sábado, 30 de agosto de 2014

A VERDADE SOBRE O CASO ASHYA KING



E as Testemunhas de Jeová, mais uma vez, se tornam alvo de noticias por conta de sua posição relativo a tratamento médico. Tem se noticiado em todo mundo a fuga do casal Brett e Naghmenh, que tiraram seu filho Ashya, de 8 anos, do hospital de Southampton, na Inglaterra, com destino à Marbella, na Espanha. Como é de costume logo associaram a fuga à recusa das Testemunhas de Jeová em se submeter à transfusão de sangue e criaram um celeuma para difamar a religião. 



Os jornais ingleses destacam o amor dos pais por Ashya
e que eles estavam sempre presentes no
hospital desde o diagnóstico de câncer. 


A atitude dos pais de Ashya, foi uma atitude desesperada, mas não tem nenhuma relação com religião ou com transfusão de sangue. Ao contrário dos jornais brasileiros que se limitaram a criar pequenas notas sem dar grandes destaques à notícia, a fuga tem muito mais a ver com o desespero dos pais ao saber que seu filho havia sido desenganado pelos médicos britânicos. O jornal britânico Daily Mail deu ampla notícia o qual vale esclarecer vários pontos.


A fuga dos pais de Ashya não tem nenhuma relação com religião 
e nem com transfusão de sangue. São dois pais desesperados em busca de um tratamento médico para seu filho.


Ashya tem um glioma, um tumor maligno no cérebro diagnosticado quando ele tinha apenas 5 anos. Segundo o oncologista Karol Sicora, da Partner Cancer UK, o glioma é um tipo raro de tumor cerebral, cujo tratamento costuma ser agressivo para suas vítimas, que na maioria, levam ao óbito. No caso de crianças, então, o tratamento chega a ser desumano. O que teria acontecido, segundo um amigo do casal, em entrevista ao The Mirror, é que os médicos ingleses diante da situação teriam aconselhado os pais de Ashya a optar pela morte humanizada, quando se suspendem o tratamento médico e apenas se administram soros e sedativos até que o paciente venha a falecer. 


Naveed, irmão mais velho de Ashya.



Diante do desespero, o casal teria tomado a decisão de viajar à Espanha onde, supostamente, haveria tratamento mais adequado para o filho, sem levar em consideração os perigos e os riscos do transporte do garoto. Uma atitude desesperada de pais que queriam apenas salvar seu filho.

Ironicamente, os jornais britânicos, que costumam ser sensacionalistas, desabonaram as Testemunhas de Jeová de qualquer responsabilidade sobre o caso.  Inclusive, na matéria do Daily Mail, há entrevistas dos familiares (também Testemunhas de Jeová) e do representante do Escritório naquela região e a seguinte nota:



"O casal são as Testemunhas de Jeová e a decisão de levar o seu filho sem a aprovação dos médicos levantaram questões sobre se eles estavam tentando evitar uma transfusão de sangue, que sua fé rejeita. Mas um porta-voz do Escritório de Informação Pública das Testemunhas de Jeová disse que não havia "absolutamente nenhuma indicação" sua mudança foi motivada pela religião."

Fonte: Daily Mail.


Portanto, esperemos que os irmãos Brett e Naghmenh não tenham feito isso no desespero e que tenha tido a ajuda de amigos da área da saúde, e que possam estar auxiliando o garoto. Se não, espero que Jeová os ilumine e que voltem à Inglaterra e que entreguem tudo nas mãos daquele que pode trazer conforto e o pequeno Ashya de volta à vida quando finalmente o mundo estiver livre de doenças e da morte. - Rev. 21:4

_______________________________________________

PS:  A polícia da Espanha anunciou neste sábado ter localizado no sul do país um menino britânico de 5 anos com um tumor cerebral, e ter preso seus pais, que o haviam retirado do hospital sem a autorização dos médicos e fugido. Após dois dias de buscas na Grã-Bretanha, França e Espanha, o menino Ashya King, retirado na última quinta-feira de um hospital de Southampton por seus pais, testemunhas de Jeová, foi encontrado, no sul da Espanha. "Localizado em um hotel a 3km de Vélez Málaga e já internado em um hospital o menino Ashya King. Presos seus pais", informou a Polícia Nacional às 23H09, em sua conta no Twitter.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

ESQUECE O SEU BEZERRO DE OURO

Arão fez o Bezerro de Ouro que os israelitas adoraram no ermo. Ainda assim foi perdoado.
Você ainda se apega ao seu bezerro de ouro?


O estudo de A Sentinela deste final de semana é um alento e tanto para pessoas que se sentem fracas ou desanimadas. E um verdadeiro tapa na cara daqueles que amam condenar ou julgar mal os que cometem erros. Eu estarei "ouvindo" o resumo, já que estarei assistindo o congresso, mas adoraria ver esse estudo sendo feito com perguntas e respostas.  

Talvez o ponto principal seja a pergunta que precede o parágrafo sete: Precisamos ajustar o nosso ponto de vista?

O que você faria se encontrasse um irmão dentro duma igreja evangélica cantando louvores ao deus trino ou se ele estivesse numa procissão ou se ajoelhando perante uma imagem? A visão é grotesca, mas se observarem, foi exatamente isso que estava fazendo Arão. Ele fez o bezerro de ouro para que os israelitas adorassem a Jeová!

O que fazemos quando encontramos um irmão enfraquecido espiritualmente? Vou até mais longe, qual nossa posição para com irmãos desassociados que não eram necessariamente nossos amigos? Temos a impressão de que às vezes somos vistos como alguém que merece o maior despojo. 

Sabe uma das coisas que mais eu sinto tristeza ao manter este blog? Quando eu recebo um email de ex-desassociado, que à época se sentiu fortalecido por algum texto ou pelos comentários de outros em sua situação, mas depois que foram readmitidos, me escrevem pedindo para eu apagar qualquer rastro de que ele um dia veio aqui.

Entendo que o fato de ter retornado significa, entre outras, que a pessoa não mantenha mais contato com desassociados. Mas precisa ser assim? Sinto aquela sensação de ingratidão, do tipo, quando precisei, aqui foi legal, mas agora não posso ser visto de forma alguma com vocês. 

Espero, sinceramente, que estes possam um dia repensar seus atos e que possam ser de ajuda aos que precisam de ajuda espiritual. 

Enfim, os que estão desassociados podem achar que são imerecedores das bençãos de Jeová, porém, mais uma vez Ele mostra o quanto é compreensivo e misericordioso e este estudo é uma das formas de demonstrar isso. 

Não importa, caro irmão, qual foi o bezerro de ouro que você construiu. Jeová lhe conhece e as intenções do seu coração. Quando voltar, poderá se beneficiar de saber que assim como Jeová cuidou de você enquanto desassociado, poderá ajudar os fracos, sentir empatia por eles, e tomar medidas práticas de continuar servindo a ele e encontrando meios de ajudar os que precisam voltar à sua Luz.