 anos. Conhecia os vícios, as desculpas, as estruturas das igrejas - não cometia o erro de tratar todas iguais, e muitos irmãos não sabem como isso é importante para palestrar com um evangélico - então era mais fácil. Debatia com conhecimento. E gostava de debater mesmo, ao ponto de certo ancião me proibir disso. Com os católicos, contudo, era mais do mesmo. Eu fazia revisitas de dois padres missionários. Eles aceitavam minha visita, concordava com tudo que eu dizia, ficava com publicações, contribuiam com elas, mas no fim, não queriam nada com nada. Acho que só mesmo conhecer como eram as Testemunhas de Jeová. Quando percebi isso, transferi a revisita para umas pioneiras, e logo os padres desistiram - acho que eles queriam era outra coisa! (sic)

Em compensação eu amava pregar no interior. Toda vez que a congregação fazia arranjos para se pregar em territórios isolados era uma festa. Normalmente íamos para alguma cidade próxima a rios ou cachoeiras. Pregávamos pela manhã, terminávamos em torno de meio dia a uma hora, almoçávamos e depois íamos para um rio ou a uma praia. Era divertido. Tenho ótimas lembranças dessa época. 

Hoje observo que o Campo não é mais motivador como era antes. Vejo os irmãos pregando na minha rua e todos - exceto algumas irmãs pioneiras - com cara de tédio, como apenas estivessem cumprindo uma rotina cristã. Um sacrifício! 




Sinto falta disso! Sinto falta dos estudos bíblicos. Dos estudantes progredindo - sim, tive 3 estudantes que se batizaram. Junior, Erick e Reginaldo. Salvo Junior que hoje é servo ministerial, os outros seguem aos trancos e barrancos, mas seguem na Organização de Jeová. E sinto orgulho de ter participado nisso.

E você que está desassociado? O que acha do Serviço de Campo?  Se acha que é uma estaca a ser carregada, o que pretende fazer para melhorar isso quando retornar? 

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

É POSSIVEL EVITAR A DESASSOCIAÇÃO?


Sim. Basta não pecar. Mas infelizmente somos todos imperfeitos, pecadores e algumas vezes é difícil se manter íntegro. Quando um pecado grave é cometido, o transgressor precisa ser levado a uma Comissão Judicativa. (Jo 5:14; Rom. 3:23)

Desassociação é bíblico!

Ao contrário do que muitos pensam, a expulsão é bíblica. (1 Cor. 5:5, 11, 13)

"É princípio básico e inerente de toda sociedade religiosa a possibilidade de expulsão de membros que não estejam em acordo com suas regras. É análoga aos poderes de pena capital, de banimento e de exclusão do rol de membros, exercidos por entidades políticas ou municipais." it-2 pp.86-88 

Na congregação de Deus, quando um cristão, ou cristã, comete algum erro, ela deverá fazer uma profunda oração à Jeová expondo seus erros e demonstrando de coração que se arrependeu. E imediatamente deve procurar, também,  um ancião mais achegado de sua congregação para que seja lhe dada a devida ajuda espiritual. (Tia. 5:14)

Alguns erros, podem ser resolvidos com uma simples conversa com os anciãos, contudo, outros mais complexos e delicados talvez precisem ser analisados por uma Comissão Judicativa. Esta comissão, para manter a pureza da congregação, talvez se decida apenas pela Repreensão Judicativa ou pela Desassociação Judicial do cristão. Até meados de 2003, havia a ideia de que o desassociado era uma Testemunha de Jeová que estava sendo disciplinada, mas essa visão fora corrigida, e hoje o desassociado é considerado um membro expulso, ou seja, ele não é mais Testemunha de Jeová. A decisão deve ser dada sete dias depois, após a primeira Reunião de Serviço pelo presidente da Comissão Judicativa ou pelo Coordenador da congregação. 

Aplicada em último caso. 

Houve um grande refinamento do Corpo Governante quanto à Desassociação. Por meio de cursos, estudos bíblicos (como a da última semana, por exemplo) e admoestações por meio de cartas à congregações, os anciãos são admoestados arduamente de que a Desassociação deve ser o último passo. Que eles precisam porque precisam recuperar a todo custo o errante.  


Se o transgressor é culpado de pecado crasso, mas dá evidência
de arrependimento piedoso, mesmo tão tardiamente
quanto na audiência, a repreensão judicativa dada pela comissão
talvez seja o suficiente; a desassociação pode não ser
necessária. (2 Tim. 4:1, 2 ; Tito 1 :9 ; w83 1/4 pp . 31-2) ks. Pag.121.


Infelizmente se faz necessário porque vez por vez Betel recebe relatos de Superintendentes ou por meio do próprio pecador, de excessos cometidos em comissões. Segundo um irmão que serve no Betel de Portugal, cerca de 10 a 20% das desassociações poderiam ter sido evitadas se houvesse uma reconsideração dos fatos. Isso lá, que tem 1/4 das Testemunhas de Jeová que há no Brasil. O problema é que muitos acreditam que ao questionar a decisão de uma Comissão Judicativa estaria indo de encontro ao julgamento de Jeová, o que é uma grande falácia. 

Apelação da Comissão Judicativa

Hoje em dia pode se dizer facilmente que só é desassociado quem quer.  O próprio desejo do cristão de querer continuar servindo a Jeová é um indício de que seu arrependimento pode ser genuíno e ao invés da expulsão, se aplica a  Repreensão Judicativa.

Desde 1980 foi estabelecido a provisão de apelação da decisão da Comissão Judicativa.  Num prazo de até sete dias a contar da data da comissão, o transgressor deverá apelar por escrito. 

Numa carta simples, de próprio punho preferencialmente, o irmão deverá mostrar de forma humilde mas firme, que não concorda com a decisão e expor os motivos. A exposição dos motivos deve ser sincera. Se achou que foi injusta deve descrever os fatos de forma  respeitosa. Não queira atacar nenhum ancião pessoalmente ou por em dúvida a moral da comissão. Isso só irá te prejudicar ou demonstrar que no fundo, você merecia a desassociação por falta de humildade e de respeito aos anciãos congregacionais.

A apelação é obrigatória, ou seja, a Comissão tem que acatar! Uma nova Comissão feita com anciãos de outras congregações é constituída para um novo julgamento. É recomendado que esses anciãos sejam de congregações distantes e que preferencialmente não conheça o transgressor. Se você é uma pessoa popular terá que admitir que a impossibilidade disto. O objetivo é que ela seja o mais imparcial possível.  Os anciãos da primeira Comissão não participam! 

Se o parecer da nova Comissão for similar ao da primeira, a decisão é dada ao irmão e na primeira Reunião de Serviço seguinte é dado o anúncio que a partir desta data Fulano não é mais Testemunha de Jeová. Se, contudo, a nova Comissão achar arrependimento no transgressor, esta deverá fazer um relatório que será encaminhado à Betel junto com o relatório da primeira Comissão. Caberá aos irmãos de Betel dar o parecer final. 

Enquanto estiver em tramite, o transgressor ficará restrito de comentar e orar nas reuniões. O livro dos anciãos diz que isso inclui privilégios especiais de serviço, mas não é claro, se isso inclui participar do serviço de campo. 

A desassociação só ocorre quando é anunciado na congregação. Você pode utilizar o tempo disponível para avisar ou se despedir de amigos íntimos.  


Apelação da apelação?


Se ainda achar que foi injustiçado, infelizmente, não há como apelar da apelação. Mas eu já vi casos onde um irmão foi anunciado como desassociado e duas semanas depois foi corrigida apenas para Repreensão Judicativa. Já vi até ancião perder o cargo e ser novamente reconduzido ao cargo na semana seguinte!

O que posso dizer é que o irmão tem todo direito de buscar a Justiça de Jeová. Os Superintendentes de Circuito normalmente estão visitando uma congregação próxima e ele pode ser procurado a qualquer momento para que lhe seja exposto os fatos. Como autoridade espiritual sobre os anciãos, ele poderá mediar a situação e verificar se houve alguma falha de julgamento.

Mas diante de tantos alertas e admoestações, acredite, os anciãos estarão mais interessados em lhe ver servindo a Jeová alegremente do que levar a culpa em desassociar alguém injustamente, peso este, que será bem pesado sobre suas costas. 


Que Jeová abençoe a todos.