terça-feira, 3 de novembro de 2015

FESTA NOS CÉUS!

"haverá mais alegria no céu 
por causa de um pecador que se arrepende
do que por causa de 99 justos 
que não precisam de arrependimento."
- Lucas 15:7




 
"É com grande alegria que gostaria de informar todos aqui ... Fui readmitida! 

Com todo sofrimento e tristeza quase um ano afastada fez eu perceber que minha vida nao seria feliz sem jeova. Ao logo desses meses fez eu tomar coragem e seguir em frente com essa disciplina que é pro nosso bem por que, Jeová ama aqueles que disciplina e não deseja ninguém ficar na pior e isso me fortaleceu ainda mais. 

Quero deixar aqui pra todos ler a bíblia, principalmente hebreus 12,  todo o capitulo,  e não esquece que Jeova ta vendo os esforços de cada um. 

E também não sinta pena de vocês pelo erro. Sigam em frente com seus objetivos de servir a Jeová de coração e com o tempo vocês estarão de na organização novo. NAO DESISTAM! 

 Obrigado Andre e desejo muito que volte para a organização. 

 Super beijo 

 Lizy/RS."


Lizy, fico feliz de verdade. Que você possa continuar se fortalecendo cada dia mais e que não saia mais dos braços de nosso Deus Jeová. Que sua luta seja incentivo para todos que ainda estão aqui fora, como eu, é verdade, mas que possamos identificar que a única e aceitável vida é servir ao nosso Deus, Jeová.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

NOSSA VIDA E MINISTÉRIO CRISTÃO




Ser conservador ou não ser, eis a questão. Normalmente sou um pouco resistente a mudanças, mas às vezes mudar é bom. Joga a rotina para o escanteio e fomenta a motivação.

Por exemplo, quando anunciaram o fim do Estudo de Livro de Congregação, já estava mais que na hora: a reunião não atraía muita gente, era tediosa e por ser nas casas dos irmãos, às vezes trazia situações constrangedoras que não dignificavam. Por fim, após a queda drástica da assistência aliada a alguns relatos negativos feito por superintendentes, ela foi descontinuada.

A diminuição do tempo do discurso público de 45 para 30 minutos e a sintetização do estudo de A Sentinela também foram mudanças que vieram com bons olhos.

Mas a mudança radical que extinguiu a Escola do Ministério Teocrático e a Reunião de Serviço, confesso, me pegou de surpresa e ainda estou diluindo seus efeitos.

Desde que os anciãos receberam em meados de setembro uma carta a informando que seria lida uma informação importante no dia 04 de outubro, criou-se uma rede de boatos enorme. Particularmente, não gosto desse tipo de tática usada pelo Corpo Governante pois cria-se uma expectativa para algo alarmante e geralmente é recheado de suposições apocalípticas. Faz com que fracos na fé (ou fortes, sabe-se lá) comecem a acreditar no fim do mundo.   Parece que 1975 não serviu de lição, enfim, comentarei sobre isso mais adiante.


NOSSA VIDA E MINISTÉRIO CRISTÃOS


Entre várias mudanças anunciadas, a que mais chamou a atenção foi a substituição delas pela nova Vida e Ministério. Com a mudança radical chega-se o fim da era de ouro das reuniões cristãs e nasce uma nova era. 

Essas mudanças refletem o progresso da Organização e o desejo de facilitar o acesso das pessoas à verdade. Significa também que assim como ocorreu com o evento que ocasionou o fim do estudo de livro de congregação, os irmãos perceberam que as reuniões estavam corriqueiras e resolveram dar uma renovada para animar e motivar mais os irmãos.

As mudanças são boas mas o fato é que muitos tradicionais e conservadores terão um pouco de desilusão com essa mudança. Vamos ter saudades de quando éramos jovens fazíamos o discurso 2, um discurso de verdade, como inicio e fim, transformada tempos depois numa mera leitura da bíblia. Isso já tinha me deixado muito decepcionado. Que dizer do "discurso 4" então? Muitos não sabem, mas deixar de fazer o discurso 2 para ir ao 4 era como se você tivesse passado no vestibular, subido de cargo ou passado de fase! 

Mas como eu disse tudo tem que progredir, evoluir para melhor. Talvez o modelo estava batido e por isso precisava de uma remexo como esse. Ainda estou lendo, vendo como vai funcionar o novo modelo. De uma coisa é certa, teremos menos discursos prontos e mais discursos espontâneos. 

As Testemunhas de Jeová entraram num processo de mudança organizacional sem precedentes. Há uns dez anos brinquei que faltava pouco para assistir nossas reuniões de modo virtual. Claro que isso foi uma ironia, mas é inegável que hoje a organização focou na internet de uma forma impensável há uns vinte anos atrás. Todas as informações disponíveis no site JW.ORG, basta ir lá e baixar. Chega a ser engraçado ver tantos smarthphones e tablets ligados durante a reunião. 


O FIM ESTÁ PRÓXIMO?

Sim, está. Mas as mudanças nas reuniões não tem nada a ver com isso. Não significam isso que o fim dos sistema de coisas está mais próximo ou mais distante. Significa apenas que a Organização de Jeová está cortando gastos e sintetizando informações. Deixando a verdade mais clara e concisa.

Há vinte anos para se batizar você precisava estudar todo o livro Viver para sempre e depois concluir o Adoração cujo processo durava cerca de um ano. Hoje não precisa de tudo isso.

Como disse lá em cima, as mudanças poderiam ser ditas de forma clara à congregação, não precisava fazer todo esse suspense, que só faz fomentar a mente de apocalípticos que aproveitam a situação para aterrorizar os cristãos com ideais de fim de mundo, quando na verdade, deveria ser o inverso: fomentar o amor e a motivação para continuar adorando esse Deus maravilhoso.

Foi assim em 1975 quando o Corpo Governante anunciou que chegava os 6 mil anos da humanidade e muitos alardearam que estava vindo o Armagedom. Hoje em dia qualquer coisa que se faça, minha irmã me manda mensagens chorosas dizendo que o fim está próximo. Se se lança uma brochura, é o armagedom, se o Corpo Governante anuncia que vai parar algumas construções - possivelmente por causa da crise que atinge a Europa - é o armagedom; muda o estilo da reunião, é o armagedom. Curioso que é justamente esses apologéticos que criticam os evangélicos com suas profetadas apocalípticas.

Vou finalizar com o comentário perfeito feito por Felipe Assis:

"Jeová não apressará ou retardará a Grande Tribulação e o Armagedon por causa das ações de seus servos (mesmo que seja o Corpo Governante). A data já está estabelecida e não mudará. As ações do Corpo Governante não devem ser interpretadas como um sinal do fim, visto que Jeová em hipótese alguma revelará de algum modo especial informações privilegiadas aos membros do Corpo Governante. Devemos ter sempre em mente que a cada dia que passa vivemos mais perto do que será o ÚLTIMO DIA dos ÚLTIMOS DIAS.

Sendo assim, não vamos nos preocupar excessivamente com a DATA do fim, ou com SINAIS que indicam ou alardeiam a proximidade. Os sinais já estão descritos na Bíblia e estão se cumprindo.

Antes, mantenhamos o senso de urgência e a preocupação em nos manter aprovados para quando este dia chegar."



Que Jeová tenha misericórdia de todos nós.

Jah bless you!



terça-feira, 29 de setembro de 2015

A LUA DE SANGUE E A BÍBLIA



"O sol será transformado 
em escuridão e a lua em sangue, 
 antes de vir o grande 
e glorioso dia de Jeová." 
- Atos 2:20




Ontem a criação de Jeová, o universo e seus planetas, nos deu uma de seus mais fantásticos espetáculos. Se não bastasse a Superlua - quando a lua se aproxima cerca de 10% a mais da terra e refletindo integralmente a luz solar dá uma impressão de maior e mais cheia - tivemos também a Lua de Sangue - quando a terra encobre a luz do sol deixando pouquíssima iluminação dando-lhe uma cor avermelhada. 

Não precisa dizer que eventos como esses aumenta a imaginação de muita gente mística e também de muitos evangélicos, especialmente pastores oportunistas buscando holofotes ou apenas dinheiro com vendas de livros, criando teorias burlescas usando a bíblia como fonte.

Ano passado, um pastor americano lançou um livro chamado Quatro Luas de Sangue: alguma coisa esta mudando chamando a atenção para o que os cientistas chamam de Tétrade Lunar, quando há quatro eclipses totais em sequência num prazo de até seis meses. A primeira ocorreu em 24 de abril de 2014; a segunda no dia 08 de outubro de 2014; a terceira no dia 04 de abril de 2015 e a terceira, como todo mundo sabe, ontem, que só foi relevante porque foi combinada com o fenômeno da Superlua.

Bastou o livro ser lançado para muitos blogs evangélicos repercutir que estamos diante dos últimos dias e o fim do mundo!

Sabemos que estamos vivendo nos últimos dias e o próprio Jesus e seus apóstolos nos deu sinais de que reconheceríamos esse período, mas nada tem a ver com o evento da Lua de Sangue. - Mat. 24:7-14; 2 Tim. 3:1-5.

A Lua de Sangue é um fenômeno natural.

Como todo fenômeno natural a lua de sangue sempre ocorreu, e nos séculos primitivos, quando os homens não sabiam como explicar cientificamente, criaram-se vários mitos sobre ela. Contudo esse fenômeno embora raro, como a tétrade, já ocorreu muitas vezes e continuarão a ocorrer no futuro pois faz parte de um calendário lunar estabelecido, da mesma forma que haverão eclipses do sol, a visita de cometas como o Halley que passa a cada 76 anos perto da Terra, e assim por diante, e não significam nada. 

Além disso, vale frisar, que as profecias indicam que quando ocorrem, todo o povo de Deus na Terra, assim como seus inimigos, vejam em conformidade. Na grande maioria das vezes em que os eclipses só podem ser vistos em partes da Terra, no máximo, em um hemisfério.

Judaísmo

O pastor cita no livro que essa seria a última Tétrade e que as duas últimas cairiam exatamente na festividade de Sukkot (uma versão atual do Pentecoste que nada lembra do evento instituído por Jeová no passado)  e do Pessach (a páscoa judaica, também modificada durantes os séculos) significando que depois disso viria o fim. 

Pois bem. É engraçado que mesmo depois de Jesus Cristo ter vindo à Terra, ser rejeitado pelos judeus, haver indicação de que Israel como nação não era mais o povo de Deus e que fora substituído por um Israel espiritual, os profetóides evangélicos continuam associar a república de Israel com profecias bíblicas. - Mat. 21:43; Gal. 6:15,16.

Além disso aprendemos também que nosso senhor Jesus Cristo ao morrer por nós como sacrifício permanente em 14 de nisã, substituiu a páscoa judaica tornando-a nula, ou seja, a páscoa que é comemorada ate hoje pelo judaísmo é sem sentido para Jeová, pois Cristo é nosso sacrifício propiciatório. - 1 Cor.5:7; Heb. 10:1; 1 João 2:2

Assim, já que Israel como nação não representa mais nada para Jeová, e levando em consideração que a páscoa judaica também não tem mais nenhum significado espiritual, porque um evento importante da parte de Deus se realizaria justamente nestas datas? - Romanos 10:12, 13


Escuridão do sol

É bastante comum nas profetadas feitas pelos evangélicos se apegar apenas a um ponto e esquecer o contexto. Ora, o profeta Joel menciona que o evento seria dúbio, ou seja, além da lua de sangue haveria também o escurecimento do sol. Em nenhuma das eclipses da Lua foram seguidos por eclipses do sol em sequencia.

Aliás, hoje, o conhecimento, óbvio, comprova que para haver a eclipse da lua é necessário que o sol esteja firme e brilhante, iluminando o outro lado do planeta. Além disso a Tétrade ocorre apenas com a Lua; não há relatos de eclipses sequenciais do sol.   

E por fim, chegamos ao argumento mais óbvio, nem Joel, como Pedro séculos depois, menciona que o fenômeno ocorreria quatro vezes seguidas. Tudo isso partiu da mente inventiva do pastor e de seus seguidores. 


Cumprimento de profecias

A Bíblia usa a expressão lua de sangue sempre associada a escuridão do sol várias vezes em contextos diferentes. Encontramos ela também mencionada pelos evangelistas Mateus 24:29 e Marcos 13:24, como pelo apóstolo João ao mencionar sobre a abertura do sexto selo em Apocalipse 6:12 de modo que entendemos plenamente que seu cumprimento é simbólico. 

Ceus e Terra muitas vezes são utilizados para fazer referencia a sociedade celestial e terrestres respectivamente (2 Ped. 3:13). É interessante notar que Jesus Cristo é citado como sendo a estrela da manha ou o sol da justiça (Mal 4:2)

Observe que Pedro menciona a profecia de Joel às pessoas que estavam assombradas com o evento que ocorreu em Pentecostes quando ungiu cristãos os tornando portadores de luz. Desta forma a referencia a escuridão do sol e a lua de sangue pode referir a uma espécie de declínio da luz satânica em antagonismo a luz celestial. 

Isso coincide com o objetivo das profecias de Joel destinadas ao povo de Israel que havia se afastado da luz de Jeová por seguir o apóstata rei Uzias. Não se tem relatos de ter havido alguma espécie de eclipse lunar ou solar àquela época, mas apenas a vingança de Jeová com a destruição e morte dos israelitas infiéis.

Conclusão  

Como disse lá em cima, sabemos que estamos nos últimos dias e que o Dia de Jeová pode chegar a qualquer momento. Contudo estabelecer eventos literais para alarmar o povo utilizando elementos bíblicos é uma mentira e uma forma de desviar a atenção do Reino de Deus e seus propósitos. Isso só faz amendrontar o povo e criar expectativas frustradas, pois sobre o dia de Jeová, a Bíblia fala que nem Jesus Cristo, o filho de Deus sabe a hora que irá acontecer. Cabe a nós nos apegarmos a Ele e continuar em oração e fé se preparando para esse dia e pedir muita misericórdia, para que caso esse dia chegue e ainda estivermos desassociados, que tenhamos um pouco de esperança. - Ecl. 9:12; 1 Sam. 16:7

"A respeito daquele dia e daquela hora ninguém sabe, 
nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas somente o Pai" 
(Mateus 24:36)


terça-feira, 4 de agosto de 2015

VOLTE PARA JEOVÁ



O maior presente para os desassociados neste maravilhoso CONGRESSO IMITE A JESUS foi o lançamento da brochura "Volte para Jeová".  Um precioso modo de dizer a todos que se afastaram de Jeová que nosso Deus ainda considera você importante.

Segue abaixo a Carta do Corpo Governante impressa na página 2:


"Querido irmão:

Como você sabe, a Bíblia é basicamente um livro sobre pessoas. Muitas foram pessoas fiéis que enfrentaram desafios parecidos com os nossos. Elas tinham “sentimentos iguais aos nossos”. (Tiago 5:17) Algumas ficaram sobrecarregadas com problemas e ansiedades. Outras foram profundamente magoadas por pessoas de sua família ou por irmãos cristãos. E ainda outras foram atormentadas por sentimentos de culpa por causa de erros que cometeram.

Por causa disso, algumas pessoas se afastaram de Jeová. Mas será que elas o abandonaram completamente? Não. Muitas estavam na mesma situação do salmista, que orou: “Afastei-me como uma ovelha perdida. Vem procurar o teu servo, pois não me esqueci dos teus mandamentos.” (Salmo 119:176) Esse também é o seu caso?

Uma irmã relembra a época em que servia a Jeová ao olhar as fotos de um álbum
Jeová nunca se esquece de seus servos que se afastam do rebanho. Pelo contrário, ele procura se aproximar deles, muitas vezes por meio de seus companheiros cristãos. Veja, por exemplo, como Jeová ajudou seu servo Jó, que enfrentou muitas calamidades, incluindo crise financeira, morte de pessoas amadas e um grave problema de saúde. Jó também teve de aguentar palavras duras ditas por pessoas que deveriam ajudá-lo. Mas ele nunca virou as costas para Jeová, mesmo tendo se desviado do ponto de vista correto por um tempo. (Jó 1:22; 2:10) Como Jeová ajudou Jó a pensar da maneira correta?

Uma das maneiras de Jeová ajudar Jó foi por meio de um companheiro de adoração chamado Eliú. Depois de ouvir Jó falar sobre suas preocupações, Eliú se sentiu motivado a dizer algo. O que ele diria? Será que ele criticaria Jó ou tentaria usar o sentimento de culpa ou de vergonha para motivá-lo a reagir? Ele se sentia superior a Jó? Longe disso! Movido pelo espírito de Deus, Eliú disse: “Perante o verdadeiro Deus, sou exatamente como você; eu também fui formado do barro.” Daí ele garantiu a Jó: “Você não deve ficar apavorado, com medo de mim, e nenhuma pressão da minha parte deve esmagá-lo.” (Jó 33:6, 7) Em vez de aumentar o sofrimento de Jó, Eliú amorosamente ofereceu o conselho e encorajamento que ele precisava.

Foi com esse sentimento que preparamos esta brochura. Primeiro, ouvimos e consideramos cuidadosamente as circunstâncias e as expressões de várias pessoas que se afastaram. (Provérbios 18:13) Depois, recorremos às Escrituras e, com oração, examinamos os relatos de como Jeová ajudou seus servos do passado que enfrentaram situações parecidas. Por fim, juntamos esses relatos bíblicos a experiências da atualidade para produzir esta brochura. De coração, convidamos você a considerá-la. Tenha certeza de que o amamos muito.

Corpo Governante das Testemunhas de Jeová"


Se não teve oportunidade de receber um exemplar, poderá ler a brochura e se beneficiar dela no site JW.ORG

_________________________

PS: Finalizando a leitura da brochura na página 15 sob o título "Perguntas sobre voltar à Jeová" mostra que ela foi produzida especialmente para os inativos. Ainda assim, toda ela pode ser usada pelos desassociados para ter igual proveito.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO





As Testemunhas de Jeová, são conhecidas, entre outras coisas, por não festejarem aniversários natalícios. Talvez esse seja um dos maiores desafios dos pais cristãos ao explicar a uma criança porque não se comemora o aniversário dela. Quando um dos pais não é cristão aí complica de vez. 

Aniversário de uma forma geral é o nome que se dá a repetição de um determinado período. Normalmente é mais comumente usada para lembrar um período anual, por isso, no latim o termo usado para aniversário era anno conversus. Em todas as culturas, inclusive as mais antigas, se tem o costume de comemorar o aniversário natalício, justamente por isso é difícil determinar uma origem específica, mas é regular acreditar que ela teve inspiração em rituais espíritas e religiosas.

Os gregos, por exemplo, acreditavam que as saudações de aniversários tinham poder para o bem ou para o mal, porque a pessoa tinha supostamente estava perto do mundo espiritual. Talvez por isso, os judeus consideravam as celebrações de aniversários natalícios como parte da adoração idólatra, e isto provavelmente por causa dos ritos idólatras com que eram celebrados em honra dos que eram considerados como deuses padroeiros do dia em que a pessoa nasceu. (veja mais na matéria Origem do Aniversário, do site Brasil Escola)

É notável, e já conhecido, que a Bíblia menciona claramente dois aniversários de forma negativa, e nunca festejados por servos de Deus: "a do Faraó do Egito (século 18 AEC), e à de Herodes Ântipas (1.° século EC). Estes dois relatos são similares, no sentido de que ambas as ocasiões foram marcadas por grande festança e concessão de favores; ambas são lembradas por execuções, o enforcamento do padeiro-mor de Faraó, no primeiro caso, e a decapitação de João, o Batizador, no último." (Estudo Perspicaz).

O livro de Oséias 7:5 cita uma festividade feita "no dia do nosso rei", mas isso não é relevante porque o rei em questão era apóstata e o relato diz que o fim foi trágico porque "ficaram furiosos por causa do vinho".

Não existe relatos no Novo Testamento de que os cristãos primitivos comemoravam o dia do aniversário, inclusive, do próprio Jesus Cristo. É interessante notar que Orígenes, famoso escritor do terceiro século insiste em que "dentre todas as pessoas santas nas Escrituras, não se registra nenhuma delas como tendo guardado uma festa ou realizado um grande banquete em seu aniversário natalício. São apenas os pecadores (como Faraó e Herodes) que fazem grandes festejos quanto ao dia em que nasceram neste mundo cá embaixo."

Com o passar do tempo, especialmente quando o Imperador Constantino fundiu a igreja e o Estado no 3º século, fundando a Igreja Católica Romana como conhecemos hoje, muitos rituais pagãos foram absorvidos e adaptados ao cristianismo e a comemoração do aniversário natalício foi um deles, extraído especialmente da adoração do deus Juno, o deus dos inícios. Mas essa prerrogativa não foi só dos católicos; já no século anterior os judeus também adaptaram esse ritual oficializando o aniversário no Talmude, um livro que reúne um grupo de leis orais das tradições judaicas. Com as duas maiores religiões do mundo ocidental aderindo, não foi difícil que o ritual se tornasse popular, hoje, praticamente em todo o mundo.

Justamente por isso, por ser um ritual pagão com origem religiosa é que hoje as Testemunhas de Jeová não comemoram o aniversário de nascimento de uma pessoa.

Particularmente, hoje em dia, estando desassociado, esse talvez seja um dos maiores motivos de saia justa com as pessoas do mundo. Especialmente no mercado de trabalho, é necessário manter uma rede de amigos para que não seja marginalizado. E levando em consideração a importância que as pessoas dão hoje ao aniversário - muito mais associado ao massageamento do ego do que a um ritual religioso - para evitar situações constrangedoras passei a dar felicitações de aniversário. É muito mais fácil chegar e dizer "Felicidades para o seu dia" do que ter uma pessoa com raiva de você ou magoada, por não ter lembrado o dia que ela nasceu. O aniversário nos dias de hoje é muito mais um ritual social do que um ritual religioso. 

Vou citar um exemplo. Existem vários outros "rituais" que tiveram origem religiosa e nem por isso deixaram de ser cumpridas pelas Testemunhas de Jeová, porque hoje se tornaram um ritual social. A aliança de casamento é uma delas. Ela teve origem na religião Hindu, onde acreditavam que ao colocar a aliança no quarto dedo da mão esquerda, onde passava veia vena moris ligada diretamente ao coração, os deus abençoariam a união do casal.  Não existem registros na Bíblia que o casamento era simbolizado por colocar um anel no quarto dedo esquerdo. Mas hoje em dia é um símbolo oficial, em todos os países, do casamento e as Testemunhas de Jeová usam regularmente, sem achar que estão incentivando as pessoas a adorarem os deuses hindus. 


As alianças de casamento surgiram na religião hindu e nem por isso são consideradas como ilícitas.



Eu não comemoro meu aniversário, não costumo ir em festas de aniversário, não canto parabéns, não sopro velinha e inclusive em todos os lugares onde trabalho, deixo isso bem claro, embora nem sempre seja respeitado. Eu só acho que não existe nada demais desejar o bem a alguém no dia que ela espera isso.

E NÃO ESTOU DIZENDO QUE É CORRETO E NEM INCENTIVANDO A ALGUÉM FAZER O MESMO. Quando me questionam isso fico realmente constrangido, mas por outro lado, me lembro de uma frase bem capciosa dita por Jesus Cristo que falou sobre aqueles que "coam mosquitos e engole camelos" (Mat. 23:24) O fato de estar desassociado já é um peso tão grande que não acredito que desejar felicidades a alguém seja assim algo a me preocupar por agora. 

Que Jeová nos abençoe e tenha misericórdia de todos nós. 



terça-feira, 23 de junho de 2015

CONFIE SEMPRE EM JEOVÁ!




Este final de semana o estudo da revista A Sentinela abordará, entre outras, a condição dos desassociados no artigo "Confie sempre em Jeová". O estudo aponta para outro artigo, "Por que a desassociação é uma provisão amorosa" nas páginas 29-31.

Convido a todos os atuais desassociados, que estão afastados, a assistir essa reunião e a esse estudo. Os irmãos, e principalmente, os anciãos estarão mais sensibilizados quanto ao problema e tenho certeza que é uma ótima oportunidade para vocês ganharem força para voltarem a assistir as reuniões. 

Se conhece alguém desassociado, convide ele para ir à sua reunião. Você não irá perder seu lugar no paraíso por fazer essa boa ação. A misericórdia de nosso Deus é grandiosa. 


Inclusive poderá ler a matéria completa no site JW.ORG


quarta-feira, 10 de junho de 2015

A BÍBLIA GAY


"Não tenha relações sexuais com um homem, 
assim como se costuma ter com uma mulher,
É um ato detestável" - Lev. 18:22




Segundo a Revista Veja, esse ano deve chegar ao Brasil a edição da primeira bíblia gay. Mas calma que ainda não é o fim do mundo. Não por isso. 

Trata-se de uma tradução da versão americana chamada de "Bíblia Rainha Jaime" numa alusão provocativa a versão Rei Jaime, muito comum nas igrejas protestantes nos Estados Unidos (uma espécie de versão Almeida da língua inglesa) e está sendo produzida pelo 'pastor' Marvel Souza, que é gay e lidera a igreja “Cidade de Refúgio” aqui em Brasilia, chamada de igreja inclusiva, por defender a prática homossexual. A igreja tem como principal precursora a missionária Lanna Holder, famosa por pregar em várias igrejas do Brasil sobre sua libertação do lesbianismo, mas que acabou se apaixonando por uma cantora gospel de sua igreja, a fez se divorciar do marido e “casando-se” com ela em seguida. 

Segundo o grupo responsável pela sua edição, "a Bíblia Rainha James resolve quaisquer interpretações homofóbicas da Bíblia" alterando termos e textos circunstanciais das escrituras com o objetivo de mostrar que a palavra de Deus não condena o homossexualismo. "Não há Bíblia perfeita. Esta também não é. Nós queríamos fazer um livro cheio da palavra de Deus, que ninguém poderia usar para condenar incorretamente os filhos de Deus que nasceram LGBT, e conseguimos”, teria declarado o pastor à revista. 

A ideia é absurda, claro, mas pode ser objeto de estudo pessoal se você é do tipo de pessoa, que como eu, que gosta de ver – ou ler – pra crê. 

Eu tive a oportunidade de verificar algumas das justificativas, e por exemplo, uma das criticas é sobre o texto de Levítico 18:22. Eles dizem que ela é contextual ao versículo anterior, que menciona sobre a prática de oferecer sacrifícios no templo de Moloque, ou seja, Deus não estava estabelecendo que era ilícito o homossexualismo, desde que não fosse no templo de Moloque. Por isso a bíblia gay traduz o texto da seguinte forma: 

"Não te deitarás com outro homem como se fosse mulher no templo de Moloch

O pastor da Igreja Cidade de Refúgio diz que os textos não pode ser lidos separados, isoladamente, mas que devem ser olhado à luz do contexto. E neste caso concordo com ele. Vamos ver o contexto?

Levítico 18 começa com as seguintes palavras: “Diga aos israelitas: ‘Eu sou Jeová, seu Deus. Não se comportem como o povo da terra do Egito, onde vocês moravam, e não façam o que as pessoas fazem na terra de Canaã, a terra para a qual os estou levando. Não andem nos decretos deles.” Pra começar Jeová alertava aos israelitas quanto a não se deixar levar pelo modo de vida dos egípcios e dos cananeus, que eram dois povos com culturas e práticas totalmente diferentes, mas detestáveis. Em seguida, Jeová relaciona as práticas sexuais condenadas por ele, sem citar especificamente nenhum dos dois povos, ou seus deuses. Do versículo 6 ao 20 os israelitas são alertados contra o incesto em todas as suas formas, contra manter relação sexual com uma mulher menstruada e contra o adultério. No versículo 21, por fim, Jeová proíbe – especificamente, vale frisar – que não se ofereçam os filhos como sacrifício no templo de Moloque, em seguida, nos versículos 22 e 23, Jeová fala do homossexualismo e da zoofilia.

Se você ler todo o capítulo 18 vai observar que todas se referem a exortações contínuas, ou seja, não se abre um parêntese, pra vincular o homossexualismo apenas a uma das práticas do templo de Moloque. Jeová estabelece práticas que consideram detestáveis e as listam: o incesto, o adultério, o sacrifício de crianças a Moloque, o homossexualismo e a zoofilia. 

Continuando a ler o contexto isso fica mais claro nos versículos subsequentes. “Mas vocês, quer o israelita, quer o estrangeiro que mora entre vocês, guardem os meus decretos e as minhas decisões judiciais, e não façam nenhuma dessas coisas detestáveis. Pois todas essas coisas detestáveis foram feitas pelos homens que viveram nessa TERRA antes de vocês, de modo que a TERRA agora é impura”. Observem que Jeová se refere a toda terra impura dos cananeus, não apenas ao templo de Moloque, o que é razoável, já que Moloque era um Deus adorado apenas pelos Amonitas, uma das várias etnias dos povos da região de Canaã.

Além disso, se formos na via de regra do argumento da bíblia gay, significa então que o sexo com animais também era permitido por Deus, desde que não fosse no tempo de Moloque?

A comunidade gay que costuma atacar símbolos cristãos
agora quer uma Bíblia só pra eles. 

A tal bíblia gay só tem como objetivo ridicularizar símbolos cristãos numa clara tentativa de confrontar os evangélicos que tem sido bastante radicais no discurso contra o homossexualismo. Se a moda pegar teremos em breve a “bíblia dos adúlteros” dizendo que não é bem assim que Deus proíbe o sexo fora do casamento, ou a “bíblia sexual” que diz que não é bem assim que Deus proíbe a fornicação. E todas elas deturpando textos convenientemente às suas vontades.

Enfim é isso. Existem outros argumentos utilizados por eles para justificar ou questionar outras passagens das Escrituras que citam a relação homossexual. Eu achei interessante pesquisar e pode ser uma ótima sugestão de estudo pessoal da Bíblia pra vocês. Pesquisar e saber confrontar as críticas com argumentos convincentes é algo que toda Testemunha de Jeová deve saber fazer!

segunda-feira, 1 de junho de 2015

DEUS MULHER OU DEUS HOMEM?




Um grupo de mulheres anglicanas da Capela de Trinity College, em Oxford, Inglaterra, estão sendo lideradas pela Emma Percy a incentivar uma campanha para que Deus, Jeová, seja referido como "Ela" ao invés de "Ele". Segundo essa pastora Deus ser chamado de Ele o faz ser comparado aos homens e por isso seria um caso de sexismo. 

A informação foi noticiada pelo jornal Sunday Times, que em entrevista afirmou: "Quando usamos apenas o masculino para Deus reforçamos a ideia de que Deus é como um homem. Assim, sugerimos que Deus é mais semelhante aos homens do que às mulheres".

Particularmente acho uma grande falta do que fazer.  Para quebrar o argumento dela, me pergunto, chamar Deus de "Ela" também não seria uma forma de sexismo?

Deus homem ou Deus mulher?

Antes de tudo temos que entender que apenas a Bíblia, a palavra de Deus, contém as informações necessárias para entender quem Jeová é. (João 17:3; 1 Timóteo 3:16,17) 

Examinando a Bíblia Sagrada dois fatos ficam bem claros:

1. Deus é espírito e como tal não possui nenhuma atribuição física que se assemelhe ao ser humano. (João 4:24; 1 Timóteo 1:17)

2. Ninguém, absolutamente nenhum humano, viu a Deus e portanto pode lhe atribuir um gênero (1 João 4:12)


Deus é espírito, contudo, muitas e muitas vezes a Bíblia lhe atribui características humanas de forma figurativa. Isso é chamado de Antropoformismo, ou seja, uma forma que Jeová Deus usa para comunicar certas verdades sobre Sua natureza à humanidade, seres humanos. Já que o homem é um ser físico limitado na sua capacidade de compreender as coisas que vão além do reino físico, portanto, utilizar essa figura de linguagem na Bíblia ajuda o homem a entender quem Ele é.

Quando Jeová criou o homem, tanto Ele, como seu mestre de obras, seu filho Jesus Cristo, utilizaram a seguinte expressão: "Então Deus disse: 'Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança...' ", ou seja,  foi criado à imagem de Deus, pois Adão era mais magnificente do que o resto da criação; Eles, como pai e filho, têm uma mente, vontade, intelecto, emoções e capacidade moral, já os animais não possuem essa capacidade moral e também não possuem um componente imaterial como Adão possuiu.

Mais tarde, quando criou a mulher, Jeová não utilizou uma nova fôrma, por assim dizer, mas Ele retirou uma costela de Adão e criou Eva, ou seja, ele utilizou a mesma matéria prima, para criar a mulher de modo que ela também era a imagem de Deus. - Gênesis 1:26; 2:22-24.


Porque atribuímos a Jeová um gênero masculino? 


Porque assim Jeová quis e não sabemos os motivos. Jeová sempre se referiu no gênero masculino todas as vezes que manteve contato direto com seus servos no passado. 

Para começar, as Escrituras contêm quase 170 referências a Deus como "Pai". Isso implica que uma pessoa não pode ser um pai a menos que seja masculino. Se o objetivo de Deus tivesse sido o de se revelar ao homem na forma feminina, então a palavra "mãe" teria sido usada nessas passagens. Tanto no Velho como no Novo Testamento, pronomes masculinos são usados frequentemente em referência a Deus.

Nos evangelhos o próprio Jesus Cristo, que veio à Terra como homem, embora também fosse uma pessoa espiritual, se referiu a seu pai cerca de 160 vezes como "pai" e utilizando o equivalente aramaico para o artigo masculino. (João 10:30)

De Atos à Apocalipse, os escritores bíblicos utilizaram o termo Θεός (Theos) para se referir a Deus, que qualquer professor de grego antigo pode confirmar que se trata de um artigo masculino e é citado cerca de 900 vezes.

Os anjos e demônios também são retratados no gênero masculino, inclusive, recebendo nomes masculinos. (Gênesis 32:22-28; Lucas 1:26; Judas 9)

Embora Jeová não seja homem, mas sim Espírito, Ele escolheu a forma masculina para Se revelar aos homens. Do mesmo modo, Jesus Cristo, a quem a Bíblia também se refere com títulos, substantivos e pronomes masculinos, andou na terra na forma masculina. 

Fazer a afirmação de que Deus escolheu a forma feminina para se revelar ao homem não é consistente com o padrão estabelecido pela Bíblia. Novamente, se Deus tivesse escolhido a forma feminina, acharíamos mais evidência para tal nas Escrituras o que não ocorre. 

Jeová é sexista e rebaixa as mulheres?

Ao criar a mulher da costela de Adão, ela também, se torna uma criação à imagem de Deus. Contudo, sua criação a partir do homem, Jeová apenas estabelecia um padrão organizacional.

A mulher, criada a partir do homem, dependera do homem para ser trazida à existência. Sendo parte do homem, "uma só carne" com ele, e sendo complemento e ajudadora dele, estava sujeita para se adequar ao padrão que Jeová queria para a humanidade. Ela também estava sob a lei de Deus, dada a Adão, a respeito da árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau. Tinha a responsabilidade de se empenhar para o bem do homem. Juntos deviam ter filhos e exercer domínio sobre os animais. — Gên 1:28; 2:24. 

Visto que o normal para as mulheres nos tempos bíblicos era casar-se, os textos bíblicos que tratam das responsabilidades da mulher usualmente se referem à sua posição como esposa. O dever primário de todas as mulheres em Israel era servir a Jeová Deus na verdadeira adoração e ser uma ajudadora de seu marido, cabendo a Ele, contudo, a chefia da família.

Mas mulheres tinham uma grande participação na edificação espiritual dos servos de Jeová no passado e ainda hoje possuem uma posição importante na edificação da congregação e não devem se sentir menores em relação ao Reino de Deus. - Salmo 68:11, A Sentinela 15/08/2014, pp. 3-8.  

Não sabemos e a Bíblia não esclarece o por quê Jeová utilizar sempre a figura masculina para se referir a Si mesmo e às criaturas espirituais, mas sabemos que isso não significa que Ele seja sexista ou que ache os homens mais importantes que as mulheres. Deus é espírito e é irrelevante se ele se mostra como homem ou mulher, contudo, por escolher o gênero masculino, cabe a nós seguir esse modelo. 

Qualquer tentativa de tentar mudar o gênero de Deus para mulher, este sim, é sexista e tem por objetivo apenas causar o caos dentro da organização estabelecida por Ele. 

quarta-feira, 27 de maio de 2015

VOCÊS ESTÃO SENDO VISITADOS?

Todos os anciãos possuem a seguinte informação:

"No máximo uma vez por ano, o corpo de anciãos deve verificar se há tais pessoas morando em seu território. Os anciãos considerariam os que foram expulsos há mais de um ano. Segundo as circunstâncias, se for apropriado, eles designarão dois anciãos (de preferência conhecedores da situação) para visitar tal indivíduo. Não se visitará alguém que manifeste uma atitude crítica, perigosa, ou que tenha avisado que não deseja ajuda. — Romanos 16:17, 18; 1 Timóteo 1:20; 2 Timóteo 2:16-18." - A Sentinela, 15/04/1991, página 21-23.

Desta forma caro desassociados. Se você está nesta condição e ainda mora no mesmo território da congregação onde foi desassociado, e já passara 12 meses, e nenhum dos anciãos o procurou para saber como você está e se deseja retornar à congregação, então:

1) Procure o ancião de sua congregação e manifeste o desejo de retornar à Organização de Jeová.

2) Caso não seja recebido, ou até mesmo tratado com descaso, escreva uma carta e encaminhe ao endereço abaixo e aguarde um posicionamento.

Rodovia SP-141 - km 43
CESÁRIO LANGE - SP
18285-901
BRASIL

segunda-feira, 25 de maio de 2015

ÊXODO DE ISRAEL DO EGITO: HISTÓRIA OU LENDA?




Durante séculos as narrativas das Escrituras Sagradas, especialmente do Antigo Testamento, são alvos de ataques ferozes de historiadores. Com a falta da informações de período em que ocorreram a libertação de Israel do Egito, muitos argumentam que eles devem ser interpretados mais pela fé do que pela razão.  

Com o lançamento do filme Êxodo: Deuses e Reis, que por sinal já comentamos aqui no blog, algumas críticas vieram novamente à tona. Uma delas refuta a Bíblia por argumentar que não existem registros egípcios sobre a escravidão e posterior libertação de Israel e que as Escrituras, por sua vez, não registram o período e nem o nome do Faraó que lidou com Moisés. 

O assunto é complicado mas vou tentar explicar de uma forma fácil para que vocês possam ter o mínimo de informação sobre o assunto. As informações abaixo estão no Estudo Perspicaz sob o verbete ISRAEL e EGITO.


QUEM ERA O FARAÓ NO PERÍODO DA ESCRAVIDÃO?

O primeiro capítulo de Êxodo diz apenas "que surgiu um novo rei no Egito que não conhecia José" e que ele foi responsável por iniciar a escravização do povo hebreu. No versículo 11 menciona que os hebreus tinha sido escravizados para construir a cidade Pitom e Ramses. 

Como foi descoberta um registro do faraó Ramsés II declarando a intenção de criar uma cidade com seu nome e usando trabalho escravo, muitos historiadores judeus atribuíram a ele o faraó que lidou com Moisés e Arão. Contudo fazer essa afirmação é imprudente. 

Pra começar muitos faraós utilizaram o nome Ramsés. Já nos dias de José, possivelmente séculos antes de Moisés, já existia uma cidade chamada Ramessés, de modo que não é possível afirmar que a cidade de Ramsés, ou Ramessés, que Êxodo 12:37 cita como ponto de partida do êxodo, seja a mesma cidade construída posteriormente por Ramsés II. Além disso o registro de Êxodo diz que o faraó morreu ao tentar perseguir os israelitas no mar vermelho, sendo assim, como explicar isso com o fato da múmia de Ramsés II ter sido encontrada numa das pirâmides do Egito?

Mesmo que a Bíblia informe que 40 anos depois da libertação, Israel conquistou Canaã, ainda assim seria imprudente estabelecer uma época específica. Afirmar que o faraó foi Ramsés II, e que ele foi primo ou irmãos de criação é um dos principais motivos que levam muitos historiadores a atacar a bíblia por causa do contexto histórico encontrado. 

Quem foi então o faraó que lidou com o povo de Deus? A resposta pra essa pergunta  é que a Bíblia não diz e fim.



Múmia de Ramsés II que muitos atribuem ser o faraó que lidou com Moisés. 

REGISTROS EGÍPCIOS NÃO MENCIONAM ISRAEL

Alguns acreditam que os hebreus poderiam ser os habirus mencionados pelo faraó Akhenaton da 18ª dinastia no que foi chamado de Tabuinhas de Amarna, encontrado próximo do Cairo, onde apresentam reclamações das nações aliadas sobre as  incursões e depredações causados por eles. Inclusive atribuem o termo Hebreu como originado do termo Habiru. 

O Estudo Perspicaz explica que isso não seria possível pois  os relatos das tabuinhas mostram que os habirus eram simplesmente incursores, às vezes aliados com certos governantes cananeus. Como os cananeus eram inimigos do povo de Jeová, isso descarta os hebreus. Além disso umas das cidades atacadas pelos habirus era Biblos, bem ao norte, distante, das cidades cananeias alvo dos israelitas.

Realmente os registros não mencionam Israel. Uma teoria para explicar isso é que os egípcios não tinham por tradição relatar seus reveses, apenas as vitórias e conquistas. Como o êxodo de Israel foi uma das derrotas mais vergonhosas e humilhantes sofridas pelo Egito, é razoável imaginar que eles deliberadamente omitiram. 


NÃO ERA DA CULTURA EGÍPCIA FAZER ESCRAVOS

O Egito foi um império que durou quase três milênios. É muito difícil atribuir um padrão para um povo durante todo esse tempo. Cada dinastia egípcia possuía suas particularidades. 

Para citar um exemplo, os egípcios eram normalmente politeístas, ou seja, adoravam vários deuses. Porém o faraó Akhaenaton era monoteísta e durante seu reinado, que durou dezessete anos, ele obrigou o Egito a adorar apenas o seu deus Athon punindo com a morte que o não fizesse. 

De modo similar, não haver registros de que os egípcios fossem escravocratas não significa que alguns não tenham usado esse método em algum período da história do Egito. O próprio faraó Ramsés II registrou seu desejo de construir uma cidade com seu nome usando trabalho escravo. Desta forma não é nenhum absurdo ou erro histórico o registro bíblico sobre a escravidão dos israelitas.

Não há registros na bíblia de que o povo de Israel foi responsável pela construção de pirâmides.


AS PIRÂMIDES FORAM CONSTRUÍDAS POR ISRAEL?

Antes de tudo vale informar que a construção das pirâmides é ainda o maior mistério que circunda historiadores e arqueólogos. Existem várias teorias mas nenhum fato comprovado. Ufólogos, inclusive, atribuem sua construção à extraterrestres devido a complexidade de sua arquitetura para àquela época.  Não é à toa que ela é uma das sete maravilhas do mundo antigo. 

Porém, em nenhum momento a Bíblia diz que os israelitas construíram pirâmides! Isso foi obra dos roteiros dos filmes de Hollywood. 

O livro de Êxodo deixa bem claro que os israelitas foram escravizados para construir a cidade de Pitom e Ramsés, que sequer eram consideradas cidades principais do Egito, embora ficasse próxima a capital devido a facilidade que Moisés e Arão tinha de se encontrar com o faraó. O êxodo ocorreu entre as 17ª e 19ª dinastia, e neste período, as grandes pirâmides do Egito já haviam sido construídas séculos antes.



RESUMO DA OBRA

A Bíblia não tem por objetivo ser um livro de história e realmente ela não menciona qual foi o faraó e sequer quando ocorreu a escravidão e a consequente libertação do Egito. O fato dela não ser precisa quanto ao tempo não significa que ela seja uma lenda. Acreditamos que ela é inspirada por Deus e proveitosa e para os que tem fé, isso já é suficiente. (2 Tim 3:16)

A permanência de Israel no Egito ficou gravada na memória da nação, e sua libertação daquela terra foi registrada por escrito e contada de geração a geração como uma vívida lembrança divindade  e poder de Jeová. Fragmentos desses registros foram encontrados e atestados por historiadores de sua autenticidade, como o fragmento do livro de Levítico (foto) datado do século VII a.C. 

Essa experiência ficou registrada nas Leis dada por Moisés séculos depois e se tornou base para uma das religiões mais históricas que existiu, o judaísmo, celebradas em festividades, cânticos e ritos até os dias atuais.

Portanto para nós que cremos na Bíblia ela existiu, e serve de exemplo e fortalece nossa fé até os dias de hoje. E isso é o que conta!


quinta-feira, 21 de maio de 2015

DESASSOCIAÇÃO NAS OUTRAS RELIGIÕES


A desassociação não é um ato praticado apenas entre as Testemunhas de Jeová. A maioria das religiões tradicionais, também a pratica, só que com regras diferentes, muito mais maleáveis e superficiais que as praticadas pela Organização de Jeová.


IGREJA CATÓLICA

O membro de uma determinada paróquia pode ser excomungado se ferir gravemente algum preceito da Igreja Católica. Ela é uma das três bases do código de direito canônico que regulam as igrejas católicas em todo o mundo.  O excomungado fica proibido de receber os sacramentos e participar de alguns atos litúrgicos, contudo, isso não significa que não possa mais conviver com outros membros. 

A tradição católica diz que o Papa é o representante de Deus na Terra, e portanto, lhe cabe autoridade, inclusive, para mudar regras estabelecidas nas Escrituras, portanto, a Igreja é superior a tudo. Assim os motivos que levam à excomungação são mais atreladas as regras da igreja do que à da Bíblia e dependem do bispo de cada região. 

O Código de Direito Canônico prevê desde 1983 os seguintes casos para a pena de excomunhão:

  • Profanação das espécies sagradas;
  • Violência física contra o Papa;
  • Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne;
  • Consagração ilícita de um bispo sem mandato pontifical;
  • Violação direta do segredo da Confissão pelo confessor;
  • Apostasia;
  • Heresia;
  • Cisma;
  • Aborto;
O excomungado só pode ser absolvido pelo Papa, pelo Bispo local ou por alguém autorizado por ele. Mas se o excomungado estiver em perigo de vida, ele pode ser perdoado no leito de morte por qualquer sacerdote. 

A excomunhão hoje em dia é rara na Igreja Católica. Normalmente é usado como manobra para católicos famosos ou que cuja opinião cause alguma relevância ou impacto no mundo religioso.


JUDAÍSMO

Os judeus, desde o primeiro século, se dividiram em várias facções, mas todas elas ainda estão submissas ao Chérem ou Hérem, que é o nome que dão à punição de exclusão do membro do judaísmo. O judeu é expulso e proibido de ter qualquer contato com a comunidade judaica. Embora não haja proibição de manter contato com familiares, ele não pode estar no meio da comunidade, por isso deve ser banido.  

Um dos motivos que podem levar à exclusão da comunidade judaica é a intermediação de negócios (ser avalista) com o uso do poder rabinical, o tráfico de drogas por membros da comunidade, uso de drogas ou profanação de objetos sagrados judaicos.

Uma "desassociação" entre judeus não ocorre há anos. O último judeu desassociado que se tem notícia foi o intelectual marxista Leon Trótski, que desempenhou um grande papel político na construção da antiga União Soviética. 


IGREJA LUTERANA


Embora tecnicamente o Luteranismo possua um processo de excomunhão, algumas denominações e congregações não o utilizam. A definição Luterana para a expulsão de um fiel foi estabelecida no "Pequeno Catecismo" de Martinho Lutero, que segundo ele, estabeleceu o modelo deixado por Cristo relatado em Mateus, capítulo 18. 

De acordo com Lutero, a excomunhão requer:

  • O confronto entre o sujeito e o indivíduo contra quem pecou.
  • Se isso falhar, o confronto entre o sujeito, a pessoa lesada, e duas ou três testemunhas para tais atos de pecado.
  • A informação do pastor da congregação do sujeito.
  • Um confronto entre o pastor e os sujeitos.
  • Além disso, há pouco acordo. Muitas denominações luteranas operam sob a premissa de que toda a congregação (contrariamente ao pastor unicamente), devem tomar as medidas apropriadas para a excomunhão. 
Um exemplo de processo luterano, embora raramente utilizado, foi um esforço para obter a excomunhão do serial killer Dennis Rader de sua denominação (a Igreja Evangélica Luterana na América), que só foi conseguida depois de anos de processo.


MÓRMONS

Talvez seja o movimento religioso cuja a expulsão lembra muito com o que as Testemunhas de Jeová praticam nos dias de hoje.  Os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD) podem ser expulsas e proibidas do convívio com outros membros se cometerem erros baseados em regras internas. Os familiares mórmons são exortados a cortar todo e qualquer contato com o membro expulso. Para eles a expulsão é pior que a morte.

O membro que cometer algum erro considerado grave é "convidado", primeiro, a abdicar de sua condição de membro saindo por sua própria vontade. Caso ele não aceite, então é julgado por uma comissão chamada Conselho Diciplinar que decide se devem ser expulsos ou não

A expulsão de membros entre mórmons não é um procedimento comum, mas na década de 90 mórmons famosos foram expulsos da igreja chamando a atenção da mídia americana, como Denver Snuffer, John Dehlin e Katy Kelin, dos quais levaram a opinião pública a criticar os métodos da organização religiosa. 


EVANGÉLICOS TRADICIONAIS

As igrejas evangélicas tradicionais são aquelas que nasceram da primeira onda do cisma iniciado por Lutero. Estão entre eles os luteranos, batistas, anglicanos entre outros. 

A expulsão nestas igrejas, nos dias de hoje, é muito mais filosófica do que prática. Os evangélicos de um modo geral acreditam que cabe apenas a Jesus Cristo julgar o membro infiel no "dia do julgamento" e por isso eles não possuem nenhum ritual específico de expulsão. 

Quando um membro comete um erro considerado passível de punição ele é disciplinado pelos pastores sendo proibido de participar de sacramentos dentro da igreja. Na maioria das igrejas essa punição é transparente, ou seja, o membro é proibido de participar de certos ritos, mas ele não é exposto aos demais. 

A Assembléia de Deus tradicional costuma fazer com que o errante se levante no meio do culto e seja informada à congregação que ele está sendo punido por algum erro. Mas é um caso raro seguido apenas pela Congregação Cristã no Brasil e a Deus é Amor.


IGREJAS NEOPENTECOSTAIS 


São denominados as igrejas da terceira geração do evangelicismo e consideradas mais liberais quanto a observância das regras bíblicas. A maioria são adeptas da teoria da prosperidade e acreditam que são influenciadas pelo espírito santo de Deus em sua totalidade, e por isso, toda ação do cristão está avalizada desde que ele tenha por objetivo servir a Deus.

Desta forma os neopentecostais não julgam e nem expulsam ninguém. A vida é uma relação entre ela e Deus e cabe tão somente a Ele julgar no dia do juízo final. Desta forma ele nunca é oficialmente expulso da igreja mesmo que cometa um pecado grave. 

Fazem parte dessa vertente as igrejas Renascer em Cristo, Sara Nossa Terra, Brasil para Cristo, Igreja de Cristo, Igreja Bola Sete, Ministério Braço Forte, Igreja Internacional da Graça de Deus, entre outras. 




terça-feira, 12 de maio de 2015

ERA JESUS SOCIALISTA?




Virou uma tendência nos Estados Unidos, maior país protestante do mundo, aqueles que querem implantar o Socialismo no mundo dizer que essa forma de governo é tão perfeita que era praticada inclusive por Jesus Cristo e que os apóstolos a implantaram no primeiro século entre os cristãos primitivos.

Muitos pastores evangélicos conhecido por aquelas bandas como Jim Wallis, Brian McLaren, Ron Sider e Tony Campolo são grandes defensores do Socialismo e até o presidente Barack Obama tem pegado carona e tentado subverter a mente dos conservadores neste sentido, usando a Bíblia em seus discursos.

Mas será que isso é verdade?


O que é Socialismo?

Basta entender quais são as bases do Socialismo para ver que a resposta é um sonoro NÃO. 

As bases do Socialismo como forma de governo surgiu no final do século XVII defendida por Karl Marx. Ele acreditava que o capitalismo concentrava injustamente as riquezas de uma sociedade deixando ricos mais ricos e pobres mais pobres; na sua ideia, apenas quando um governo feito pelo povo assumisse essas riquezas e distribuísse igualitariamente entre seus cidadãos, haveria mais justiça. Marx defendia uma revolução dos trabalhadores contra os patrões e assim, um governo do povo, que dominando os meios de produção poderiam viver numa sociedade mais justa.

No papel, o socialismo agradava pelo discurso, mas na prática se mostrou outra coisa. O problema é que a inclinação do homem é má todo o tempo e assim, todas as tentativas de se estabelecer o socialismo no mundo foram frustradas pela ganancia e a ambição do homem e sua incapacidade de se governar.

O Fascismo de Mussolini, o Nazismo de Hitler e o Comunismo de Stalin são frutos do Socialismo.




O Nazismo foi uma vertente da tentativa fracassada de se implantar o Socialismo.


Jesus incentivou o socialismo?

Pra começar Jesus nunca incentivou uma revolução de classes. Uma das frases mais lembradas dele registradas em Lucas 20:25, prova isso: "Dê a Cesar o que é de César..." e não "vamos tomar o que é de César!"

Alguns dizem que Jesus queria afirmar que cabia o governo regular a vida dos cristãos. Entretanto a própria conclusão da frase desilude. "...e a Deus às coisas de Deus." Jesus estava incentivando a respeitar a autoridade governamental, desde que essas Leis não ferissem as Leis de Deus. O que vai de encontro com o socialismo onde a regulação do governo é absoluta. 

A própria essência do Socialismo é contra a religião. Marx disse que a religião é o ópio do povo e por isso, a religião deveria ser desestimulada nas pessoas. Como Jesus Cristo que declarou que tudo que fazia era em nome de seu Pai, Jeová, poderia incentivar um sistema de governo que não pregava Deus?

E quanto aos pobres? Jesus era a favor deles, não só dos pobres mas de todos os enfermos e sofredores, independe de sua condição social. O próprio Jesus, embora viesse de uma família estabilizada financeiramente, não era dado ao luxo e abriu mão de confortos para pregar o reino de Deus, mas relatos mostram que ele não era pobre e inclusive se vestia com as melhores roupas de sua época, tanto que após sua prisão, guardas romanos disputaram por elas.

No Socialismo todas as riquezas do individuo são confiscadas pelo grupo, que por sua vez contabiliza e divide a todos igualitariamente. Mas a Bíblia não menciona nenhuma ação neste sentido. Mas ao contrário, incentiva aquele que tem mais que doe seus bens a favor dos pobres, como é feito por muitos cristãos ricos hoje em dia que doam parte de suas riquezas em doações para a obra de pregação ou para ajudar irmãos em países com dificuldades. 


Os apóstolos instituíram o Socialismo? 

"Todos os que se tornaram crentes estavam juntos e compartilhavam todas as coisas uns com os outros; vendiam seus bens e propriedades e repartiam entre todos o valor recebido, de acordo com a necessidade de cada um." - Atos 2:44,45


Muitos argumentam que se Jesus não o fez, coube aos apóstolo estabelecer o Socialismo e usam o texto acima para justificar. Mas um princípio destrói por si só qualquer argumento: Primeiro, se o socialismo estivesse em Atos, não poderia ter havido nenhuma propriedade privada porque a posse de todas as propriedades pelo governo está no coração do socialismo. No entanto o registro mostra que as propriedades pertenciam aos cristãos e não à congregação primitiva. Onde é que, em Atos, o governo estava envolvido, salvo na tentativa de matar os cristãos e proibir a pregação? Segundo, não eram funcionários do governo que estavam tratando com a congregação do primeiro século; eram os Apóstolos!

De modo que o contexto mostram que os cristãos estavam praticando apenas um dos frutos do espírito mais puro que existem: o amor, refletido na solidariedade e na preocupação com seu próximo. Mas o contexto relata que muitos cristãos continuaram a ter suas propriedades privadas e continuaram sendo bem aceitos na congregação. 

O ocorrido com Ananias e Safira mostra que muitos deles ainda possuíam suas próprias riquezas pessoais. E eles foram mortos não porque deixaram de doar seus bens para uma sociedade cristã socialista, mas apenas por terem mentido a Deus sem necessidade, já que poderiam ficar com parte de suas próprias terras. (Atos 5:1-10)


Conclusão.

Dizer que  Jesus e seus apóstolos eram socialistas é uma afirmação mentirosa. Essa afirmação e outras semelhantes a ela têm sido feitas por líderes religiosos progressistas nos últimos anos apenas para fomentar suas ambições políticas. 

Vale lembrar que a base do Socialismo é ateu. Os socialistas não acreditam que a Bíblia é a Palavra de Deus inspirada e infalível e, portanto, tentam adaptar partes da narrativa dos evangelhos e das cartas de Paulo para mudar e manipular o significado desses textos a fim de defender suas idéias políticas.

Deturpam a verdadeira mensagem de Cristo e ao colocá-lo contra os ricos, eles mudam a visão sobre qual era a verdadeira intenção de Jesus. Em vez disso, apelam para sua noção socialista de luta de classes como se os pobres e os ricos não fossem igualmente pecadores e não necessitassem ambos da graciosa provisão de Cristo.

Desde os dias de Israel, Jeová Deus já se preocupava com os pobres, especialmente os órfãos e a viúva. A Lei Mosaica estabelecia provisões para socorrer os necessitados, mas mesmo assim, os líderes judaicos estavam apenas preocupados em luxo e ganancia. (Amós 2:6; Ezequiel 22:29)

Nos dias de Jesus isso era mais claro, pois além da opressão de Roma, os servos de Deus pobres eram também oprimidos pela série de regras e tradições estabelecidas pelos líderes judaicos. (Lucas 16:14; 20:47). 

Desta forma, é óbvio que Jesus se direcionasse especialmente a estes para mostrar que apesar de serem pobres, Deus não os tinha abandonado. Jesus não queria fomentar a pobreza, mas apenas cuidar desses para que não desviasse do propósito de seu Pai, em um mundo onde finalmente a pobreza não existiria e onde todos pudesses usufruir da melhor forma possível de suas riquezas materiais e espirituais, sob as mãos do governador Maior, nosso Deus por meio de seu filho amado, Jesus Cristo. (2 Cor. 8:9)  

E isso não é Socialismo, mas Teocracismo. Verdadeiro.

domingo, 3 de maio de 2015

OS MICROCHIPS DA MARCA DA BESTA


Uma diferença básica sobre católicos e evangélicos é a sua interpretação da Bíblia. O católico só lhe aplica o que é conveniente e regularmente faz uma interpretação superficial, já que a Igreja, por meio da Santa Sé, é suprema e tem o poder de alterar o que está escrito na Bíblia; os evangélicos, por sua vez, principalmente os fundamentalistas, interpretam a bíblia de forma literal, inclusive, o livro de Apocalipse.

Me chegou pelo Facebook o vídeo abaixo, compartilhado por uma prima evangélica atordoada, onde segundo os mais de 58 mil compartilhadores e comentaristas, seria o início do fim. O chip seria a marca da besta e estaria sendo implantado compulsoriamente nos americanos, e em breve, no mundo, em cumprimento ao que João viu e relatou sobre a fera, ou a besta, em Apocalipse 13: 16 a 18.





O vídeo é real? Sim, é. Mas não tem nada a ver com nenhum programa norte-americano de implantação de um chip compulsório. É apenas a demonstração de um das várias invenções de um jovem apaixonado por tecnologia. Mas não existe nenhum registro de que o governo americano queira sequer comprar os tais microchips. Aliás, se quiserem mais detalhes, pode ler aqui no E-Farsas, um site que sempre uso para verificar as mentiras que se espalham pela internet.

Contudo, não é segredo para nerd nenhum que a ideia de utilizar chips implantados sob a pele em humanos é defendido por muitos especialistas. Um chip onde houvesse identificação digital do cidadão, onde ele poderia conter dados pessoais e que poderia ser como identificador digital, inclusive, para efetuar compras, entre outras coisas. Quando isso ocorrer, e deve ocorrer, significa o cumprimento de Apocalipse? Vejamos. 

"Ela obriga todas as pessoas, pequenas e grandes, ricas e pobres, livres e escravas, a receber uma marca na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender, exceto aquele que tem a marca, isto é, o nome da fera ou o número do seu nome. Isto exige sabedoria: quem tem discernimento calcule o número da fera, pois é o número de um homem. O seu número é 666."


Pra começar para ser literal o tal microchip deveria conter o 666 impresso nele, e fico imaginando qual seria o argumento para um governo imprimir essa numeração num chip e te convencer a usá-lo. Só se fosse compulsório, verdade, mas teríamos que convencer milhares de pessoas que vivem em países livres democraticamente pelo mundo.

Além disso, o cumprimento deveria ser mundial, e como o planeta é um emaranhado de países com culturas diversas, e sobretudo, formas de governo diferentes, fico imaginando o que os Estados Unidos faria para convencer o povo da Rússia, China e Coreia do Norte a usar o tal chip. 

Segundo ponto, a profecia cita também que a testa seria um dos lugares que a marca seria implantada, mas todo mundo se apega apenas à mão direita. E se o cara for canhoto e não houver chips na testa, a profecia estaria incompleta. Seria meio cumprimento. 

A Bíblia também diz que o detentor da marca, não poderia comprar ou vender nada. Os evangélicos ficam preocupados com o microchip, embora a bíblia não cita como a tal marca seria implantada na mão direita ou na testa. Mas não percebem que outra gerigonça estaria mais próxima da marca da fera, o celular!

Não percebem que o celular hoje em dia está muito mais apto a ser a tal marca da fera do que o chip? Imagina: normalmente seguramos ele não direita, e quando atendemos o celular, ele está próximo da testa. Hoje em dia já podemos fazer um monte de coisas: comprar, vender, consultar e verificar informações e até fazer diagnósticos de várias áreas da medicina.

Mew Dels!!! O celular é a marca da fera!!!

Brincadeiras à parte, soube por esta prima, que um dos pastores da igreja dela, inclusive, aproveitou a enseja para pedir que seus fieis se preparassem já para o dia do julgamento vendendo bens materiais e doando para a obra. Bem oportuno né? Ou seja, um cara que sabe lá como virou pastor, ajudando a fomentar uma mentira e oportunamente utilizando para tosquiar ainda mais seu rebanho e fomentar ainda mais o terror psicológico usando as profecias bíblicas. Mas pra muitos apóstatas os tais "crimes da Torre" são mais absurdos e criminosos que isso!

Enfim, se quiser saber mais sobre a Marca da Fera e como o Escravo Fiel e Discreto explica o cumprimento dos textos acima e, inclusive, o que significa o número 666, poderá pesquisar na BIBLIOTECA ON LINE da Torre de Vigia.