sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

'ESTOU GRÁVIDA!'

Nossa, quase seis meses sem postar alguma coisa. Assumo que escrever, algo do qual sou fanático, tem sido irrelevado por mim. Em parte devido as mudanças que vem ocorrendo em minha vida, especialmente, nos últimos cinco meses onde decidi levar algumas coisas mais à sério. 

E lá vamos nós, estou na quarta congregação desde que fui desassociado. Entrando, me apresentando, e saindo, sem deixar saudades, afinal, ninguém me conhece mesmo. Tirando a primeira congregação, onde frequentava com minha família, e por isso, o apoio neste sentido nem se compara, essa última tem sido uma congregação fantástica. Recém dividida, são poucos irmãos, incrivelmente cada um preocupados em seguir suas carreiras cristãs, e pra mim, o mais importante, uma congregação onde vejo poucas bobagens ditas da tribuna. 

Bobagens, leia-se, opiniões pessoais, sem nenhuma base bíblica, se aproveitando dos hiatos deixados pelos esboços de tópicos. Sou a favor dos esboços manuscritos para os que gostam de inventar opiniões. Admito que 4 anos afastado, me deixa 4 anos sem informações relevantes dos bastidores. Tenho apenas os esboços de cerca de 50 discursos, e muitos deles,  da época onde o discurso era de 45 minutos. Queria muitos os esboços novos, mas olhando por um lado, isso é bom, me torno menos crítico na ignorância dos fatos. 

Decidi escrever hoje porque o texto diário me chamou à atenção. 

"[Bate Seba] mandou informar Davi e disse 'Estou grávida'" 
- 2 Samuel 11:5

Pensa só. Davi cometeu dois crimes considerados graves segundo a Lei Mosaica. Assassinato, neste caso como mandante, e Adultério. Hoje em dia seus crimes teriam outros agravantes. Mas foi perdoado. 

"O Deus Todo-Poderoso conhece a verdadeira atitude e motivação por trás dos pecados. Em vez de permitir que os adúlteros Davi e Bate-Seba fossem condenados à morte por juízes humanos segundo a Lei mosaica, o próprio Jeová interveio e os julgou, estendendo-lhes misericórdia." - W12 15/11


Não existe perdão na Lei dada à Israel. Deveriam ser mortos apedrejados, e os juízes não estariam sendo injustos (sic), afinal, é a Lei.

Pena que hoje em dia muitos não tem a mesma sorte de se livrar dos juízes humanos e ser julgado diretamente por Jeová. Vejo muitas histórias que me são relatadas por emails, e mesmo que parte delas seja tendenciosa ao vitimismo, no fundo, todas tem uma coisa em comum. Eram de pessoas que cometeram erros por serem imperfeitos, mas não queriam deixar de ser Testemunhas de Jeová.

Sei que muita coisa mudou hoje em dia. O Escravo tem dado muitas e muitas orientações sobre o cuidado que se deve ter ao dirigir uma Comissão Judicativa, mas uma coisa é trabalhar a mente de jovens anciãos da cidade grande que estão mais propensos a serem mais liberalistas; chato é mudar a cabeça de anciãos que insistem no conservadorismo. Infelizmente as piores histórias vem do interior desse nosso Brasilsão.

Davi teve outra sorte, pois Jeová nem levou em conta o crime da presunção. Todos que são desassociados não entendem, especialmente os que cometem fornicação, o por quê de tantas perguntas inquisidoras. Certa irmã me relatou que teve a impressão de que os anciãos estavam se deliciando em saber quais eram as posições ou os lugares em que havia feito sexo. A história que eu ouvi de um ancião é que a depender de como as coisas aconteceram, poderia se analisar se foi um pecado presumido ou se foi um caso de "a carne é fraca". Irmãos!!! Vocês precisam transar. É sério!!! E por isso mesmo, casos de fornicação deveria ser tratado apenas por anciãos casados. Sexo é sexo. Ou fez ou não fez. 

Sinceramente não acho que se a pessoa fez no motel ou na cozinha de sua casa faça alguma diferença. Se o papai-e-mamãe torna o sexo menos leviano do que a garota que se deixou levar por algumas posições do kama sutra. Não vou entrar nem na questão do machismo. Julgar esse tipo de coisa é muito complicado. Esse foi um dos motivos que me levou a recusar a designação para ser ancião certa vez. Muitos estão preocupados com o status, eu estava preocupado com o sangue que eu poderia levar em minhas mãos.  

Enfim, espero que muitos dos que foram desassociados nestas circunstâncias consigam se recuperar do choque da humilhação e situações constrangedoras a que são colocados, e entreguem sua alma à Jeová. Quando falo de humilhação não estou me referindo ao fato de ser ignorado pelos irmãos ou estar no Salão no canto onde as pessoas fingem que você não está ali. Isso é fichinha. Me falo a humilhação de ter que passar por uma comissão judicativa onde alguns anciãos esquecem que estão ali para ajudar, julgar, mas com amor, e sim, tentar recuperar o errante, e não com a atitude de querê-lo jogá-lo aos leões o mais rápido possível. Esquecem que se a "trombeta der um toque incerto", o sangue daquela pessoa estará em suas mãos. - 1 Cor.14:8 

O estudo "O que o perdão de Jeová significa pra você" deveria ser livro de cabeceira para todo ancião, especialmente, os que lidam como membros de uma Comissão Judicativa.